Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

   Neste meu retiro campestre, lá vou guardando umas três horitas distribuídas pelo dia, para escuta meditada de música. Sempre encontrei, nessa entrega simultânea ao som de instrumentos e vozes humanas e ao meu silêncio interior, momentos de inefável consolação. Assim me harmonizo.

 

   Esta manhã, fui buscar à discoteca cá de casa o registo, pela Deutsche Grammophon, das duas cantatas imperiais de Beethoven, interpretadas, em 1992 (dois séculos depois da respetiva composição, em 1790) por solistas, coro e orquestra da Deutsche Oper Berlin, sob direção de Christian Thielemann. Ambas com letras de Severin Anton Averdonck, dedicadas, a primeira - Trauerkantate auf den Tod Kaiser Josephs des Zweiten - à morte do imperador José II; a segunda - Kantate auf die Erhebung Leopold des Zweiten zur Kaiserwürde - à entronização de Leopoldo II, não foram, todavia, executadas na altura, sendo a Josephs Kantate, contudo, a que primeiro se fez escutar, aquando da descoberta de ambas, em 1884.  Ouvindo-as, uma a seguir à outra, veio-me à memória a célebre aclamação: Morreu El-Rei, viva El-Rei! Na verdade, Ocorreu-me a tese de Ernst Kantorowicz sobre os dois corpos do rei (The King´s Two Bodies: A Study in Medieval Political Theology, Princeton University Press, 1957).  Judeu e nacionalista alemão, prudentemente fugido ao nazismo, autor de uma biografia de Frederico II, sagrado Imperador do Sacro Império Romano-Germânico (a ênfase é voluntariamente minha), o qual foi, no século XIII (viveu de 1194 a 1250), curiosamente, um soberano independente, talvez mais preocupado com o seu reino da Sicília e o domínio da Itália do que com a sua Alemanha dos Hohenstaufen; católico tradicional mas cético, coroado pelo papa, mas adversário de papas, quatro vezes excomungado, protetor da Ordem dos Cavaleiros Teutónicos, poliglota e culto... Penso que a teoria dos dois corpos do rei está bem lembrada, e a propósito, por Nicole Lemaître, professora emérita na universidade de Paris, que em entrevista à revista CODEX (1º trimestre de 2017) afirma: Penso na teoria dos dois corpos do rei, nascida na Idade Média. Tal ideia tem a sua fonte na teologia cristã da dupla natureza de Cristo (verdadeiro Deus e verdadeiro homem). De acordo com teólogos e canonistas, os reis, na época medieva, têm um corpo mortal e um corpo glorioso. O corpo mortal é o corpo terrestre, o corpo glorioso é político e imortal. Representa a comunidade constituída pelo Reino. O rei no seu corpo glorioso não pode morrer, donde o adágio: "Morreu o rei, viva o rei." eis o que me leva a pensar o rei como garante da paz civil. Esta teoria permite-nos pensar num Estado moderno distinto e eterno. Um Estado que não depende da arbitrariedade do soberano. Na génese do Estado moderno há, pois, uma ideia teológica. Eis o que nos dizem os medievalistas que estudaram a teoria dos dois corpos do rei, a partir dos rituais das sepulturas e das coroações...

 

   E será assim, Princesa, que a primeira cantata de que falamos primeira vai sobreviver na segunda. Ouvimos:

 

   Tot! Tot! Tot! Tot stöhnt es durch die öde Nacht. Morte! Morte! Morte! Morte, se ouve gemer na noite desolada...   ... José o Grande, José, o pai de feitos imortais, está morto, ai!, morto! ...   ... Aqui adormeceu em profunda paz aquele que tanto aguentou, que quando por cá andou nunca pôde colher uma rosa sem se ferir, o que trouxe a felicidade da humanidade no seu generoso coração, sofrendo, até ao fim dos seus dias...

 

   E escutamos, depois, a sua sequência na segunda:

 

   Er schlummert... schlummert! Adormeceu... adormeceu! Deixai o grande príncipe repousar em paz! Quando morreu, a morte proclamou a infelicidade dos povos e os filhos de Teutão gritaram para as estrelas: dor! Então Yahvé lançou um olhar compassivo e os terrores da noite desapareceram... Eis que o céu voltou a ser rosado e já as gargantas metálicas fazem trovejar a alegria e a glória, descidas do Olimpo. Glória! Trovejou o trovão, caiu o raio, já não se enraivecem as tempestades no mar, secaram as lágrimas das nações. Glória! Vem aí uma nuvem brilhante... Abre-se, e que vejo eu? É Leopoldo, eis o nosso imperador, príncipe e pai!

 

   Esse Averdonck dos versos era irmão de uma cantora, Joana-Helenea Averdonck, discípula de Beethoven, e padre "constitucional", muito próximo das ideias e instituições do Iluminismo praticado pelo imperador José II, admirado por Beethoven. Morreu antes de completar 25 anos, a autoria das letras de ambas as cantatas ter-lhe-á sido pedida pelo compositor que, aliás, recebera a encomenda da primeira pela Bonn Lese-und Erholungsgesellschaft para um serviço fúnebre a celebrar em Bona, cujo Eleitor era, precisamente, o irmão mais novo do imperador, Maximiliano Francisco. Ao que parece, na altura, Igreja e Maçonaria iam-se vendo... E a monarquia hereditária não estava necessariamente fora de moda.

 

   Fui à janela deste meu gabinete ver a serenidade dos campos, tão quietos no Inverno. Vejo homens que, além, podam as pereiras, cortando com sageza (ou prudência, se preferires, lembro-me sempre de que esta é um amor sagaz...). Mais perto, outros limpam os miosporos, que ladeiam o caminho por onde saio e entro, das folhas que a geada queimou. Peço a um deles que pode a cerejeira do Japão que há quatro anos plantei, mesmo aqui defronte. Talvez venha a dar, na Primavera próxima, as primeiras sakura. Quiçá?

 

Camilo Maria

 

Camilo Martins de Oliveira