Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Que mais diga deste livro?


Pois que também aborda a inversão do medo, quando grande era a satisfação protetora que a personagem sentira ao encontrar as serpentes que lhe protegiam a casa, enroladas nos troncos de madeira seca junto à porta de entrada. E sempre assim sentira no começo do Outono. Julgo que chegou mesmo a reconhecer três víboras de corpos entrelaçados que se enrolavam como aspirais insinuando uma presença concertada.

 

Era natural espreguiçar-se pela manhã cedo, virada para os ângulos do lago perto da cabana. Eram ângulos propícios à vida: águas de desejo espesso, águas que limpavam temores e absorviam quereres sem deles se apossarem; águas onde se perdia nos espelhos dos mergulhos. Tudo era fonte de entendimento para ela, até o adeus sanguíneo do lentíssimo pôr-do-sol a que assistia sempre, rezando ao deus que sabia, sem drama, que para ela nunca existira ou, em dado momento, qual? se desvanecera.

 

Escutava as aves, cuidadosamente, a caminho da sua tosca casa para entender o nevoeiro que a cercava e as lanças enegrecidas dos pinheiros contra o céu. Assim a cerimónia do dia se prolongava, mítica e captativa do mundo que a separava do mundo.

 

Pescava por seu próprio engenho usando uma pequenina fateixa que com gesto vigoroso atirava ao lago com uma destreza certeira que a fazia sorrir – julgo.

 

Que mais diga deste livro?

 

Pois que talvez saibamos viver em intimidade com a natureza. Talvez conheçamos a linguagem corporal, até dos habitantes das águas, desses que afinal nunca nos deixam sós, ou não conhecessem afinal as fórmulas melhor do que quem os olha.

 

Não se descuida pensar que ainda assim, naquele mundo, sempre os enfraquecidos seres suscitam dos predadores a avidez. Haverá sempre que os cansar, digo, conseguir aqui e além secá-los, fazendo do nosso caminho percurso selado nas essências, e remar sempre até à fronteira material entre a vida e a morte.

 

Do mais fundo de mim, só sei que deste livro me chagaram múltiplos sinais de destinos e que, outro reino do conhecimento, me apontou a não liberdade da origem e a energia imensa da presença, afinal jogadores e mundos e reinos que podem não entorpecer a vida.

 

Obs. A António Vieira (autor) entre vento e canto, eis as palavras de que fui capaz.
À & etc, editora que martela traves de portas por abrir.
Às minhas notas de alma reencontradas - deste livro que perdi - e cujo titulo não recordo. A publicação terá sido de fins de anos 80? 

Teresa Bracinha Vieira