Quinta-feira, 7 de Março de 2013

                                                                                  

O Império Austro-húngaro fazia Praga pertencer-lhe no séc. XIX quando nasce Rilke.

As suas nobres amigas sempre o terão mimado o suficiente para que nunca trabalhasse. E Rainer escreve do amor e da percepção, a sua vida.

Quando um dia chega à Rússia a convite de Lou Andreas Salomé, a dimensão e a exuberância das paisagens russas, envolvem de religiosidade a sua poesia. Tratou-se de um encontro divino e arrebatador ainda longe do que encontraria nos braços de Salomé.

A colecção Histórias do bom Deus vinda ao lume em 1900 era portadora de uma luz que identificava o poder que a Natureza, em Rilke, passara então a viver.

Contudo o séc. XX viria a aportar-lhe um estilo algo afastado do lirismo que utilizara, e surge uma nova e muito característica expressão à sua escrita.

Rodin, o grande escultor de quem Rilke foi secretário em Paris, foi o melhor percurso que Rilke tomaria para provar como a mensagem poética também podia migrar da escultura para o poema. Assim, poemas e pedras num livro se casam em comunhão total de entendimentos indivorciáveis.

A transformação na produção de um no outro constituiu estímulo a uma criatividade fecunda e esclarecedora da comunicação das artes.

 

Um mundo inteiro viria a ter lugar e parto próprio até ao castelo Duíno, situado em Trieste, na Itália, onde Rilke morou a convite da princesa Maria von Thurn und Taxis e de onde partiria para a Suiça onde viveu até morrer.

Rilke tem uma obra original e notável marcada por imagens inesperadas de união absolutamente transcendental – nas palavras de Alçada Baptista - do mundo e do homem, num espaço interior que ora provocava as reflexões existencialistas, ora assumia o expressionismo, movimento cultural que surgira na Alemanha no séc. XX e que, atravessando as artes plásticas, a literatura, a música, o próprio cinema, era vanguarda inequívoca de uma nova forma de entender a arte, onde predominaria a expressão interior do artista, por oposição a qualquer outro movimento positivista, associado, nomeadamente ao impressionismo.

A “expressão” implicaria encontrar a cor pura, também no dizer do escrever, e assumi-la sem receio ao Fauvismo, andamento artístico (em francês les fauves, “as feras”) que, segundo Matisse visaria o equilíbrio na serenidade e na capacidade de atingir o estado de graça das crianças e dos selvagens. Por esta interpretação, a mera observação da realidade nunca mais bastaria a Rilke.

Com dez desenhos de Júlio Resende e com uma organização e tradução de Vasco Graça Moura encontrei em 2004 o lindíssimo livro “Carrossel e Outros Poemas” de Rainer Maria Rilke, numa edição da ASA.

Do prefácio de Graça Moura explica-se a ideia de indagar como é que os animais existem na poesia de Rainer Maria Rilke.(…) e porque, diz Rilke, “ há entre as coisas e os animais um numeroso acontecer”, aponta-se por um lado a uma profunda concordância dos ciclos e ritmos da vida e, por outro, à importância de certas formas de vida para a eclosão de uma poética.

Já lera eu que por causa de um verso, teria de se conhecer como voam os pássaros e como as flores se abrem pela manhã, e por toda esta heterogeneidade

 

Os golfinhos

 

Eis cardume que alegre ia cruzando

como a sentir que as ondas completava:

quente e afeiçoado, cujo bando

de confiança o rumo coroava,

ligeiro em torno à proa se ligando,

como a dobrar de um vaso a redondeza,

e feliz, descuidado, ante a surpresa

seguro, e ora álacre a subir,

ora a dar troco à onda a submergir,

e fazendo a trirreme ir avançando.

 

E o marujo

(…) um mundo

e achou para consigo

que ele ama deuses, jardins e melodia

 

Não se diga que Rainer Maria Rilke não é o poeta de uma significação que até sacode a própria vida no mar. E deste jeito um outro Rilke, mais escondido, mas não menos proa.

 


TERESA VIEIRA



publicado por cnc_admin às 09:00 | link do post | comentar

BLOGUE DO CENTRO NACIONAL DE CULTURA

ESTE BLOGUE ESTÁ ABERTO À PARTICIPAÇÃO DE TODOS. ENVIE O SEU TEXTO (CRÍTICA A UM ESPECTÁCULO, LIVRO, FILME OU EXPOSIÇÃO) INDICANDO OS SEUS DADOS PESSOAIS PARA O NOSSO ENDEREÇO DE EMAIL. OS TRABALHOS SELECCIONADOS SERÃO PUBLICADOS NESTA PÁGINA.

EMAIL

CNC_RGB_300dpis
CNC @ Facebook

CNC @ Twitter

Visitantes
(desde Agosto de 2008) online
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



31


arquivos

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

tags

a a vida dos livros

a força do ato criador

a vida dos livros

actividades cnc

alberto carneiro

aldo rossi

almada negreiros

almeida garrett

ana ruepp

antónio couto viana

antónio feio

blogues

bolsas jovens criadores

câmara clara

camilo martins de oliveira

carlos amado

centenário da república

centro nacional de cultura

cinema

condolências

credo

crítica

cultura

cultura hoje

cursos

cyrano de bergerac

d. tomaz da silva nunes

dagoberto markl

democracia

destaque cultural do dia

dona canô

duarte ivo cruz

duarte ivo cruz; garrett

edmond rostand

europa

exposições

fernando amado

fernando pessoa

filosofia

fotografia

garrett

germana tanger

guilherme d'oliveira martins

helena cidade moura

helena vaz da silva

humor

internet

jacarandás

japao

joão bénard da costa

joão cesar monteiro

joão osório de castro

jornal falado

josé saramago

josé viale moutinho

josé vidal-beneyto

julián marias

lançamentos

literatura

london letters

malangatana

manuel lourenço

maria josé nogueira pinto

mário bettencourt resendes

matilde rosa araújo

música

notícias

óbito

padre alberto de azevedo

papa bento xvi

património

peregrinação ao japão

personalidades

pintura

rafael bordalo pinheiro

ramos rosa

roque gameiro

ruy duarte de carvalho

sándor márai

sophia de mello breyner andresen

teatro

teatro da ribeira

tempo de férias

teresa bracinha vieira

teresa vieira

tratado de lisboa

união europeia

vasco graça moura

viagem ao encontro da santa rússia

viagens cnc

whitney houston

todas as tags

links
posts recentes

POSTAL QUARTO

O TEATRO DE REVISTA EM PO...

LONDON LETTERS

A VIDA DOS LIVROS

"CREDO"

A FORÇA DO ATO CRIADOR

"CREDO"

POSTAL TERCEIRO

O TEATRO DE REVISTA EM PO...

LONDON LETTERS

blogs SAPO
subscrever feeds