Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO


XXV - COMO LÍNGUA BIPOLAR

 

Há uma manifesta desproporção entre a posição ocupada pela língua portuguesa no Mundo e na Europa, dado ser um idioma de caraterísticas dominantes e globais a nível mundial, com um estatuto regional, secundário e de “pequena” língua no continente europeu.

 

Tomando como referência, em linguagem metafórica, as medalhas e diplomas dos melhores atletas das modalidades que integram os Jogos Olímpicos, tem direito a duas medalhas de ouro por ser a língua mais falada do atlântico e do hemisfério sul, uma de prata por ocupar o segundo lugar entre as línguas românicas, três de bronze por ser a terceira mais falada do ocidente, do continente americano e africano, dois diplomas olímpicos por ter a quinta ou sexta posição entre as mais faladas em termos globais e ser a quinta língua internauta.

 

Na Europa é a sétima língua mais falada da zona euro, com direito a um diploma olímpico, o que já não sucede pela décima e décima terceira posição que ocupa, respetivamente, na União Europeia e em todo o continente, dado que, nestas últimas situações, não está entre as oito mais faladas. Esta bipolarização, baseada numa distribuição desproporcionada, em termos demográficos, territoriais e geográficos, dos seus falantes fora e dentro da Europa, carateriza o nosso idioma, cada vez mais, em termos evolutivos, como uma língua não europeia, apesar da sua génese europeísta.

 

Daí não ser apenas nossa, mas também nossa.

 

Nem se pode ter uma língua cosmopolita, intercontinental e transoceânica, implantada e viajando por todos os continentes e oceanos, querendo ter a sua posse e ser dono dela, uma vez ser ela dona e senhora de quem a fala.

 

Portugal, embora seja o condómino mais antigo, não usufrui de mais mordomias que os demais condóminos, muito menos em termos demográficos, sendo o Brasil, por agora, o grande motor, o mais eficaz e melhor vendedor da língua portuguesa no mundo. Para defesa e como prioridade estratégica do português, o critério mais aceitável é o do número global de falantes das línguas no mundo, a começar por Portugal e extensível aos restantes países lusófonos que o têm como língua oficial e ou materna, sem esquecer os lusófilos.

 

E embora Portugal, em termos mundiais, seja um país médio, tem no mundo grandes responsabilidades históricas e atuais, por causa da nossa cultura, onde impera o nosso idioma como língua de várias culturas.1

 

27.06.2017

Joaquim Miguel De Morgado Patrício

 

1. Como complemento desta temática, podem ler-se, neste blogue do CNC, da nossa autoria, os seguintes textos: A Língua Portuguesa no Mundo X - A língua Portuguesa na União Europeia, XI - O Dilema Bipolar da Língua Portuguesa, publicados, respetivamente, em 28.07.16 e 11.08.16.