Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Vinicius de Moraes


 

(Do poema “O INCRIADO”)

 

Eu sou como o velho barco que guarda no seu bojo o eterno

                                                              ruído do mar batendo

No entanto, como está longe o mar e como é dura a terra sob

                                                                                         mim…

Felizes são os pássaros que chegam mais cedo que eu à suprema

                                                                                             fraqueza

E que, voando, caem, pequenos e abençoados, nos parques
                                                        onde a primavera é eterna.

 


Julgo que também por estas palavras o joio se separa do trigo e se aclara o momento que não nos espera. Ainda que a ternura peça ao mundo o vagar das vagas.

 


Teresa Bracinha Vieira