Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

 

Minha Princesa de mim:

 

   Morreu, neste último 16 de janeiro, a poeta suíça francófona Anne Perrier. Perfaria, a 16 de junho próximo, 95 anos. Filha de mãe alsaciana e pai suíço valdez, ela católica, ele calvinista, ambos não praticantes, Anne Perrier converter-se-ia à confissão católica aos 32 anos de idade. Recebeu vários prémios literários, dos quais quero destacar, não o Grand Prix de Poésie, o mais importante, mas o Rambert, pois lhe foi atribuído pelos poemas reunidos em Lettres Perdues, um ciclo dedicado àquele que ela chamava seu irmão de cristal, o poeta português Cristovam Pavia, da geração e amizade de Pedro Tamen, M. S. Lourenço, João Bénard da Costa, Nuno Cardoso Peres (hoje o dominicano frei Mateus), que se suicidara. Em homenagem a esse encontro de poetas, e a todos os que procuram caminhos de Deus no canto e meditação das palavras, deixo-te aqui a minha tradução dos primeiros daqueles poemas. A série das Lettres Perdues é uma sucessão de composições sem título, nem pontuação, com maiúsculas apenas a marcar versos ou ritmos. A poeta, cujo pai, arquiteto nascido em Viena, gostava de levar com ele a concertos de música clássica, chegou a hesitar entre a entrega às letras ou à música. Creio que acertou na opção, pois as palavras que nos deixou dizem-nos lindamente a limpidez do seu olhar espiritual.

 

                              Pelas frinchas da eternidade

                              Falaremos juntos

                              Procurando os nossos sopros

                              Pouco a pouco deixando as nossas vozes

                              Reacordarem-se

                              Tu céu eu terra

                              Falaremos muito tempo muito

                              Até que o verão

                              Nos cubra de flores campainha

 

                              À minha volta as grandes flores

                              Amordaçadas pelo dia

                              Meu coração como o mar

                              Se retira

                              É meio dia

                              Meia noite?

                              A hora prenhe de folhas mortas

                              Dobra-se

                              Meu irmão entre a salva e a sombra

                              Repousa

                              Que o dia sobre o dia

                              Cruze as suas trepadeiras

                              Vês

                              A morte cheira a erva e a orvalho

                              O teu coração está cheio de grilos 

                              Repousa

                              Meu irmão entre a menta e a sombra

                              Para ti

                              O tempo seca num ervário

                              Eu à beira da terra

                              Ainda espreito

                              A próxima partida dos pássaros

                        

Por florestas e fetos Por mil nascentes Pelas águas do abismo Pela neve inacessível Meu irmão te chamo

                              Como queres que durma?

                              De uma a outra chuva

                              Tanta pimenta nos olhos

                              Oh! no vento de outono

                              Este nunca mais

                              Como janela que bate

                              Esse infinito bater de asas!

                              Se buscasse frutos flores

                              Nada acharia

                              Altíssimo no céu

                              As nossas almas se cruzavam

                              Como cotovias

                              O espaço foi o nosso reino

 

   Convido-te, Princesa, a entrares comigo nesta comunhão de dois grandes poetas, transcrevendo aqui dois poemas de Cristovam Pavia, pensandossentindo que ele e Anna Perrier estão a falar juntos, procurando o acordo das suas vozes no eterno reino do infinito espaço. 

 

                            Estamos juntos quando nos vencemos e nos purificamos dia a dia,

                            e quando rezamos a Deus, e pedimos mais purificação...

                            E quando um descanso grato e humilde é a recompensa.

 

                            Estamos juntos, quando a Poesia nos toca

                            e entramos como reis no Reino do Silêncio...

                            Quando sentimos que tempo e risos e lágrimas e tudo

                            em nós amadurece...

 

                            Estamos juntos, quando a noite é fria e o calor custa a suportar,

                            quando a solidão é mais solidão

                            e vemos como na boca de tantos a palavra Amor é profanada...

                            Oh! Ainda que nos separem Oceanos,

                            estamos juntos, bem juntos, bem o sabes, numa profunda
                            companhia!
         

 

                           Na noite da minha morte

                           Tudo voltará silenciosamente ao encanto antigo...

                           E os campos libertos enfim da sua mágoa

                           Serão tão surdos como o menino acabado de esquecer.

 

                           Na noite da minha morte

                           Ninguém sentirá o encanto antigo

                           que voltou e anda no ar como um perfume...

                           Há-de haver velas pela casa

                           E xailes negros e um silêncio que eu

                           Poderia entender.

 

                          Mãe: talvez os teus olhos cansados de chorar

                          Vejam subitamente...

                          Talvez os teus ouvidos, só eles ouçam, no silêncio da casa velando,

                          E mesmo que tu não saibas de onde vem nem porque vem

                          Talvez só tu o não esqueças. 

 

   Não resisto, Princesa - por achá-la tão clara de verdade e beleza - a transcrever ainda a Epígrafe de Cristovam Pavia:

 

                          Um barco sem velas

                          E sem rumo

                          Singrando um mar de fumo,

                          Mas descobrindo estrelas...

                          Nisto me resumo.

 

   E vai, no seu francês original, a resposta que, imagino eu, Anne Perrier lhe teria dado, quando escreveu:

 

   Je pense, ou je rêve à une manière de "posséder comme ne possédant pas", de prendre en acceptant de perdre aussitôt, je rêve à des gestes désappropriés, à une sorte de possession aux mains ouvertes où le chant passerait comme l´eau entre les doigts. Fala aqui a mesma poeta que confessou (agora traduzo):

 

                            Paro por vezes debaixo de uma palavra

                            Precário abrigo da minha voz que treme

                            E luta contra a areia

                            Mas onde está a minha morada

                            Ó aldeias de vento

                            Assim de palavra em palavra passo

                            Ao eterno silêncio

 

Camilo Maria

 

Camilo Martins de Oliveira