Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

PORVENTURA VERSOS

25.

Porventura versos 25.JPG


Foste nomeado glória

No tempo de tu em nós

Tanto me amares

 

Sem receios

De cessar o depois cuidando

Do inevitável onde já não morarias

 

Conhecerias aquela estranha história

Do não sempre?

Quando outrem ou em ti eu

Era já de alheio esforço?

 

Ou saberíamos no não dizer

O medo de tamanha verdade

Se esconder

 

Dentro do irei contra

Mas breve, breve

Que a ordem siga e leve

 

Ou deixe

Por ardente

Ser

 

A dor do meio

 

M. Teresa Bracinha Vieira

2015