Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A VIDA DOS LIVROS

 

De 3 a 9 de abril de 2017.

 

Luísa Ferreira acaba de publicar «Ao Encontro de Damião de Goes – Para José Mariano Gago» (2017) um imperdível pequeno livro de imagens, onde relata um singelo mas muito significativo ato de homenagem de José Mariano Gago ao grande humanista português Damião de Goes, que tanto admirava e que se apresenta como símbolo do combate determinado contra a mediocridade e a ignorância, contra a intolerância e o fechamento.

 

EXPEDIÇÃO A ALENQUER
Na Galeria da Livraria Sá da Costa, pudemos ver expostas as fotografias de Luísa Ferreira e ouvir Luís Filipe Barreto e Karin Wall a invocarem os dois percursos de vida que se misturam na memória longa, uma vez que José Mariano quis que alguns dos seus últimos passos se dirigissem ao Renascentista. Tratou-se de uma expedição a Alenquer, ao encontro de Damião de Goes, no dia 9 de março de 2015, segunda-feira. “Mariano falou-me (…) sobre Damião. O grande humanista português do século XVI nasceu e morreu em Alenquer, depois de ter passado muitos anos fora do país. Foi viver para a corte aos nove anos e o Rei enviou-o para a Europa. Conviveu com Erasmo de Roterdão, entre outros pensadores, comprou e partilhou obras de arte, voltou a Alenquer onde adquiriu uma quinta e sofreu com a Inquisição”. Foi com estas referências que Luísa Ferreira aceitou o desafio de ir com José Mariano, para este olhar de frente o retrato que o próprio cronista mandara gravar na pedra. Infelizmente, o busto está hoje bastante danificado, apresentando um rosto alterado pelo tempo. Mas ele queria ver a efígie de Damião de Goes, para poder olhá-lo, para sentir a sua presença e para oferecer a sua representação à Real Academia Belga, onde dele falara. “Fotografia é estar com os outros, mostrar-lhes, ver”. E sobre o ato de registar imagens, Mariano gostava de recordar Alhazen, o físico e matemático árabe do século XI, que escreveu “o primeiro tratado decente sobre Ótica”, construindo diversas câmaras escuras como meio de experimentar um novo modo de considerar e de conhecer a visão humana…

 

PERCEBER PORTUGAL
Durante um ano Damião de Goes acompanhou José Mariano. A Descrição da Cidade de Lisboa (1554) era revisitada com especial prazer. Tornou-se leitura de cabeceira. O pequeno opúsculo “foi por ele escrito (na Flandres) quando todos os dias chegavam a Antuérpia galeões portugueses com especiarias das Índias – e a Europa queria perceber Portugal – e entender Lisboa”. E lembramos o que está escrito relativamente a uma cidade que rivalizava “com todas as outras cidades da Europa, tanto pelo número de habitantes, como pela beleza e variedade das construções”… É a Cidade Global, documentada na exposição do Museu Nacional de Arte Antiga, descrita pela pena de Damião de Goes. “Passando a Rua Nova do Rei, que transborda de entalhadores, joalheiros, ourives, cinzeladores, fabricantes de vasos, artistas de prata, bronze e de ouro, bem como fanqueiros; cortando à esquerda, chegaremos a uma outra artéria que tem o nome de Rua Nova dos Mercadores, muito mais vasta que todas as outras ruas da cidade, ornada de um lado e de outro, com belíssimos edifícios. Para aqui confluem todos os dias, à compita, comerciantes de quase todas as partes do mundo e suas gentes, em concurso extremo de pessoas, por causa das vantagens oferecidas pelo comércio e pelo porto”. O livrinho “deu a volta à Europa e contou o que era Lisboa nessa época (um tanto desgraçada de ódios e guerras de religião). Sendo Damião de Goes o grande humanista português do século XVI e que sempre conseguiu defender a tolerância! Contra os ódios”. É a letra de José Mariano Gago que no-lo diz. Apesar de o rosto do humanista estar deteriorado, a verdade é que é, segundo testemunhos coevos, o mais próximo da realidade. Podemos, porém, recordar o epitáfio fotografado nos finais do século XIX, na igreja da Várzea, onde se vê o busto antes de ter sido danificado. O túmulo está na igreja de S. Pedro, desde 1941, vindo da Várzea. E o próprio Damião de Goes, na descrição de Lisboa, fala-nos da sua terra natal: “A meio, pouco mais ou menos, do curso do Tejo, na margem de cá, indo para o poente, fica a fortaleza de Alenquer – a terra onde nasci -, e que, segundo Resende, os antigos chamavam Gerobriga”. Na capela de S. Pedro, em Alenquer, estão representadas as armas de Damião de Goes, dadas pelo Imperador Carlos V, e as de sua mulher D. Joana de Hargen. “Ao maior e ótimo Deus, Damião de Goes, cavaleiro lusitano fui em tempos; corri toda a Europa em negócios públicos; sofri vários trabalhos de Marte; as musas, os príncipes e os varões doutos amaram-me com razão…”. A cabeça do humanista esteve guardada durante anos até ser colocada na igreja. E conta-se que antes foi vista a rolar na rua a servir de brinquedo para as crianças… Mas José Mariano quis confrontar-se com o estado atual da pedra, sabendo que foi ela que o humanista mandou esculpir, numa representação fiel. Depois dos tratos de polé a que foi submetida, importava recordar a memória do cronista e diplomata em pelo menos três facetas: a do espírito aberto e livre, lutador pela tolerância e companheiro de outros grandes humanistas; a do português regressado à pátria, incompreendido, perseguido pela injustiça inquisitorial e porventura assassinado; e a de um exemplo maior da cultura portuguesa cujo monumento funerário foi sujeito a um ignóbil tratamento, por ignorância e desmazelo.

 

UMA CARTA DE ERASMO
Simbolicamente, lemos ainda no Caderno de Alenquer uma Carta de Erasmo de Roterdão a Damião de Goes. Não está aí por acaso. Sentimos o azedume das incompreensões. “Os italianos a cada passo arreganham contra mim, em opúsculos maléficos. Em Roma foi imprensa (sic) a Defesa da Itália contra Erasmo, dedicada a Paulo III. A rixa nasceu de duas palavras minhas não entendidas e que estão nesta máxima: Micónio calvo, é dizer cita erudito ou italiano belicoso, - as quais eles interpretam como tendo eu censurado os italianos por serem pacíficos, quando a verdade é que nesta expressão a Itália foi louvada e não vituperada. Comer, beber, - são vocábulos médios; comilão, beberrão, palrador – toam como vício. De igual modo, belicoso não traduz louvor, que sim exprobação. Os citas, por seus costumes bárbaros e selvagens, desprezam todas as disciplinas liberais, inclinados só para as armas; os ítalos, esses cultivam a filosofia, as artes e a eloquência, que são fomentadoras de paz, diametralmente contrárias por isso às daqueles. Eis excelente matéria de defensão”. A presença de Erasmo, que conhecemos do Elogio da Loucura, significa a um tempo a crítica às mentes intolerantes e a necessidade de esclarecer as ideias pelo diálogo franco e aberto… Fica-nos um testemunho em prol do conhecimento e da tolerância, como valores assentes no respeito mútuo. “Criticar os costumes dos homens, sem atacar qualquer pessoa denominada, será efetivamente morder? Não será antes ensinar e aconselhar? Aliás, não faço incessantemente a crítica a mim próprio?” Erasmo dixit, e poderia tê-lo feito Damião de Goes… José Mariano pede-nos para não os esquecermos.

 

Guilherme d'Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença