Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

UM CHÁ NO DESERTO: Título original THE SHELTERING SKY

 

Extraordinária adaptação ao cinema do romance do escritor Paul Bowles de quem já muito falámos. Bertolucci transforma esta reflexão num reino onde todos flutuamos numa procura inteira de pedaços que unidos nos unam.

 

E dá-me a tua mão, diria, dá-me a tua mão agora que chego onde pelas dunas de areia se explica a sabedoria do não me perder. E já é noite. E perdi-te nesta que será a tua última morada. Aqui te deixo e te levo comigo sempre até àquele vapor para lá do promontório e que é minha febre. Lá onde uma futura casa já minha não é sem ti.

 

And in the lazy valley there is no village

 

Proponho por imagens que revisitem este glorioso filme, esta gruta de realidades da obra de Paul Bowles.


É culpa minha que só ame a beleza depois dela morrer e eu não saber de que doença? Agora e de novo no comboio, a ignorância do porvir na minha carruagem-cama e a tua surda bondade. Mal te conheço e contigo embelezo feridas que não decifrei. Só um tigre me sorri. O do sorriso do meu amor.

 

I love you, but I must not think of you.

 

Estou aqui com um outro ser, digo-te que vou no comboio para um mesmo tempo, furando o mesmo ar e ainda que o tempo passe, não mudarei. Encontro-te no Egipto? Grita para que os pântanos não me possuam. Tua.

 

Teresa Bracinha Vieira