Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICA DA CULTURA

 

A ausência de sentido

 

Afirma-se que o surgimento da palavra pós-verdade foi "alimentada pela ascensão das redes sociais como fonte de informação e a crescente desconfiança face aos factos apresentados pelo poder estabelecido". Os editores dos dicionários explicam mesmo que o prefixo “pós” não é utilizado exclusivamente para que se infira um acontecimento posterior, mas também para salientar a irrelevância de um conceito. Post-truth foi, como se sabe, um termo escolhido como palavra em 2016 e acolhido pelos dicionários de Oxford num contexto de certas realidades politicas como o BREXIT ou a eleição de Trump.

 

Por mim gostaria de o abordar como uma ausência de sentido premeditada ou como uma impureza macabra dos ventos do mundo.

 

Sempre me atemorizou que as redes da ilegalidade se misturassem com as da legalidade numa tal amalgama que a confusão saísse sempre vencedora nata de um qualquer juízo expresso numa pseudo claridade. Curiosamente, um diagnóstico falho na reflexão, e, se não detetado, é boa fonte para medrar uma mentira assente numa ausência de sentido, tão elaborada quanto conseguida, para que se prove o oposto de uma realidade. A aparente legitimidade da verdade impura e absurda, quantas vezes, ganha “sentido” face à credibilidade de quem utiliza essa informação deformada, passando-a, e sabendo que quem a recebe, a ela adere sem a questionar. Eis uma parte do êxito.

 

Num destes dias, li um conto de um escritor conhecido, que adormecera por sete dias seguidos à sombra do próprio livro que lia. Que ausência de sentido! Que absurdo mesmo! Contudo, a explicação surgiu mais adiante e mais explicita: e acrescentou o escritor no conto

«Não pudera eu saber quantos dias foram, nem imaginar qual a dimensão que deveria ter o livro para se prestar a regalar-me a sombra de que necessitava. Ainda assim, o livro diga-se, embotava o pensamento, era um conto mole, aquele que lia, e que me fez ensonar como nos tempos em que adormecer com um livro mau, era sinal de inteligência tal, que, sete dias a não o ler significava claridade na decisão de o repudiar.»

 

Assim fazia sentido o que se passara. Podemos finalmente escolher os impactos do que se escuta ou lê e comparar com a realidade que nos oferecem e sua interpretação do acontecer. Ora todo este manejar da ausência de sentido é aceite pelo fascínio do poder ser, um poder ser premeditado, impureza macabra dos ventos do mundo, tal como já expressei, mas tempos vitoriosos ao terrorismo da vida que também assume funções pela palavra dita, escrita, comentada, transmitida, vilipendiada, sem poder cara-a-cara afirmar o quanto é preciso fazer um longuíssimo percurso a partir de baixo e não queimar etapas para que se não queimem as gerações inteiras.

 

Estaremos já no depois da pós-verdade? Na permissão do antes da ausência de sentido? Em rigor, presenciamos a morte sem nos anularmos nem nos tornarmos filósofos. Preferimos ignorar que com uma morte se perde um universo inteiro, afim do nosso, e esse facto quanto muito nos intriga. Escravos do tempo presente: somos. Expostos à violência de todas as partes: estamos.

 

Avalia-nos um médico para que se decida o que fazer e nunca ouvi falar de um remédio que evitasse o desconjuntamento do horizonte, e o que se desenha não é o fim da guerra.

 

Teresa Bracinha Vieira