Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

LONDON LETTERS

 

May never happen, 2017-2020

 

Tremei. Não acharais morangos nos supermercados, nem haverá tratamento de radioterapia para os pacientes de cancro… Os últimos alertas contra o Brexiting regressam ao grau zero da política. Se a nuclearização do debate deve ao London Evening Standard e ao editor Mr George Osborne, o ex Chancellor of Exchequer, já a míngua do fruto cabe na retórica eurófila dos Liberal Democrats.

 

O leader-to-be Sir Vince Cable sustenta que "[is] beginning to think Brexit may never happen." — Chérie. Battre le fer pendant qu'il est chaud. O menor apreço pelos resultados democráticos, no caso: do euroreferendo, ecoam em paralelo ao deleite nativo com os prazeres morangueiros do veraneio enquanto assistem a… history in the making. A dupla britânica Andy Murray e Johanna Konta somam e seguem para as semi finais em Wimbledon, 44 anos depois de idêntico feito nos Tennis Championships. Já o Speaker John Bercow relaxa o uso da gravata na House of Commons. — Hmm. Strange things happen. O Iraq anuncia a reconquista de Mosul ao Isis. O G20 Summit põe face a face os presidentes Donald J Trump e Vladimir Putin, revela as fendas no bloco ocidental e senta na mesa das negociações, pelos USA, Mrs Ivanka Trump. Pouco canónicas andam também as praxes gaulesas, onde, repetindo um gesto recuado a Napoleon III em meados do 19th century, Monsieur Emmanuel Macron reúne as duas câmaras parlamentares da república no palácio real de Versailles.

 

Lovely sunny Monday at Central London. Contrastam as atitudes em volta, entre a excitação dos turistas, a descontração dos ilhéus e a efervescência dos políticos em Westminster. Febris estão igualmente os bookmakers e um contingente rombo na caixa estimável em algo como £20million. A responsabilidade não é da Brexit, por uma vez, mas antes do muito aprazível curso dos match-points em Wimbledon. Os Brits posicionam-se para disputar o ouro em femininos e em masculinos. A proeza dos sorridentes Sir Andy e Ms Konta apanha as agências de apostas desprevenidas, ao negociarem as paradas da double GB win nas baixas probabilidades. Certo é que, até ao próximo magical weekend, a expetativa sobre o que acontecerá no Centre Court vai crescer em espiral. Já agora, informação adicional para os fãs do political betting: as chances do ano de saída do Number 10 de RH Theresa May andam em 5/2 para 2017-19 e em 7/2 para 2020; as ofertas para a partida de RH Jeremy Corbin da liderança do Labour Party estão nos 5/1 para 2017 e em 11/8 em 2020+.

 

Espiraladas seguem as geminadas sagas da saída do UK da European Union e da liderança Tory. A Prime Minister ensaia um relançamento político entre os conservadores face à chuva de notícias sobre conspirações para a derrubar algures em torno da conferência partidária de November 2017. Revigorada pelos apoios globais colhidos nestes dias pela cimeira de Hamburg, em contraponto ao gelo dos parceiros continentais, RH T May prepara importante série de discursos políticos a título de State of Nation. Por cá cognominado o passo como May-reboot, espera-se que a senhora (que perdeu a maioria parlamentar nas eleições de June) lance amarras em consensos interpartidários, desde logo, para negociar com Brussels, dando prioridade governamental ao lançamento de nova geração de direitos laborais. É a planeada did economy review. Logo, porém, nas Sunday Politics, aparece um antigo Cameron Govt Minister, RH Andrew Mitchell MP (o do Plebgate) a etiquetar Mrs May como “dead in the water.” Com o dinheiro do casino a indiciar (nos 1/12) o cenário de RH Jezza ‘Red’ Corbyn entrar em Downing Street até January 2018, à festa ajudam outros franco atiradores espalhados pela praça mediática e alguns há em modo criativo. Extasia a sugestão do desgaste do May-ism em estilo Flash Gordon, por exemplo, retomando idas táticas apontadas ao RH Gordon Brown quando, nas sombras, e com sucesso, ensaiaria apear o Lab PM Tony Blair. Entre as modalidades do pronounced political murder recomendam, pois, a ocasional demissão de ministros e deputados para encurtar a base de apoio. No contra spin, semelhantemente maravilha a retoma da sabedoria consumada do histórico RH Harold MacMillan (Con PM, 1957-63): “Loyalty is the Tories secret weapon.”

 

Ocupado o HM Government a preparar uma ampla barganha politica na casa-mãe dos parlamentos, decerto que a história assiste na power play de nação de ancestrais mercadores mesmo quando as mentes antes melhor derivam para o great achievement at Wimbledon.

Nenhum outro líder do No. 10 sobreviveu em condições idênticas. Seja como seja, uma nota merece registo na conjuntura: a dignidade e a determinação com que a Premier age na adversidade. Não que, realisticamente, na era do naufrágio do proper dress code em Westminster, isto conte muito. Pesará, sim, um facto que anda alheado do grande jogo continental. Na régua do eurocetiscismo ilhéu, Mrs May é uma pomba. — Well. As Master Will emphasises in his Sonnet 116, there are the circumstances and the nature of the loyalties: — “Let me not to the marriage of true minds / Admit impediments. Love is not love / Which alters when it alteration finds, / Or bends with the remover to remove: / O no; it is an ever-fixed mark, / That looks on tempests, and is never shaken."

 

St James, 10th July 2017

Very sincerely yours,

V.

LONDON LETTERS

 

The return of the great state, 2017

 

Os investigadores interrogam-se sobre como interpretar os efeitos da globalização no tecido social que vota o Brexit no culminar de uma década de severa crise financeira. É o fim do liberalismo?

Está o conservadorismo social em marcha? Os resultados do 2017 British Survey Attitudes revelam as recentes macrotendências políticas no reino, esculpindo a recusa do austeritarismo e da tolerância quanto à fuga fiscal, a desintonia em torno da emigração e a exigência de um estado mais protetor. Dado interessante é que uma maioria de 48% está disponível para pagar altos impostos, a fim de alavancar uma justa distribuição da riqueza e financiar maior investimento público nas áreas da saúde, educação e segurança social. — Chérie. Autres temps, autres mœurs. A guerra civil no Labour Party regressa em força após a trégua eleitoral. Entre a murmuração de uma purga dos moderados, RH Jeremy Corbyn despede sumariamente três dos Shadow Cabinet Members por desobediência em voto favorável à manutenção do UK no mercado comum. — Hmm. A chain is only as strong as its weakest link. North Korea testa com sucesso um míssil intercontinental, capaz de atingir as costas do Alaska. O French President Emmanuel Macron convida o POUS Donald J Trump para as comemorações do Bastille Day, quando o seu governo de dias perde quatro ministros no altar da moralização da república. Madame Simone Weil parte aos 90 anos, testando uma notável história de coragem e de causas.

 

 

Light clouds at Central London. A atmosfera política em Westminster parece estabilizar sob os chuviscos refrescantes do veraneio, mas ainda reverberam as ondas de choque geradas no incêndio da Grenfell Tower ― entre o apoio às vítimas e os primeiros passos do inquérito oficial à tragédia. A Prime Minister RH Theresa May passa tranquilamente os primeiros testes ao poder do seu segundo governo, um ano depois do euroreferendo, da resignação de RH David Cameron do No. 10 e da entrada em Downing Street. Nas votações da House of Commons em torno do programa legislativo, enunciado no Queen’s Speech, apresenta confortável maioria de 15 votos, mais ampla, portanto, que os dez acordados com os unionistas irlandeses do DUP. Curiosa é ainda a fixação do eleitorado captada nas sondagens conduzidas após o desastre eleitoral de June 8 e as sequentes demissões nas lideranças partidárias, do imediato afastamento do MEP Paul Nuttall no Ukip ao ulterior abandono do MP Tim Farron nos Liberal Democrats. Com o já habitual ruído mediático a propósito ou a pretexto do Brexit divide no seio do Cabinet, eis reiterada confirmação em três sucessivos retratos à opinião pública do colapso dos pequenos partidos a par do crescendo do Labour Party. Com RH Jeremy Corbyn em alta de popularidade, contrastando com a inimitigável oposição no seio da respetiva bancada parlamentar, os trabalhistas recolhem entre 44 a 46% das preferências contra 39-41% dos Tories (face a 6-7% dos Lib Dems e 2-3% dos Ukippers).

 

A descolagem do Lab ancora-se nos jovens eleitores e relembra as dificuldades demográficas observadas por RH Margaret Thatcher no balanço da vitória na 1979 General Election (então com uma maioria de 43 MPs). Neste state of affairs, porém, os ministros do Mayism dedicam-se a esgrimir em público as red lines traçadas pela PM no eurodiscurso de Lancaster House (“no deal is better than a bad deal”) em paralelo com a necessidade de esquecer o défice & a dívida e doar nova prioridade a aumentos salariais no funcionalismo e a propinas gratuitas no ensino superior. Por outras palavras, e a fim de aplacar o surfar da vaga popular por Red Jezza, debate-se por cá o fim próximo das políticas austeritárias. Daí a interessante moldura do euroceticismo que à querela dá o Brit Survey Attitudes, apresentado em Westminster pelo National Centre for Social Research. Sob o título "Britain wants less nanny state, more attentive parents," o 34th NatCen Report revela "a kind-hearted but not soft-hearted country" enquanto examina o atual posicionamento cívico em torno de grandes temas como a erosão fiscal e a fraude nos benefícios sociais, a emigração massiva, o papel do governo, as liberdades e as moralidades públicas, desta feita auscultados na senda da agendada saída do UK da European Union. A síntese que soa na Atlee Suite de Portcullis House é claríssima: “Britain wants the state to open its wallet, keep a watchful eye to keep us safe, but let us live our private lives how we wish.”

 

Mas a quinzena está fortemente marcada pelos 2017 Tennis Championships. Wimbledon is back, com o wonderful sport a somar no encanto das cercanias. As atenções e as aspirações centram-se na defesa do título por Sir Andy Murray, em pleno Central Court, contando o escocês com fervor unânime do reino unido. No primeiro dia dos jogos no sudoeste londrino, Andy leva a audiência ao rubro ao vencer Mr Alexander Bublik em straight sets com convincente trio 6-1, 6-4, 6-2. Seguem-se mais difíceis oponentes e é de esperar renhida disputa quer pelo Open Grand Slam, quer também pelo pódio mundial entre o fantástico quarteto que compõe com Novak Djokovic, Roger Federer e Rafael Nadal. — Well. By turns fervent and witty, so Master Will presents us with the subtleties of the old game in Henry V, at the first lights of Agincourt, when the king receives a odd gift of tennis balls from the hands of the French Ambassador: — “We are glad the Dauphin is so pleasant with us; / His present … we thank you for: / When we have match’d our rackets to these balls. / We will, in France, by God’s grace, play a set / Shall strike his father’s crown into the hazard. / Tell him, he hath made a match with such a wrangler / That all the courts of France will be disturb’d / With chases."

 

St James, 3th July 2017

Very sincerely yours,

V.