Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

AGOSTO AZUL…

CNC Diário de Agosto _ dia 31.jpg

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXXI) - 31 de agosto de 2017

 


Chegados ao dia 31, devemos invocar o grande escritor português do mês de Agosto – que é Manuel Teixeira Gomes.

 

Agosto Azul – é uma referência inesquecível, que invoca o Algarve, o Sul, o Sol, o Mediterrâneo. Sim, porque Portugal é fruto do casamento marítimo do Mediterrâneo com o Atlântico. Daí o Promontório Sagrado, que une as duas extraordinárias vocações e influências. E de Teixeira Gomes, o algarvio que foi Embaixador, escritor, Presidente da República, referência cívica devemos lembrar um pequeno retrato que nos deixou:

 

«Fiz-me negociante, ganhei bastante dinheiro e durante quase vinte anos (1890-1910) viajei, passando em Portugal poucos meses. Montei a vida de forma que na região compreendida pelo norte da França, a Bélgica e a Holanda, onde vendia os produtos do Algarve, levava quatro ou cinco meses, ia a casa liquidar contas, e depois nos cinco meses restantes, livre e despreocupado, metia-me no Mediterrâneo, cujas costas visitei por assim dizer passo a passo».

 

De tal modo foi apaixonado do Mediterrâneo que acabou seus dias em Bougie, lembrando no azul-cobalto do mar o seu Algarve de sempre… E a Norberto Lopes, confessará como é o seu dia. E descobrimos como são diferentes os hábitos desse tempo. E a vida frugal do escritor impressiona-nos…

 

«Levanto-me às quatro da manhã. Preparo eu mesmo, no quarto, o meu almoço. São as melhores horas do dia, aquelas em que ainda posso fazer alguma coisa: ler, escrever. Ao meio-dia, janto. Às duas e meia, saio para ir ao correio. Às quatro, tomo um chá de tília – e em seguida recolho-me. Creio que é, em parte, devido a este regime alimentar que me vou aguentando. Além disso, tenho as cartas, os artigos, os livros, é isto que me prende à vida».

 

Ah! Como se lembra a sociedade rural de antanho – o almoço ao alvorecer, a janta ao meio-dia, e, por fim, a merenda e a ceia… Como mudou tudo, por causa da eletricidade e da possibilidade de termos luz durante mais tempo e não apenas dependente do irmão sol…

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

NEMÉSIO, SEM LIMITE DE IDADE…

CNC Diário de Agosto _ dia 30.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXX) - 30 de agosto de 2017

 

Vitorino Nemésio é uma das figuras mais interessantes da cultura da língua portuguesa do último século.

Autor de um romance capital, como «Mau Tempo no Canal», foi o grande investigador da Mocidade de Herculano e de tantos temas luso-brasileiros, o ensaísta da cultura da língua pelo mundo repartida, o cronista inspiradíssimo e o inesperado poeta, com uma verve inesgotável…

E se falo de inesperado poeta é porque a sua escrita revela-nos quase que uma outra personalidade - um autêntico heterónimo, em que, apesar da idade, há uma juventude límpida que se foi manifestando independentemente da idade…

Dir-se-ia que a grande riqueza do mestre está na capacidade de voar pelo mundo da vida, sem preconceito e com verdadeira intuição criadora. E, como não poderíamos deixar de o referir nesta série de Agosto, eis um dos seus belos poemas, publicado em «O Verbo e a Morte»:


     A tempo entrei no tempo,
     Sem tempo dele sairei:
     Homem moderno,
     Antigo serei.
     Evito o inferno
     Contra tempo, eterno
     À paz que visei.
     Com mais tempo
     Terei tempo:
     No fim dos tempos serei
     Como quem se salva a tempo.
     E, entretanto, durei.

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VERDI NO S. CARLOS?…

 

CNC Diário de Agosto _ dia 29.jpg

  

DIÁRIO DE AGOSTO (XXIX) - 29 de agosto de 2017

 

A ópera foi o campo de eleição do genial Giuseppe Verdi.

 

A Itália aspirava há muito à unificação, que pusesse fim à frágil manta de retalhos existente. Havia necessidade de ídolos e Verdi assumiu esse papel. E o artista tornou-se um herói nacional.

 

Lembramo-nos da cena inicial do filme «Senso» de Visconti: “O Trovador” arrebata os espíritos… O seu nome é escrito nos muros das cidades para significar o apelo unificador de «Vittorio Emmanuele Re d’Italia» (V.E.R.D.I.).

 

Poucos sabem, porém, que, segundo a tradição oral dos nossos meios operáticos, nos anos trinta do século XIX (1838), sendo ainda Verdi pouco conhecido, Angelo Frondoni (c. 1808-1891) foi escolhido como maestro do Teatro de S. Carlos. No entanto, em alternativa, o nome preterido foi o de Giuseppe Verdi. Foi Bartolomeo Merelli, em Milão, que indicou Frondoni, e há correspondência com Verdi, a propósito da sua primeira ópera representada no Teatro alla Scala. A antiga e muito repetida tradição confirma-se pelos dados históricos.

 

Mas há mais: quando o jovem rei D. Luís, grande melómano, visitou Paris em dezembro de 1866, foi recebido em casa de Rossini. E houve uma pequena receção, na qual, segundo a «Crónica dos Teatros», participou Verdi, e o rei de Portugal teria cantado a romanza do “Trovador”, com o acompanhamento ao piano do próprio Verdi. Este tornou-se o autor mais representado em Portugal.

 

“Rigoletto”, “Trovador” e “La Traviata” estrearam-se no Porto, enquanto em Lisboa couberam as estreias de “Nabucco”, “O Baile de Máscaras”, “Ernâni” e “Macbeth”.

 

Em 27 de janeiro de 1901, no dealbar do novo século, Verdi morreu – como símbolo máximo da ópera – e bem poderia ter dirigido o nosso S. Carlos...

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

ELE HÁ QUALQUER COISA…

CNC Diário de Agosto.jpg

DIÁRIO DE AGOSTO (XXVIII) - 28 de agosto de 2017

 

Mais uma do Gualdino Gomes, nosso velho conhecido.

O Fialho de Almeida tinha uma espécie de amor-ódio por ele e estava sempre a meter-se com ele, por não ter obra e por desperdiçar o seu talento em linguados de jornal…

- Oh! Gualdino estou a ver os nossos netos a lerem as tuas obras completas… 

O Gualdino, calado, ouvia, ouvia, e ia enchendo o saco. A certa altura, não se continha e rebentava. E lembrava-se de que o Fialho casara tarde e rico no Alentejo.

- Oh Fialho, diz-me aí as horas no relógio do teu sogro…

Outra vez, foi na estreia do «Tamar» do Alfredo Cortez, no Teatro Nacional, que se passava numa praia, com o cenário do mar ao fundo. Iam chegando os pescadores, com a mão na testa, em forma de pala, e passavam da direita para a esquerda no palco, olhando o horizonte, numa estranha marcação. Passou o primeiro, passou o segundo e, quando passou o terceiro, o Gualdino levanta-se e diz:

- Ele há qualquer coisa e é ali para o Intendente… Vou lá ver…

 

 

 

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

ESTRANHO MODO DE VIDA…

CNC Diário de Agosto _ dia 27.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXVII) - 27 de agosto de 2017

 

Esta aconteceu com o então Presidente do Grémio Nacional dos Editores e Livreiros, nos anos sessenta do século passado, Luís Borges de Castro, e foi-me contada também pelo António Alçada (de quem tenho muitas saudades).

 

Havia uma reunião de rotina da direção do Grémio e nela irrompeu a PIDE, para prender o Augusto Sá da Costa. Acontece que os PIDES se tinham esquecido de levar o papel azul regulamentar para escreverem o auto de detenção. Por isso, um deles mandou um subordinado de elétrico, do Largo do Andaluz até à Rua António Maria Cardoso para trazer o tal papel

 

Durante cerca de 1 hora manteve-se uma atmosfera de cortar à faca, com uma ou outra interrupção – a pedir testemunhas e com o António a dizer que não contassem com ele para participar na prisão do Dr. Sá da Costa…

 

Borges de Castro tentava quebrar aquele gelo, a desdramatizar a situação… Para desanuviar, volta-se para o agente da PIDE e pergunta, palacianamente, como se aquilo fosse um modo de vida como outro qualquer:

- Então, têm prendido muita gente?...

 

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

UM MINISTRO IMPOLUTO…

Diário de Agosto CNC _ dia 26.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXVI) - 26 de agosto de 2017

  

No último Diário de Agosto («Acautelem-se os Anéis de Saturno») falava-se de um caso, bastante comum, infelizmente, de acusações difamatórias e da circunstância de tantas vezes os ministros da Fazenda serem acusados das mais torpes faltas ou intenções… só que também há a registar os casos edificantes, dignos de elogio.

 

Anselmo José Braancamp foi definido no «Álbum das Glórias» de Rafael Bordalo Pinheiro como «de vidro» - por ser macilento, com ar branco e doentio, mas sobretudo por ser transparente e seriíssimo.

 

Um dia, sendo Anselmo José ministro da Fazenda, o Tesouro foi chamado a pagar uma importante amortização da dívida pública, para que não havia disponibilidades de caixa. Perante tão séria dificuldade, envidaram-se os mais diversos procedimentos, mas sem sucesso. Como pagar? Então, o ministro solveu do seu próprio bolso a amortização em falta – no que correspondeu inteiramente à fama que tinha ganho de político impoluto e de cidadão exemplar…

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

ACAUTELEM-SE OS ANÉIS DE SATURNO…

Diário de Agosto CNC _ dia 25 versao pq.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXV) - 25 de agosto de 2017

 

A imprensa do século XIX era palco de severas, normalmente violentas, acusações pessoais, que andavam perto da difamação, quando não punham seriamente em causa a dignidade dos alvos do tiroteio político…O pior era ocupar a pasta da Fazenda. Quem fosse apanhado no lugar era certo e sabido que se tornava bombo de festa. O menos que os jornais da oposição diziam era que a vítima teria ido aos cofres do Estado...


Aconteceu que Mariano de Carvalho foi nomeado ministro da Fazenda. Emídio Navarro era um proeminente membro da oposição a esse governo e dirigia o jornal «Novidades», na altura particularmente verrinoso.


Mariano de Carvalho saiu de ministro da Fazenda e foi ocupar o lugar de Diretor do Observatório Astronómico. O Emídio Navarro deu assim a notícia no jornal: “O Senhor Mariano de Carvalho deixou a pasta das Fazenda e foi nomeado diretor do Observatório Astronómico. Lá vai ficar Saturno sem os anéis…”. 

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

SHAKESPEARE CENSURADO…

CNC Diário de Agosto _ Shakespeare.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXIV) - 24 de agosto de 2017


Ainda há muito pouco, Luís Miguel Cintra recordou o momento em que Sophia de Mello Breyner disse ter terminado a tradução do «Hamlet» de Shakespeare. Foi um momento heroico. Trata-se de uma obra-prima da língua portuguesa. 

 

O mais curioso é que ocorreu em relação a esse texto de 1965 um episódio caricato que dá bem ideia do absurdo que é sempre qualquer ato de censura. 

 

António Alçada Baptista pretendeu publicar um excerto dessa magnífica tradução na revista «O Tempo e o Modo» - mas, como acontecia nesses casos, era necessário enviar as provas do texto à Comissão de Censura. Importa esclarecer que a revista foi das mais martirizadas pela censura, tendo sofrido a proibição de cerca de metade dos textos que, entre 1963 e 1969, foram a exame. 

 

Inesperadamente, o texto de Sophia veio totalmente cortado. António Alçada ficou estupefacto. Não esperava que tal acontecesse relativamente àquele texto clássico. Pegou no telefone e falou ao coronel dos serviços de censura. Eram coronéis reformados que normalmente estavam encarregados dessa tarefa… 

 

Do lado de lá da linha, o censor confirmou o corte total do texto. António, com uma paciência infinda, explicou quem era Shakespeare e que o texto era do século XVII. No entanto, inabalável, o coronel insistiu na decisão. Era assim, não havia volta a dar… Mas não dava razões…

 

Perante a insistência, lá veio a justificação. É que no «Hamlet» há uma personagem de nome Marcelo – e (ainda que Salazar estivesse de saúde) falava-se com insistência na hipótese de Marcelo Caetano poder suceder ao Presidente do Conselho – como aconteceria três anos depois… E o censor estava convencido que havia naquela publicação uma intenção politica qualquer… 

 

Não se conformava, porém, António Alçada – e, palavra puxa palavra, tudo acabou com um corte parcial, não se publicando a fala de Marcelo…

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

MANJARES DE DEUSES E LITERATOS…

Diário de Agosto CNC _ dia 23.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXIII) - 23 de agosto de 2017

 

Ao falar-se, cada vez mais, de património cultural imaterial, temos de considerar a gastronomia e a culinária como matérias fundamentais.

E a verdade é que só podemos compreender as tradições e os costumes cuidando dos alimentos, sejam eles mais ricos ou mais pobres, consoante as circunstâncias, os territórios, as culturas e as economias locais.

Da sopa da pedra ao gaspacho encontramos tudo – desde a abundância à penúria, mas sempre a capacidade humana de superar as dificuldades e constrangimentos… E há a gastronomia popular e a culinária erudita… Há manjares de deuses e literatos.

Se lermos uma das obras-primas da cultura portuguesa gastronómica, percebemos isso mesmo. Falo-vos de «O Cozinheiro dos Cozinheiros», publicado por Paulo Plantier em 1870. Aí encontramos as mais extraordinárias receitas, as suas variantes e a sua história.

Hoje, a sua celebridade é maior no Brasil do que em Portugal, mas lá encontramos as nossas maiores glórias literárias e artísticas. E lá estão, por exemplo, as receitas de caça de Bulhão Pato, o grande memorialista, autor de «Paquita», braço direito de Herculano. E percebemos por que razão as «Ameijoas ditas à Bulhão Pato» não são uma receita do escritor.

De facto, foi João da Matta, o célebre cozinheiro do Hotel Central (o Hotel de «Os Maias») que, em homenagem a Bulhão Pato lhe dedicou o renomado manjar – que, aliás, o literato nunca cozinhou…

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO

por Guilherme d'Oliveira Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A RAZÃO DE SER DE PORTUGAL…

Diário de Agosto CNC _ dia 22.jpg

 

DIÁRIO DE AGOSTO (XXII) - 22 de agosto de 2017

 

Alexandre Herculano é símbolo do século liberal português. A sua vida foi exemplo de retidão.

 

Quando morreu o seu admirado rei D. Pedro V, na flor da idade, o jovem monarca que tudo prometia, Bulhão Pato disse-nos que o Mestre chorou lágrimas verdadeiras.

 

No seu exílio de Vale de Lobos, em Santarém, tornou-se agricultor modelar, a ponto de o seu azeite ser um dos mais premiados internacionalmente.

 

O azeite Herculano era um néctar de uma pureza fantástica, conseguido com muito trabalho, investigação e com o conhecimento do que melhor se fazia na Europa.

 

Foi fundador da moderna historiografia portuguesa, por fidelidade às fontes autênticas.

 

Um dia, perguntaram-lhe por que razão havia Portugal. O velho sábio respondeu pausadamente. Se fizermos uma lista de razões para existir e para não existir, talvez sejam mais os motivos teóricos para não existir do que para existir...

 

Mas nestes debates, a teoria é menos importante do que a experiência e do que a prática. – O facto é que existimos, há muitos séculos. Razão? – Somos porque queremos. Seremos enquanto quisermos!

 

 

 

 

 

 

DIÁRIO DE AGOSTO

por Guilherme d'Oliveira Martins