Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Quantos lírios a mais do caule?

 

 

A joalharia da linguagem de Stéphane Mallarmé deu nascimento a uma renovação da poesia na segunda metade do século XIX em França.

 

A utilização dos símbolos para exprimir as verdades escritas, só surgiria para Stéphane, se do pensamento à palavra existisse uma correspondência clara entre poesia e música. Emerge assim a música do poema, como «uma hesitação prolongada entre o som e o sentido» tal como expressou Valéry.

 

À experiência mallarmeana não foi também alheio Fernando Pessoa.

 

Escreve o heterónimo Ricardo Reis «A poesia é uma música que se faz com ideias, e por isso com palavras». A «ideia» assume em Pessoa a função fundamental, e apreende a sensibilidade de Mallarmé no seu transportá-la pela musicalidade. De resto a existência de um exemplar da 3ª edição das Poésies de Mallarmé nas mãos de Pessoa, e por ele as palavras sublinhadas, revelam uma meditação inequívoca do nosso poeta no pensamento refinado e repleto da musicalidade mallarmeana.

 

A influência de Mallarmé é ainda sentida em poetas de hoje como Yves Bonnefoy que tanto utiliza os símbolos herméticos dos estados de alma ao jeito da revolução poética exprimida na modernidade de Mallarmé.

 

Numa quase vontade alquímica de explicar o mistério órfico da terra, morre Mallarmé sem atingir este objectivo, mas não sem que antes solicitasse que se queimassem uma parte dos seus escritos, tal como o fizera Franz Kafka.


Que de lis multiple la tige

Grandissait trop pour nos raisons


Assim Stéphane por entre o meu espanto, ou a famosa «musicienne du silence».

 


Teresa Vieira

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.