Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

PORVENTURA VERSOS

 20.

versos.JPG 


Um dia, um dia de era uma vez

Vi-te

Pelos mares da índia

Tua ventura de então

 

Seguias como quem vem

Do Olimpo

E detém o remédio da busca

Onde mora o que se procura

 

Olhaste sem te deteres

Para a minha mão

Asinha

 

No meio do mar

Que tanto tempo há ou havia

Fria e a resistir

Pirata

Cantora

Daquela canção

 

Cuja letra começava:

Um dia, um dia de era uma vez

A lealdade na Índia

Dera à costa sem desvio

 

Seguias pelos mares dessa terra

Tua verdade

Indo

E o coração sem temer

 

Um dia

Peritíssima rota

E depois a longa

Curva 

 

Teresa Bracinha Vieira 

2015