Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A MOAGEM, TEATRO E SALA DE CONCERTOS NO FUNDÃO


Assinala-se aqui a atividade de uma sala de espetáculos no Fundão, e a coerência da designação respetiva, tendo em vista o histórico do edifício. É que se trata da “transformação” de uma antiga fábrica num centro de cultura e de espetáculos: e não é habitual, como bem sabemos, este género de mudanças, no sentido em que aqui se processou: pelo contrário, o mais habitual, pelo menos em certas fases da evolução recente dos meios urbanos, seria precisamente o contrário: rentabilizar um velho teatro situado no centro das cidades em, não digo uma fábrica, mas pelo menos um centro de produção económica.

 

Ora neste caso do Fundão, o que ocorreu foi precisamente o contrário. Uma antiga empresa de moagem, fundada nos anos 20 do século passado, é transformado, insista--se no termo, em Centro de espetáculo e de cultura: e precisamente, para não haver dúvidas, adota a designação de Moagem – Cidade do Engenho e das Artes.

 

Trata-se de um projeto do Arquiteto Miguel Correia, inaugurado em 2007, por iniciativa da Camara Municipal que adquiriu a velha fábrica em 2002. Como já escrevemos, comporta duas salas de espetáculo, com 165 e 50 lugares, hoje amplamente utilizadas em iniciativas de âmbito cultural.

 

Com um aspeto que merece destaque: o edifício conciliou, de forma interessante, a recuperação dos velhos edifícios fabris com a modernidade do corpo central vocacionado para a atividade cultural e de espetáculos: e em boa hora essa atividade perdura.

 

Manuel Freches, no estudo que dedicou a este Teatro, assinala que “engenho significa a capacidade de criar, de realizar e de produzir com arte”. (in “A Moagem – Cidade do Engenho e Arte “ ed. CMF 2007 pág. 7). Ora, acrescente-se agora, a expressão em si mesma assume, quando aplicada a uma iniciativa de caracter cultural, um eco quase camoniano...

 

O Fundão é referido no século XVII por Frei Francisco de Santiago que assinala-o entre os “lugares (...) que estão situados por todo o espaço que vulgarmente se chama Cova da Beira”.  E três séculos depois, na peça “Entre Giestas (1916), Carlos Selvagem situa em “uma aldeia da Charneca “ o drama amoroso da “Clara Jornaleira” e do António, filho do “Ti Jacinto Cravo, lavrador abastado”. E a descrição da cena inicial documenta a visão realista que, na época, o ambiente urbano local impunha.

 

Inclusive, cerca de um século decorrido sobre a estreia desta peça, os Paços do Conselho estava instalado num belo edifício da antiga Real Fábrica de Lanifícios. (cfr. “Teatros de Portugal – Espaços e Arquitetura” – ed. Mediatexto e Centro Nacional de Cultura – 2008).

 

DUARTE IVO CRUZ

A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO

 

XXX - OBSERVAÇÕES E CRÍTICAS AO PESSIMISMO DE FISHER

 

1. Quanto à hipótese de desaparecimento do português, avançada por Steven Fischer, vale o que vale, como tantas outras, registando a História muitas previsões. Por exemplo, há cem anos o francês era a língua diplomática por excelência, com a correspondente projeção internacional, o que hoje não sucede, com a consagração do inglês como língua diplomática universal e global.

Em face do processo de globalização, assiste-se simultaneamente ao crescimento de expressões regionais e nacionalismos, incluindo o fomento de vários idiomas, apoiados na internet, que curiosamente muitos defendem ser o maior veículo de homogeneização cultural.  

 

2. Tendo o Brasil 40% da população latino-americana, sendo um país continental onde cabem vários dos países latino-americanos que o rodeiam, uma potência emergente, o maior poder económico latino-americano, exportando mais mercadorias culturais do que aquelas que importa, vivendo rodeado há centenas de anos de países falantes de espanhol, não faz sentido dizer que o português aí desaparecerá no futuro, sendo substituído por outro idioma, o portunhol. Se assim fosse, e as coisas fossem tão  simplistas, também o português já poderia há muito ter desaparecido de Portugal e ter sido substituído pelo espanhol, se nos lembrarmos que há centenas de anos a Espanha é o único país com quem partilhamos fronteira terrestre, de maior dimensão e mais populoso. E que entre 1580 e 1640 o nosso idioma correu o risco de se tornar uma língua ibérica menor, subjugado pelo castelhano para fins oficiais e diplomáticos, sendo hoje dos mais globais e falados mundialmente.
Também não vemos fundamento para que exista uma tendência de separação mais acentuada entre o português do Brasil e o de Portugal, e que o caso do inglês dos Estados Unidos e Reino Unido seja diferente, porque o inglês britânico e norte-americano se estão aproximando pelos programas de televisão, filmes e músicas que a América exporta aos milhares; dado que igualmente em Portugal a influência cultural e audiovisual do Brasil é cada vez maior, nomeadamente através da música, telenovelas,  outros filmes, séries televisivas e da cada vez mais numerosa colónia de emigrantes brasileiros, em que a língua é sempre fator determinante. A que acresce, com tendência crescente, a legendagem em português do Brasil, entre nós, de eventos culturais no cinema, ópera, concertos. Sem esquecer a tradução, para o nosso idioma, via Brasil, de todo o tipo de obras e literatura.
Convém referir que Steven Fischer fala do Brasil como uma espécie de monopólio da língua portuguesa, falando ao de leve de Portugal e ignorando os países africanos lusófonos omitindo, quanto a estes, as suas grandes potencialidades, demográficas e outras, em especial de Moçambique e Angola, designadamente desta, além dos milhões de lusófilos disseminados pelo mundo, razão pela qual o futuro do português não está apenas dependente da América Latina, apesar de agora aí ter o seu centro.
Tudo a demonstrar que muitos fatores terão de ser ponderados e outros surgirão nos próximos trezentos anos, pelo que a previsão do fim do português no Brasil tem tanto valor como o do fim de qualquer outro dos idiomas mais falados no mundo. 

 

3. Quanto a previsões, há que ter presente que nos EU a comunidade latina é muito representativa, nomeadamente a hispânica, pressionando para que o espanhol seja considerado o segundo idioma oficial, pelo que, mesmo aí, outros idiomas podem ultrapassar o inglês, como o espanholês, à semelhança do que Fischer diz do portunhol em relação ao Brasil.   
Que assim pode ser, refira-se a opinião do linguista inglês Nicholas Ostler, autor de “Empires of the Word” (Impérios da Palavra), segundo a qual a língua inglesa não está segura, pelo menos a longo prazo, considerando que de futuro outras línguas irão apanhar e ultrapassar o inglês, uma vez que a população que o tem como língua materna não cresce ao mesmo ritmo da de outras, como o espanhol, o árabe e o português.    Prevê, ainda, que o que deu prestígio à língua inglesa nos séculos XIX e XX, caso da ciência, entretenimento, tecnologia e grandes empresas, não vai durar para sempre, o que é agravado pelo avanço das tecnologias, prevendo-se o aparecimento dentro de uma ou duas gerações de aparelhos de interpretação e tradução automática.
Com os avanços tecnológicos é possível que no século XXI surjam máquinas de tradução e interpretação automática, tornando desnecessário, em termos de comunicação, o conhecimento mútuo de uma língua franca, estando as Nações Unidas a desenvolver o projeto “Universal Networking Language” (UNL), uma linguagem universal de tradução automática para uso na internet e em computadores, usando cada pessoa o seu idioma, o que não é tido em atenção por Fischer. 

 

28.11.2017
Joaquim Miguel De Morgado Patrício

CRÓNICA DA CULTURA

 

Que me dizes? Já passou o futuro? Então e a gente já não o vai viver? E passou em que tempo e em que rua? Quem te disse?

 

- Pois disse-me o desejo do futuro.

 

- Qual desejo? O teu desejo ou o desejo de todos? Ou o teu desejo do Pedro?

 

- Olha, estou confusa com as tuas perguntas. Não pensei que reagisses tão alarmada. Não vês que o futuro é o presente, e nele o futuro é uma espécie de vida suspensa, e quem o topa, vai, e vive-o. Pronto é isso o que sei.

 

- Mas isso é uma crueldade. Não vês que estou com gripe e a febre não me deixa ir a lado nenhum. Vieste visitar-me para me dizer isso? Ó Rita tem dó, há muitas maneiras de desperdiçar o tempo e dentro dele o tal tempo de futuro que se apanha numa porção especial do presente, mas dizeres-me assim essas coisas sabendo como eu estou? Até já nem sei quando me começou a febre, e se o tal pedaço de presente que é futuro, não tem em consideração uma espécie de suspensão para ser vivido mais tarde, se acaso a culpa não for nossa? Se não tiver em conta a nossa ausência de culpa, então sim, é que estou tramada: perdi imenso com a gripe.

 

- Alexandra tem calma ou a febre sobe-te. Disse-me o Pedro que estes dias em que a gente não topa o futuro, têm mais de 24h e é nesse acima 24 h que está o futuro que, às vezes, pode ser 1h, 10h, ou 1 segundo a mais das 24h. Ninguém sabe mais nada. Acontece.

 

- O quê pode ser um segundo? Pode ser só um segundo para se viver o futuro daquele dia? Ai! que já me sinto muito pior. Vou chamar o médico.

 

- Não! Não chames ninguém. A porção desse segundo foi o melhor beijo que o Pedro me deu. Foi uma porção de segundo imensa! E nada digas a ninguém. Isto é um segredo enorme, pois imagina tu se naquele dia, a porção fossem 10h?

 

- 10h? Que tarefa! Achas que o Luís pode saber disto e nada me ter contado até que chegue o tempo máximo das 10h?

 

- Não sei. Ele olha-te muito, mas enfim, a preparação rouba muito tempo à porção, e entretanto ele gasta-a pondo-te à prova.

 

- E a prova real será eu provar-lhe que aceito viver com ele no futuro? Deus! Não me quero de adivinha, mas pressinto que a sucessão do tempo, se não a acalmarmos, faz o futuro ser agora, e já ter passado, e tudo ao mesmo tempo. Que embrulhada me trazes, Ritinha!

 

- Alexandra, eu é que vou daqui confusa e a pensar que eu e o Pedro fomos mesmo muito parvos.

 

- Porquê?

 

- Ora porque se tu estás certa, e nós que só vivemos aquele futuro num segundo, devíamos era ter esperado mais. Ter esperado que o segundo fossem horas. Estou mesmo a ver que tu aproveitas a gripe e te preparas para as 10h, e ao tempo, dás ainda, na altura certa, um Lexotan à penúltima das horas, ou seja, às 9h. Estou mesmo a ver que primeiro que cheguem as 10h, tens um futuro imenso pela frente!

 

- Bom, a ideia tem pernas ó Rita, mas eu estou doente. Saberás tu quanto tempo dura isso do futuro ser presente? E sabes se se gasta? O meu maior receio, digo-te, nem é bem esse do futuro se gastar, mas o do desejo de o viver se tornar escasso, se acaso não depender só de nós.

 

- Agora é que me afundei. Viraste o tempo contra nós, contra o futuro, contra a tal porção que te falava no início, e tudo isto por conta do desejo estar só em nós. O futuro do qual falamos - cuida-te-, que mal uma pessoa se distrai e as 10h já eram… mas se o desejo for nosso e de alguém, então é que o futuro não é de ninguém e dura para além das 24h, sem que se intua o tempo que estará no para além das 24h.

 

- Talvez não seja como eu penso. Acalma-te! Afinal se esta gripe que me apanhou for a das aves – não te rias - eu contagio-te já, e até podemos voar para além das 10h.

Como sabes, os voos são sempre aproximações aos momentos e estes são bem maiores que os segundos, e até maiores que as horas, aliás estas até se espantam por não saberem quanto tempo a mais das 24h, têm os momentos. Foste uma querida em vir visitar-me. Foste uma querida por me trazeres um algo muito especial e ambas a podermos ir em direção a ele. Já viste? Livrámo-nos da vontade dos outros de nos tornarem distraídas face aos nossos desejos. Aos nossos desejos das porções de tempo de futuro que estão contidos em todos os nossos presentes. E la grande question est de décider ce que l’on sacrifiera: il faut savoir qui, qui, sera mangé, como dizia Valéry.

 

- Nós ou o tempo do futuro?

 

Teresa Bracinha Vieira

30 novembro

SEGREDO ABERTO

 

Olhei e vi

O que não gostei

E de mim não perdoei

O que noutros

Encontrei

Igual

 

Todos julgam

Julgar o que não julgam

Julgando

 

Apartam-se do similar ou diverso

Como se a diferença

Em profundidade

Existisse

 

Pobres somos

Pois todos tão perto

Do lago

Onde morreremos

Num afogamento

Trôpego e heroico e nada

Só agua

 

Que enfim é mesmo

Uma realidade

Verdade da natureza

Daquela que tudo sabe

 

E nós

Nem do amor

Fábula

Máscara

Conhecemos caminho

 

Tu

Só tu

Só eu

Só lágrimas unidas

Um dia

 

Quando a bater

O coração parou

Na direção

Da estrada esperançada

Que ainda não nos

Reconheceu

 

E ainda assim 

 

Bate, bate na minha alma

Um nascimento

 

Poesia

 

 

Teresa Bracinha Vieira

Janeiro 2018

A FORÇA DO ATO CRIADOR

 

Gottfried Böhm e os Paços do Concelho de Bensberg.

 

'O mundo das formas levanta oposições que se desfazem à luz do entendimento.', Agostinho da Silva

 

O arquiteto

Apesar de vencedor do prestigiado Prémio Pritzker, em 1986, Gottfried Böhm (1920) sempre se manteve uma figura marginal nos debates da arquitetura dos últimos sessenta anos. Os historiadores e os críticos de arquitetura têm alguma dificuldade em categorizar a sua obra, por ser demasiado complexa, mutável, multifacetada, mas também específica e irrepetível. Talvez a sua obra se aproxime mais do trabalho de Häring, de Sharoun, de Asplund e de Aalto (porém Böhm admira também o trabalho de Mies). 

Böhm não escolheu nem a via teórica, nem a via da propaganda - sempre se referiu à sua arquitetura de maneira modesta e despretensiosa mas largamente descritiva. Böhm fala sim através da luz, da sensibilidade ao sítio, do moldar do betão, das formas esculpidas, do modo como se usam os espaços.

Apesar de professor, durante vários anos, em Aachen, Böhm não fundou nenhuma escola ou movimento, preferindo, sempre que possível, que a sua arquitetura falasse por ela própria. 

A influência do trabalho do seu pai - o arquiteto expressionista Dominikus Böhm - também contribuiu para a importância do 'espírito do lugar' (genius loci), do sentido do toque e do realismo da matéria. E Gottfried cresceu no meio das ideias do pai, que se relacionavam com a vontade em fazer uma arquitetura religiosa de atmosfera específica, sensível e concreta. 

Gottfried começou por estudar arquitetura mas estudou também belas artes e escultura. Trabalhou primeiramente com o seu pai e depois com Rudolf Schwarz. Em 1955, após uma breve estadia nos Estados Unidos, Gottfried herdou o escritório do seu pai e continuou assim o seu trabalho - nomeadamente na construção de igrejas e de edifícios sociais. 

 

'New buildings should fit naturally into their surroundings, both architecturally and historically, without denying or prettifying the concerns of our time.', G. Böhm

 

O Castelo
Ora, sem a presença do castelo, a solução criada por Böhm, para Bensberg, seria impensável. Bensberg cresceu e desenvolveu-se à volta do castelo, que data do séc. XIII. A partir do séc. XVII ficou abandonado e em ruínas e no séc. XIX, o castelo foi convertido num mosteiro e num hospital. Em 1961, o município decidiu reunir no castelo todos os seus vários departamentos. A proposta de Gottfried Böhm ganhou o concurso. A decisão chave do seu projeto, além de apresentar uma rara sensibilidade ao lugar, propunha a demolição do volume construído no séc. XIX, de maneira a expor as muralhas originais do castelo e assim clarificar a reinterpretação do arquiteto. A solução igualmente exponencia, em certa medida, as teorias de Camillo Sitte - ao prolongar linhas existentes, ao preservar a memória de gerações anteriores, ao enfatizar a irregularidade das cidades antigas, ao aceitar mutações constantes e ao transformar os problemas em vantagens. 

 

A torre
A solução de Böhm ao concentrar-se imensamente numa torre anti-funcional vai contra o seu tempo - não nos esqueçamos que a simplicidade e a racionalidade de Seagram tinha acabado de ser construída e os blocos modernistas afirmavam ainda a 'máquina de habitar'. A torre de Böhm em betão sólido, explora afinidades com a pedra e a máxima capacidade das cofragens. O material simples e monolítico é trabalhado de forma complexa, sendo reflexo da geometria das torres antigas, ou mesmo sugerindo a formação de uma rocha que se eleva a uma pirâmide pura. As aberturas mesmo abaixo do seu término, sugerem a presença humana, mas a torre permanece um espaço misterioso, impossível de visitar e inacessível. Os esquissos e as maquetes de Böhm, mostram que a torre sempre se desenhou multifacetada, elevando-se a partir da escada em espiral. A forma teve variadas versões. A luz e a sombra mudam constantemente durante o dia. O seu sucesso formal muito se deve aos projetos que Böhm fazia em paralelo - igreja de St. Gertrud, igreja de St. Matthew e Catedral de Neviges - porque todas também apresentavam coberturas multifacetadas, imensamente exploradas em esquissos e maquetes. Em Bensberg, Böhm teve a capacidade expressiva para criar um momento culminante (a torre) e combinar a marcação modernista através das fenestrações horizontais corridas - aqui fazendo referência ao universo corbusiano. 

 

'History has a natural continuity which must be respected.', Gottfried Böhm

 

Mas Böhm, consegue quebrar a monotonia da horizontalidade, nos cantos ora côncavos ora convexos, introduzindo diferentes alturas e níveis. A solução volumétrica tem uma presença formal e mássica muito determinante no castelo e na cidade. Existem algumas semelhanças com a torre Einstein de Mendelsohn, e com a ideia de StadtKrone de Bruno Taut e as torres cristalinas expressionista. Porém Böhm estava interessado em algo muito maior do que uma simples forma escultural - como arquiteto, Böhm sempre se interessou por uma arquitetura que apresentasse caminhos e direções legíveis e um sentido extremo de progressão espacial. 

 

Em Bensberg, Böhm deu assim uma vida vibrante ao que restava do antigo castelo. E sem ostentação, nem domínio, nem qualquer demonstração de poder inseriu um grande e potencialmente complexo e aborrecido programa burocrático no centro da cidade antiga. Permitiu assim criar uma nova identidade no centro de uma pequena vila. Os volumes construídos não se veem de uma só vez e não se apresentam monoliticamente distribuídos - Böhm  demonstrou habilidade em trabalhar com o assimétrico, o não-retangular, o complexo, o irregular, o novo e o velho. O material, o extenso vocabulário, a imaginação poderosa, a visualização das potencialidades, o controlo intuitivo, o máximo de respeito e o constante diálogo com o existente, em muito contribuíram para o seu sucesso.

 

(ver CANNIFFE, Eamonn e JONES, Peter Blundell, 'Modern Architecture Through Case Studies, 1945-1990.', Architectural Press, Oxford, 2007.) 

Ana Ruepp

TEN SEM TOP…

 

DEZ LIVROS PARA LER ABSOLUTAMENTE…

 

Aproveitando a aproximação das Festas, publicaremos, ao longo do mês de dezembro, diversas sugestões de boa leitura.

Hoje apenas literatura portuguesa…

Eis o começo!

 

1) Até que as Pedras se Tornem mais leves que a Água, António Lobo Antunes (D. Quixote);

2) O Bebedor de Horizontes, Mia Couto, Terceiro volume de As Areias do Imperador (Caminho);

3) Domingo à Tarde, Fernando Namora (Caminho) - reedição;

4) Esta noite sonhei com Brueghel, Fernanda Botelho (Abysmo) - reedição;

5) Cinzento e Dourado – Raul Brandão em Foco nos 150 anos do seu Nascimento, Vasco Rosa (Imprensa Nacional);

6) Tempo de Escolha, António Barreto (Relógio d’Água);

7) Bíblia, volume III, tradução do grego de Frederico Lourenço (Quetzal);

8) Poesia, Eugénio de Andrade (Assírio e Alvim);

9) Transporte no Tempo, Ruy Belo (Assírio e Alvim);
10) Gastão Cruz, Existência (Assírio e Alvim).

 

Muito boas leituras!

CNC

A VIDA DOS LIVROS

 

De 27 de novembro a 3 de dezembro de 2017.

 

“Os poetas quando são verdadeiros não morrem” - afirmou, há dias, nos Açores ao “Açoriano Oriental” Eduardo Lourenço, aquando das jornadas realizadas pelo Governo Regional e pela Fundação Calouste Gulbenkian nos 175 anos do nascimento do poeta micaelense Antero de Quental (9.11.07).

 

 

O GRANDE MICAELENSE
A atualidade de Antero de Quental é algo que merece atenção e cuidado. E a afirmação de Eduardo Lourenço assume uma especial importância, uma vez que Antero compreendeu, como ninguém, que havia uma mitologia cultural portuguesa que chegava ao fim. E assim o poeta, como tem afirmado o ensaísta de O Labirinto da Saudade, “viveu a título pessoal a morte de Deus, como se fosse uma evidência absoluta, e ao mesmo tempo sem poder aceitá-la”. E é a vivência deste paradoxo que torna o poeta uma referência multímoda da nossa cultura e o projeta para uma dimensão universal, em que ele é único no panorama português. De facto, o autor dos Sonetos pôde ser central na genial geração de que participou – tornando-se, ao mesmo tempo, sucessor numa genealogia que atinge a maturidade com Camões e chega a Bocage, Garrett e Herculano, e vai continuar em Pascoaes e na revista “Águia” e em Fernando Pessoa e no “Orpheu”, até aos nossos dias. Estamos, deste modo, num ponto de encontro e numa espécie de placa giratória, definidores da cultura portuguesa como um cadinho de diversas influências. E não por acaso encontramos nesta capacidade de abertura universalista uma das bases da heterodoxia de Eduardo Lourenço. Longe de uma identidade fechada, deparamos com a recusa de um qualquer fatalismo ou de complexos de superioridade ou inferioridade, típicos de culturas ensimesmadas. Se é verdade que sofremos de uma ciclotimia ou bipolaridade ancestral, o certo é que o sentido crítico da geração de 1870 contribuiu decisivamente, num certo tratamento de choque, para a recusa dessa enfermidade estrutural. Afinal, a projeção global da nossa língua (uma das cinco que mais crescerão no próximo século) capaz de ser expressão de várias culturas e fundamento de diversas línguas subsidiárias, como os crioulos, corresponde a essa extraordinária capacidade de integrar poética e culturalmente uma visão abrangente – não ligada a uma qualquer idiossincrasia tribal ou regional. Sem ter exata consciência disso mesmo, o poeta açoriano é, nestes termos, um autêntico símbolo da vocação universalista da cultura portuguesa, que em nada minora a importância do que nos distingue. E Antero de Quental corresponde à vivência desse universalismo cosmopolita, que mais tarde encontraremos em Pessoa e Mário de Sá-Carneiro. Aliás, Tolstoi e Unamuno testemunham, de modo inteiramente insuspeito, sobre a importância do nosso genial poeta. Voltando a Eduardo Lourenço: “a literatura condensa a essência de cada povo, daquilo que ele é e pretende, das vivências que o norteiam e definem”. No caso de Antero e Pessoa, “ambos se dedicaram a olhar o problema da nossa identidade, da nossa figura, da nossa imagem no mundo… Não para os olhos dos outros, mas para os nossos próprios. Isso começou com a geração de 70”. E é esse sentido crítico, a capacidade de realizar a psicanálise mítica do nosso destino que torna essa atitude como crucial no sentido de uma emancipação centrada na compreensão humana e complexa de quem somos.

 

QUE MITOLOGIA DA SAUDADE?
Em carta a António de Azevedo Castelo Branco de 1867, Antero diz que “a rêverie da saudade é para a alma que se deixa envolver nela como hera para os muros que veste e abraça. A princípio é um adorno, uma gala. Mas as raízes vão entrando dia a dia por entre as pedras mais bem ligadas, abrindo-as, deslocando-as. Quando se lhe acode não é mais já do que uma ruína – uma ruína encoberta e protegida por uma ilusão”. Recusa-se, deste modo, uma simplificação melancólica. Mais importante do que o culto de uma ilusão, importaria ir à substância das coisas e inserir o sentimento poético numa compreensão racional. Trata-se de uma demarcação relativamente a Garrett, como modo de superar a contradição entre razão e delírio. Haveria que caldear as tradições com a racionalidade e a procura de um caminho capaz de nos proteger das ilusões. No entanto, o poeta oscilará entre o misticismo e a “lucidez racional” – entre a poesia e a filosofia. E em carta a Oliveira Martins, de 1880, dirá: “é incrível a desarmonia que há entre a minha razão e o meu sentimento, e este, por mais que faça, nunca chega a afinar pelo tom grave e claro daquela. Que fazer? É evidente que a poesia sai do sentimento e não da razão”. Daí a necessidade que o poeta sente do mundo das ideias – que o leva a centrar-se na reflexão que se traduzirá na publicação do fundamental ensaio “Tendências Gerais da Filosofia da Segunda Metade do Século XIX” (1890), a pedido de Eça de Queiroz para a “Revista de Portugal”. Já em 1885 dissera a Jaime Batalha Reis: “Extrair do pessimismo o otimismo, por um processo racional, tem sido afinal o trabalho da minha vida. Creio que cheguei ao termo e dou a minha Filosofia por completa e acabada. (…) A dita minha Filosofia não é original. É antes uma fusão (não amálgama) do Hegelianismo com a monadologia de Leibniz, dando de si a síntese do idealismo e do espiritualismo num terreno que à 1ª vista se parece com o materialismo. (…) O meu sistema será pois (como todos, no fundo) um ensaio de interpretação do Universo no ponto de vista do espírito moderno, interpretado esse mesmo espírito pela razão crítica. Se conseguir fazer isto satisfatoriamente, não darei por vão o meu esforço”. O pessimismo é, no fundo, um caminho, para que a consciência crítica ilumine a ação. E é da necessidade de não descurar a ligação entre pensamento e ação que resulta o paradoxo de Antero – preocupado com a necessidade de haver ideias, de existir espírito crítico e de ligar o espírito e a intervenção cidadã. Daí a complementaridade que sentia haver entre si e Oliveira Martins, pela necessidade das ideias se traduzirem em consequências práticas. E em maio de 1887 escreve ao seu dileto amigo, alertando: “Vejo-o caminhar para um pessimismo negativo, que não posso aprovar e me contrista”. E, depois de constatar a impossibilidade de penetrarmos absolutamente no problema da existência, vem dizer: “desprezar o mundo, desprezar os homens, ver o vácuo e o tédio como resíduo final de tudo, é o grande pecado do orgulho. Afinal, o que está está bem, o que vai vai bem. A nós o que nos cumpre é descobrir o como e o porquê deste paradoxo universal das coisas – na certeza de que é um divino paradoxo”. Em vez do afastamento do mundo, haveria que compreendê-lo, em nome da justiça. “A filosofia não pode prescindir dos dados da consciência; mas, por outro lado, as aspirações da consciência não podem anular os factos naturais e históricos e positivos” – diz a Ferreira Deusdado em 1888. O divino paradoxo de Antero põe em confronto a consciência e a realidade, a sensibilidade e a razão. E um tal dilema representa a singular atualidade do inesquecível poeta.

 

Guilherme d'Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

   Sofro dores físicas, como todos nós, resisto-lhes tanto quanto posso, sem anestesias e poucos paliativos. Respeito-as mais como sintomas a observar, do que as detesto como intrusas a eliminar... Singularmente, tenho outro convívio com mágoas : são sempre misteriosas para mim, não sei localizá-las, nem sempre consigo atribuí-las a causas claras, tampouco as sinto como dores da alma só, sofro-as também no corpo, são muito humanas e pertencem à natureza de mim. São desta condição humana, tão própria das forças do universo e tão sempre a fugir delas. As árvores e as plantas todas, a vegetação amiga que todos os dias respiro aqui, no campo cuja única voz é estar em nós como nós nele, os animais que vão transmitindo vidas, e as perdem ou delas se separam, pensossinto que também sentirão mágoas vindas do incógnito do nosso da sein. Aqui estamos, todos os seres vivos, sem saber porquê nem verdadeiramente como. Mas, inconscientemente, quiçá seja maior a mágoa de quem, tampouco sabendo, quis comer do fruto da árvore do conhecimento e assim se condenou a ter de procurar sempre, com toda a alma que lhe dá vida, a razão, não só do seu da sein, do estar aí, mas de simplesmente ser e não poder negá-lo. Eis a grande mágoa. A tal que não nos larga nunca. A mesma, não o esqueças, Princesa de mim, que também nos torna irmãos na humana condição de um desamparo cuja única saída possível é a demanda de mãos dadas. Assim, Princesa, me pensossinto ser-ontologicamente-em-relação, em comunhão necessária com o mundo, o cosmos, todos os meus iguais  -  passados, presentes e futuros  -  na consciente condição humana, em que tanta mágoa se interroga e possa, talvez, afinal, descobrir-se em alegria... Não sei, não sabe ninguém, escrevo-te tudo isto com alguma perplexidade : morreu hoje uma amiga, que, com seu marido de meio século, andou comigo na cristandade da JUC, e hoje, quiçá, já não se pudesse lembrar de que a fé é a esperança das coisas que deverão vir...  

 

   Segundo o relato bíblico, Deus é anterior à nossa mágoa. Pior: foi Ele que no-la infligiu. Mas o Novo Testamento diz-nos que Deus prefere a misericórdia ao sacrifício. E o evangelista São João, que começa por nos anunciar que o Verbo é o princípio de tudo, e se fez carne e habitou entre nós, ensina-nos, pelo exemplo de Jesus Cristo, que Deus é amor e que, pelo amor, nos tornamos Deus com Ele. Não pretendo fazer exegese bíblica nem teologia, sei bem que não estou suficientemente habilitado para qualquer dito bem feito em tais disciplinas. Limito-me a perguntar se há - e, assim sendo, que sentido terá - qualquer contradição entre o trecho do livro do Génese que aqui te trago (Gen. 3, 22-24) e o, que também transcrevo, da 1ª carta de São João (1 Jo. 4, 12-21). O texto vétero-testamentário conta-nos a nossa mágoa inicial, esse gesto de Deus que nos expulsa do Paraíso: Disse então Yahvé Deus: «Eis que o homem se tornou um de nós, para conhecer o bem e o mal! Que não mais estenda a mão, para colher também o fruto da árvore da vida, e o poder comer e viver eternamente!» E Deus expulsou-o do jardim do Éden, para cultivar a terra donde tinha sido feito. Como em muitos outros mitos primitivos, o deus inicial, ou qualquer deus, afasta-se do que criou e julgava bom. De criaturas queridas, passamos a dejetos. Não saberíamos bem porquê, a nossa mágoa confundia-se com um quase ontológico sentimento de culpa. A tal ponto que o alívio da dor mais íntima só se conseguiria pela reparação pelo sacrifício, isto é, pela renúncia suposta ou desejavelmente sacralizadora de um bem querido, mesmo que este fosse a vida de um animal, de um ser humano, ou a nossa própria... Curiosamente, o episódio mítico da expulsão do Paraíso - de clara fonte bíblica (aliás também esta inspirada em anteriores relatos sumérios) - tem no Corão um relato mais de reconciliação do que de punição. Na Sura II (33-35) podemos ler: Nós [Alá] dissemos a Adão: «Habita o jardim com a tua esposa; alimentai-vos abundantemente dos seus frutos, em qualquer ponto do jardim em que se encontrem, mas não vos aproximeis desta árvore, por receio de vos tornardes culpados». Satã fê-los escorregar e fez com que fossem expulsos do lugar onde se encontravam. Nós dissemos-lhes então: «Descei desse lugar; inimigos uns dos outros, a terra vos servirá de morada e possessão temporária». Adão aprendeu do seu Senhor palavras de oração; Deus agradou-se do seu arrependimento ; Ele gosta de voltar ao homem que se arrepende; Ele é misericordioso. E eu volto à primeira carta de São João: A Deus, nunca ninguém contemplou. Se nos amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e em nós se cumpre o seu amor...  ... E nós reconhecemos o amor que Deus tem por nós, e acreditámos nele. Deus é Amor: quem permanece no amor permanece em Deus e Deus nele...  ... Não existe medo no amor ; pelo contrário, o amor perfeito apaga o medo, porque o medo implica um castigo, e quem tem medo jamais chegará à perfeição do amor. Quanto a nós, amemos, pois que Ele nos amou primeiro. Se alguém disser : «Amo a Deus», mas detestar o seu irmão, é mentiroso; quem não ama o seu irmão, que vê, não poderá amar a Deus, que não vê.

 

   Princesa de mim: falo-te de mistérios, de coisas secretas que pressentimos e não sabemos explicar, dessas que nos são tão íntimas e que, todavia, nos transcendem: surpreendemo-las sempre antes e depois de nós... Trazemo-las connosco, como que fazem parte de nós, e contudo não as comandamos. Assim é a mágoa que nasceu connosco e nos une, e na qual, afinal, todos comungamos. O relato bíblico do afastamento do primeiro casal humano do Paraíso, esse sobre o qual tanto me acontece pensar tratar-se de castigo, talvez injusto, certamente difícil de entender, também me ocorre ser parábola do nosso lançamento à liberdade própria, sustentou em Santo Agostinho  -  quiçá também por influência de uma misoginia judeo-cristã que lhe transmitira sua mãe, Santa Mónica, ou, antes, do seu próprio passado maniqueísta (tal podemos depreender das suas Confissões) da sua inesperada experiência de adolescente sexualmente excitado - aquilo a que já se chamou a invenção do pecado original e da sua perpetração e perpetuação pela cópula dos casais humanos. As consequências de tão castrador conceito do amor humano têm sido, a meu ver, ao longo da história do cristianismo, bastante abafadoras e desviadoras de caminhos até mais puros e condizentes com a natureza humana... Antes pelo contrário, levaram a obsessões misóginas (repara na teimosia quanto ao celibato dos padres - que até esquece que o primeiro papa, São Pedro, era casado -, ou na dita "teológica" oposição canónica à ordenação de mulheres, ou nas "justificações" de condenação de métodos contraceptivos, etc. por uma igreja clerical em que abundam casos e casos de padres pedófilos, ou frequentadores de prostíbulos, ou ignorantes disfarçados de proles adúlteras...) Tanta hipocrisia, Deus meu! Mas não é sobre isso que quero falar-te hoje. Insisto, Princesa de mim, perdoa-me por isso, nessa minha experiência espiritual da mágoa. A tal que nos vem, desde o berço, sim, porque Deus nos quis livres e a ternura é difícil. 

 

   Pensossinto que o Verbo inicial, criador do mundo e da vida, fundador da consciência e do tempo, é como um grito que percorre a História e silenciosamente atravessa, trespassa o ânimo de cada um de nós. Até quando se apagarem os caminhos e regressarmos à eternidade. Depois de termos dado resposta à pergunta feita a Caim: «Que fizeste do teu irmão?» Sobrevivemos no tempo que nos é dado, tempo contado, tempo de interrogação e mágoa, pela alegria da esperança que ganhamos a cada passo para o amor recuperável. Lembras-te, Princesa de mim, daquele trecho de Dostoievsky, que já te tenho citado? É um passo de Os Irmãos Karamazov: «Que a vida é um paraíso» - diz-me ele de repente - , há muito que penso nisso.» E logo acrescentou: «É só nisso que penso». Olha para mim e sorri. «Estou mais convencido disso ainda do que o senhor, mais tarde saberá porquê». Eu oiço isto e penso: «Por certo quer revelar-me alguma coisa». - «O paraíso», diz ele, «está escondido em cada um de nós, está mesmo agora escondido em mim, e se eu quiser, amanhã mesmo, ele será uma realidade para toda a minha vida».

 

   Finalmente, Princesa de mim, nada é mais absolutamente verdadeiro do que um abraço fraterno. Talvez por isso Cristo abra os braços na cruz.

 

Camilo Maria 

Camilo Martins de Oliveira

O COLISEU DOS RECREIOS VISTO NO FINAL DO SÉCULO XIX

 

Já nos ocupámos aqui do estudo de Henry Lionnet sobre os teatros portugueses, escrito, recordo, em francês e publicado, em Paris no ano de 1898: “Le Théâtre au Portugal”, (2ª edição, Paul Ollendorf ed. 28 bis Rue de Richelieu). Recordo ainda que as cerca de 300 páginas do volume, adquirido num alfarrabista, contêm 45 imagens e fotografias de teatros, autores e atores. Como então escrevemos, trata-se efetivamente de uma raridade, quanto mais não seja pela importância que é aqui atribuída ao teatro escrito e representado sobretudo em Lisboa e no Porto, com referências por vezes detalhadas e devidamente ilustradas aos teatros portugueses mais relevantes na época.

 

Como vimos no artigo anterior sobre o tema, trata-se de um   levantamento analítico do teatro e dos teatros, dos dramaturgos e dos artistas que na época atuavam sobretudo em Lisboa e no Porto, com gravuras de edifícios, salas, cartazes, programas e atores e atrizes, e com destaque, no que se refere às gravuras de edifícios, plantas de interior, cartazes e programas, para o D. Maria II, Ginásio, Trindade e Coliseu dos Recreios em Lisboa e para o D. Afonso e Príncipe Real, no Porto.

 

Isto, no que se refere, como como foi dito, aos teatros propriamente ditos. Porque as restantes gravuras são como vimos de atrizes e atores em cena, num variedade de peças devidamente identificadas e muitas vezes analisadas ao longo do texto. Os atores e atrizes evocados são da ordem das centenas. E farei aqui um destaque, pois se trata de uma então muito jovem atriz que, dezenas de anos depois, ainda vi tantas vezes representar como decana do Teatro Nacional -  Palmira Bastos, já qualificada no livro de Henry Lyonnet como “primeira atriz do Teatro da Trindade” e isto, insista-se, em 1898!

 

E recordo designadamente o último grande sucesso de Palmira, “As Árvores Morrem de Pé”, de Alexandre Casona, no D. Maria II, mais de 60 anos decorridos!

 

 Mas voltando aos teatros, o livro refere designadamente os seguintes, com os comentários e apreciações aqui transcritas no artigo anterior:

 

«O Teatro D. Maria II para a alta comédia e o drama. O Teatro do Ginásio para a comédia e o vaudeville. O Teatro da Trindade para a opereta, e momentaneamente para a comédia e o drama. O Teatro da Rua dos Condes para a opereta e a revista. O Teatro do Príncipe Real para o drama e a revista popular.

 

O Teatro da Avenida para a opereta popular e a revista. O Teatro São Carlos (Ópera) não está aberto senão algumas semanas no inverno, para uma companhia de ópera italiana e o Teatro Dona Amélia para as companhias de passagem, ópera italiana e zarzuela espanhola.

 

No Porto:

O Teatro do Príncipe Real, reservado à comédia, ao drama, à opereta. O Teatro D. Afonso à opereta e à revista. O novo Teatro Carlos Alberto estreia-se com uma opereta. O Teatro da Trindade – quando está aberto – apresenta peças populares. O Teatro S. João alberga a ópera italiana». (fim de citação)

 

Estas apreciações são desenvolvidas ao longo do livro. Mas, tal como escrevi no artigo anterior, justifica-se ainda uma referência ao livro de Henry Lyonnet, designadamente no que respeita ao Coliseu dos Recreios, que lhe merece aliás um capitulo autónomo. E ao contrário das restantes, a referência ao Coliseu, em si mesma interessante, surge “prejudicada” pela confusão do espetáculo em si, mas sobretudo pelas dificuldades em confirmar o acesso à sala, numa récita de apoio a viúvas e órfãos organizada pela então relevante Associação de Imprensa.

 

A organização terá sido caótica. E a descrição da sala que aqui resumimos, é no mínimo ambígua:

 

 «A sala, muito vasta, construída sobretudo tendo em vista o circo, surge-nos simultaneamente enorme e elegante. Cobre-a uma cúpula metálica.  Quando à cena, mal se distingue, impercetível, num canto, fazendo face à tribuna real, imensa, desproporcionada, enquanto 102 camarotes distribuídos em duas filas, espalham-se em redor. Por cima destes camarotes, um vasto “promenoir” onde a multidão se acumula, de pé. Por baixo (...), um imenso anfiteatro onde se acumulam três mil espetadores. Estas últimos lugares chama-se a geral. E tudo isto, eta noite, está cheio a transbordar. A geral, em particular oferece uma imagem extraordinária; os espetadores, apertados, comprimidos uns sobre os outros, não podem mesmo sentar-se e mantêm-se de pé. Deste ajuntamento inaudito, ouvem-se cada momento gritos, imprecações, palavras ordinárias - sempre as mesmas - insistindo até à obsessão. Tudo isto a dois passos de senhores de fato escuro e damas de elegantes toiletes de noite!»

 

Assim seria o Coliseu no final do século XIX!

DUARTE IVO CRUZ

A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO

 

XXIX - OBSERVAÇÕES E CRÍTICAS AO OTIMISMO DE MORENO


1. Embora sugestiva e sedutora, tendo por base, no essencial, uma perspetiva comercial e de mercado, o otimismo de Moreno pode ser desde já criticado pelo facto de entendermos que acredita em demasia na bondade e predisposição dos povos hispânicos, falantes de espanhol (a começar por Espanha), quererem aceitar a língua portuguesa como língua global, dada a mais valia que tem, ao ser falada, de com ela se perceber 90% do castelhano, 50% do italiano e 30% do francês. Independentemente de tal caraterística ser ou não exclusiva do nosso idioma, mesmo que o seja (o que desconhecemos), não vislumbramos que esse bloco linguístico esteja disposto a assumir o português como segunda língua visando, no futuro, a solidificação da Iberofonia ou Comunidade Iberófona, promovendo-se, assim, um “bilinguismo inteligente”, tendente ao reconhecimento da língua portuguesa como o “Ferrari” do comboio linguístico deste século.

A tradicional mentalidade imperial castelhana, o seu centripetismo e força centrípeta, a que não será alheia uma certa altivez ou orgulho ostensivo, tanto mais que atualmente são em maior número os falantes de espanhol que os de português, são sérios obstáculos a que se concretize o reconhecimento dessa mais valia tida como caraterística intrínseca do nosso idioma. 

Aliás, se fosse intenção dos falantes de espanhol, a começar pelos próprios castelhanos, de Castela, tirar proveito dessa mais valia, já há muito o teriam feito, mesmo para quem tenha como dado assente que é mais fácil quem fala português entender o espanhol do que o inverso. Ora, todos sabemos, por experiência própria, que é mais usual um lusófono tentar exprimir-se em castelhano, mesmo que não saiba, ou em portunhol, do que o inverso. 

 

2. As justificações poderão ser muitas, desde o ser mais difícil para os falantes do idioma vizinho entenderem ou falarem português, até à ausência de qualquer esforço nesse sentido, porque simplesmente presumem, por certo, que não vale a pena, não só porque português e espanhol são idiomas parecidos, porque o português uma língua menor, ou porque os falantes de português os entendem ou tentam entendê-los, mesmo quando de passagem ou de visita pela nossa própria casa, por exemplo, em Portugal.  Que assim é, os exemplos abundam, desde logo, entre nós, quando se veem falantes de espanhol de passagem, residentes ou a trabalhar no nosso país falando e escrevendo com naturalidade no seu idioma, tantas vezes sem concessão alguma ao uso de expressões em português, sendo mais fácil ver portugueses ou jornalistas portugueses a falar ou simular falar espanhol, inclusive intramuros. Já o mesmo não sucede quando lusófonos transitam, trabalham ou residem, por exemplo, em Espanha, onde na maioria dos casos, tendo como interlocutores espanhóis, se exprimem, ou tentam exprimir (mesmo não sabendo) em espanhol. 

Também é usual a maioria das nossas elites (políticas e outras) tentarem falar em espanhol ou portunhol, quando em países falantes de espanhol, fazendo-o mesmo em  Portugal; já o inverso não é verdade. 

A velocíssima rapidez com que falantes de português se adaptam ou tentam adaptar a um bom uso do idioma oficial de Espanha quando aí residem ou trabalham, é inversamente proporcional aos esforços que a maioria de falantes de espanhol fazem para se adaptar a um bom domínio do português em terras lusas. Além da ausência de reciprocidade, subalterniza-se o nosso idioma como uma espécie de dialeto do castelhano. No que respeita aos portugueses em geral, há aqui, por confronto, um complexo de inferioridade linguístico que contrasta com as manifestações desproporcionadas do nacional ufanismo. O que é extensivo a uma percentagem significativa de brasileiros.

Não faz sentido defender-se estarmos perante dois idiomas parecidos, de fácil entendimento entre ambos, quando essa realidade só funciona, normalmente, para um dos lados, nem nos parece ser essa a melhor maneira de preservar e divulgar a língua portuguesa.

Esta é uma das razões determinantes para o nosso ceticismo em relação ao otimismo de Moreno, pois se é a falar que as pessoas se entendem, não será assim que os falantes de espanhol assumirão e reconhecerão, numa primeira fase, a língua portuguesa como o idioma de futuro por excelência da globalização. 

 

3. O que não facilita nem possibilita que os falantes de inglês tomem consciência e percebam, fazendo contas, que o nosso idioma tem esse valor acrescentado, apesar de o português e o espanhol serem falados por 700 milhões de pessoas, sendo 1300 milhões se lhe juntarmos 600 milhões de monoglotas anglófonos, criando-se um mercado mais global.

Nem é de crer que a atual superpotência mundial (anglófona) promova a tal categoria o nosso idioma, pois para além de não ser a sua língua identitária, também não teria interesse que ao difundi-la o Brasil fosse o seu motor, porque um potencial concorrente. Brasil que, por sinal, alguns livros didáticos de conceituadas escolas norte-americanas, têm como um “reino da violência, tráfico, ignorância e um povo sem inteligência”. Ousando alguns editores não reconhecer a Amazónia e o Pantanal como territórios brasileiros. Defendem que desde os anos 80 a mais importante floresta mundial passou a ser da responsabilidade dos Estados Unidos e da ONU, sendo a chamada “PRINFA” (Primeira Reserva Internacional da Floresta Amazónica), fundada por a Amazónia estar localizada numa das regiões mais pobres do planeta “e cercada por países irresponsáveis, cruéis e autoritários”, com povos primitivos e sem inteligência (Jornal “Tribuna da Bahia”, Salvador, 22/12/2004).

O que releva, com inerentes adaptações, no que toca à China e à Índia, referidas por Moreno, no seu otimismo, que passariam a ser Sino-Hindi-Anglo-Iberófonos,  mantendo o seu idioma materno e reconhecendo o português como segunda língua e a única do mundo a excluir o monolinguismo. 

Parece-nos, pois, que seria necessário começar por uma real e efetiva afirmação dos países lusófonos e seu reconhecimento como tal em termos internacionais, não sendo suficientes construções teóricas que embora bem-intencionadas e positivas para o nosso ego, estão desfasadas da realidade.

Apesar de Moreno colocar o centro do “mundo que o português criou” no Brasil, descentrando-o e deslocalizando-o do continente europeu para o americano, para um gigante promissor, sem dúvida, fazendo lembrar compatriotas seus, como Gilberto Freyre, entre outros.               

 

21.11.2017

Joaquim Miguel De Morgado Patrício