Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

SÉSHAT (AQUELA QUE ESCREVE)

Untitled.jpg

Séshat aquela cujo nome significa «  aquela que escreve ».

Ela era também a mestra, a proprietária, a amante da casa dos livros e velava pelas bibliotecas dos templos cujos edifícios desenhava.

       Katastrophe, na acepção musical, é o retorno ao ponto de repouso de uma corda de lira, depois de ter vibrado.

A corda esticada arqueia

Tensa de som

Chispando a luz que resvala.

Tantas cordas do lírico instrumento

E só esta vibrando pára.

E o peito terso pulsante

Na brevidade: sol

 

Catástrofe:

Regresso recolhido:

a corda brevemente vibrante

retoma o equilíbrio axial

e se suspende

de novo repousada e muda

e já não mais ansiosa.

Sursum corda.

 

QUEIXUME DE TECMESSA

(Séc.II/III a.C.)

Com mão suicida e o alfange… …

Oh filho de Telamon, o teu … …

por Ulisses, o criminoso, que te … …

de feridas e nostálgica… …

Sangue cobrindo a terra, de … …

 

Mr. Mille Pattes

Sei que nunca mandarei esta carta e se a mandasse ela seria aberta lá mais para o Outono. Mas acabei de ler A Centopeia, de um fôlego (entre Os Actos Impuros e o Amado mio – que, entretanto, espera) e apetece-me conversar consigo já daqui a doze anos, enquanto estou quentinha, embora a objectividade deixe a desejar ( se é que há alguma coisa para) sem a devida distância.

Séshat, Aquela que Escreve (entre 3100 e 2850 antes da nossa era)

“Passa o dia a escrever com os dedos e à noite lê. Seus amigos são o rolo de papiro e a paleta e nada há que mais lhe dê prazer. Para quem a conhece, a Escrita é uma aventura maior do que qualquer outra profissão, mais agradável que o pão e o vinho, as vestes e as essências. Mais preciosa do que uma herança no Egipto ou um túmulo no Ocidente”.

A violência da luz. Camus. Que te espanta? Sentemo-nos nas pedras.

PÉAN

(cerca de 160 d.C.)1

Péan, Tu que

unindo a tua bela voz

à voz das Musas,

instauraste os cantares

diante das fontes sagradas

de Delfos

(…) para que ilumine o brilhante

esplendor que alimenta

os frutos que nascem

dos louros outeiros da terra.

 

  1. Papiro originário de Tebaida conservado no museu de Berlim.

 

Séshat, Aquela que Escreve auxilia Thot, a Íbis, inventor/a da escrita egípcia.

E eu nesta sede de beber absoluta e que vem de uma terra onde é a água avara, onde o nunca e o sempre se confundem, onde é ilimitada a capacidade de amar, lá bem dentro do favo.

 

Teresa Bracinha Vieira
Dezembro 2015
N.B. Em 1997 a Faculdade de Letras editou em livro, um tempo, que chamaria de SÉSHAT