Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A VIDA DOS LIVROS

19777661_BGTCV.jpeg
    De 12 a 18 de junho de 2017

 

"Genuína Fazendeira - Os 100 anos de Cleonice Berardinelli", obra coordenada por Gilda Santos e Paulo Motta Oliveira (Bazar do Tempo, 2016), agora apresentada em Lisboa na Fundação Gulbenkian, assinala os cem anos de Dona Cleo e permite-nos usufruir de uma obra preciosa (livro-oferenda) de homenagem à notabilíssima Professora de Literatura Portuguesa.

 

Untitled.jpg

 

UM TÍTULO MAGNÍFICO

O título é dado por um poema de Carlos Drummond de Andrade dedicado à parabenizada – “uma ensancha prazenteira / (a justiça é que me impele) / à genuína fazendeira…”. Aí se enaltece a importância de quem tem dedicado a sua vida à “constante maravilha do linguajar português”. São cerca de novecentas páginas suculentas, em que temos a colaboração de uma larga comunidade dos mais qualificados admiradores da mestra, cujo centenário celebramos, com muita alegria, em sua vida. E, além do mais, recordamos alguém a quem a língua e a literatura portuguesas muito devem e que tem sido injustamente esquecido. Falo de Fidelino de Figueiredo, que fundou uma verdadeira escola do estudo da literatura portuguesa em S. Paulo e que trouxe Cleonice Berardinelli para a ribalta. É, aliás, fundamental a carta de 1958 que endereçou à sua discípula (e ora publicada), com elementos curiosos para o conhecimento de Fernando Pessoa, ele mesmo. Dizia Fidelino: “Fomos condiscípulos no 1º ano da faculdade, que então se chamava Curso Superior de Letras. Acabava ele de chegar da África do Sul. Era alto, magro, narigudo, um pouco tartamudo e mantinha sempre uma expressão sorridente, que fazia lembrar o rir japonês, como defesa. Caminhava de esguelha, como afligido por escoliose espinal. Em breve desapareceu, talvez por não obter a revalidação dos estudos que trazia. Perdemo-nos de vista, apesar da simpatia que nos atraíra”. Depois, houve um encontro junto da igreja da Madalena, em que falaram animadamente, mas tendo Fidelino louvado um texto do poeta sobre o espírito provinciano – “não foi preciso mais para lhe sobrevir um acesso de timidez. Corou, enrugou mais o sorriso e partiu muito confuso. E nunca mais o vi – coisa bem explicável pelo meu exílio de 24 anos”. Nessa epístola, para além do testemunho, Figueiredo confirma as fundamentais qualidades de Cleonice, sua discípula dileta, dando-lhe conselhos avisados sobre a defesa e publicação da tese. Poesia e Poética de Fernando Pessoa (1959) é, de facto, um texto muito importante – “uma exemplificação perfeita dos métodos da estilística moderna e passará a constituir indispensável instrumento para a compreensão da obra do poeta, principalmente se for articulada ao movimento poético imediatamente anterior”. E se Fidelino de Figueiredo foi o mestre essencial da mestra, não podemos esquecer o afeto que esta dedica ao rigor de Pierre Hourcade (lamentando não ter podido falar com ele sobre Pessoa) e à fantasia, quase loucura, de Giuseppe Ungaretti.

 

SORRISO INCONFUNDÍVEL

No conjunto riquíssimo de textos de Genuína Fazendeira, Maria Alzira Seixo invoca o sorriso inconfundível: “o seu sorriso a desdobrar-se! – neste monumento centenário que nenhum abalo corrói – que dura e resiste. Cleonice”. Vasco Graça Moura não nos deixa por menos: “se a camões se consentisse / ter uma vida segunda / diria da mais profunda / gratidão a cleonice”. E Luís Filipe Castro Mendes recorda uma curiosidade avassaladora: “Nós passeámos por Praga, / por seus becos e travessas, / numa insaciável saga / de viagens e conversas…”. Pessoalmente, não esquecerei o momento em que encontrei Dona Cleo. Foi a 14 de outubro de 2011, graças ao nosso querido Eduardo Lourenço, com uma sessão riquíssima Fundação Gulbenkian em Paris, e um adorável jantar oferecido pelo casal Seixas da Costa, com a fidalguia conhecida… E ouvimos o ensaísta, admirador confesso da homenageada de agora, a exprimir o seu enlevo: “a paixão e o saber dessa cultura em comum (do elo que une as nossa únicas margens do atlântico cultural que há séculos une e separa o antigo cantar da galaica raiz e de imemorial futuro) eram – são – uma espécie de segunda natureza da filóloga herdeira do berço comum da latinidade que tem hoje no Brasil o seu espaço de memória mítica”. Como disse Anne-Marie Quint (a quem a literatura portuguesa tanto deve): “naquele dia, estivemos em presença de dois ilustres defensores das culturas lusófonas, abertos um e outra à cultura universal. O evento, além disso, reafirmava os vínculos poderosos e seculares que ligam a cultura portuguesa à cultura brasileira”…

 

UMA SIMBIOSE FECUNDA

Para Cleonice, não há conflito entre as literaturas portuguesa e brasileira. Têm em comum a mesma língua. “As pequenas diferenças que se verificam entre elas não fazem com que haja, nunca, uma dissensão. Portanto nem dissensão nem colisão” (entrevista ao JL, 10.8.87). Quando veio lecionar na Faculdade de Letras de Lisboa, a convite de Maria de Lourdes Belchior e de Maria Vitalina Leal de Matos, teve oportunidade de exprimir o maior contentamento. E lembrava as lições que recebera na sua Universidade, sob a batuta de Fidelino de Figueiredo – através das quais se apaixonou por Gil Vicente, Camões, Garrett, Herculano, e Eça de Queiroz e, por outro, bem forte, Machado de Assis. Depois virá, como dissemos o misterioso Pessoa e uma relação muito especial com o engenheiro Álvaro de Campos. E como esquecer Vieira, “figura complexa,… mistura de lucidez e de imaginação prodigiosamente criadora”? Se a referência a Mestre Gil ficou sempre muito em evidência, Dona Cleo não esquece as representações que fez dos Autos da Alma, de Mofina Mendes e da Lusitânia, com o seu querido Manuel Bandeira, na primeira fila, a aplaudir… E lembrando intuições lapidares da professora como não trazer à baila Cesário, entre Fradique e Mário de Sá-Carneiro ? Trata-se de uma espécie de ponte que anuncia o século XX, em que Fradique é muito mais do que uma criação ficcional, simboliza os seus criadores (Antero e Eça) e anuncia “Orpheu” e um novo tempo – ou não fora Caeiro leitor de Cesário... Mas a preocupação fundamental de Cleonice Bernardinelli mantém-se bem viva – é indispensável que as literaturas da língua portuguesa, a começar pelas dos nossos países irmãos sejam mais conhecidas e estudadas, no seu diálogo mais íntimo e fecundo. Infelizmente, continua a haver grande desconhecimento mútuo, e todos perdemos com isso. Como afirma a homenageada, para o caso brasileiro: a Literatura Portuguesa deve fazer parte das matérias básicas – não só “porque é a literatura mãe a primeira a exprimir-se em língua portuguesa, a que constitui o passado da Literatura Brasileira, a que preenche todo o espaço medieval anterior à nossa experiência, mas também porque é o elemento primordial de uma cultura viva, dentro da qual tomamos as nossas origens e que não pode ser excluída da nossa formação histórica”.

 

Guilherme d'Oliveira Martins
Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença