Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

FERNANDO DE MASCARENHAS (1945-2014)

O Fernando era uma personalidade extraordinária. Dotado de uma inteligência e de uma sensibilidade notáveis foi sempre um cidadão empenhado na defesa dos valores culturais, do património e da herança histórica portuguesa. Homem de horizontes abertos, cosmopolita, amante da liberdade soube compreender como poucos uma noção dinâmica de tradição, capaz de entender a memória, de defender a modernidade e de preparar o futuro, sem esquecer os nossos deveres perante as gerações passadas, presentes e futuras. Democrata desde quando a defesa da liberdade obrigava a correr riscos e a ter encontros com a polícia política, soube ser fiel às tradições liberais de sua família e dos seus mais célebres antepassados. Para Fernando de Mascarenhas a defesa do património cultural obriga a ligar a memória material e imaterial, as construções e as tradições, sem esquecer a criação contemporânea e o culto da sensibilidade e da arte. A Fundação das Casas de Fronteira e de Alorna, a preservação do Palácio de Benfica (de tão ricas lembranças) são obras de uma vida devotada à História e à Cultura Portuguesa entre nós e no mundo. O Fernando era um velho amigo, sempre disponível, com a generosidade própria de um aristocrata do comportamento, para usar a expressão António Alçada Baptista. A sua genuína simplicidade era sinal de humanismo e de entrega às melhores causas.

O Centro Nacional de Cultura contou sempre com o seu apoio!
Pessoalmente exprimo a maior admiração, estima e amizade!

Muito obrigado e até sempre, Fernando!

Guilherme d’Oliveira Martins