Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

LONDON LETTERS

IX. The Black Thursday, 1929

 

A festa na Fifht Avenue é ainda esplendorosa. Sir Winston Spencer Churchill é o convidado de honra de Bernard Baruch, o financeiro que reúne na sua mansão cerca de 40 “bankers and master plungers” naquela noite de October 29, 1929. Todos se apresentam galantes as usually, but dramatically cada qual empobrecera já com a Black Thursday na New York Stock Exchange e a Niagara liquidation que se lhe seguira. O pior, porém, está para vir. – Do remember Steinbeck’s The grapes of wrath. Um nefasto evento, em especial, ensombra a segunda viagem aos USA do futuro Britain's wartime Prime Minister. Acompanhando a brutal queda de valor dos títulos bolsistas, 50% logo nos primeiros dias, alguém salta da janela do hotel onde estão três dos filhos de Lord Randolph e Jennie Jerome. – Quelle horreur! A crise gerará uma infinita pobreza e cedo atravessa o Atlântico para estoirar com o sistema financeiro internacional, polvilhar o velho continente com strong mens e pavimentar a road to II World War (1939-45).

 

 

Dada a magnitude dos efeitos decorrentes do Wall Street crash que extingue a exuberante ilusão de prosperidade dos 1920s, surpreende que os 11 negros anos da Great Depression comecem sem ninguém se aperceber do facto. Se, out of touch, o US President Herbert Hoover decreta uma “re-established confidence” à data do financial cataclysm, identicamente The Harvard Economic Society então atesta que “[a] severe depression like that of 1920-21 is outside the range of probability. We are not facing protracted liquidation.” Também entre os papéis de Sir Winston, cuja integral digitalização foi agora disponibilizada pelo Churchill College, Cambridge, existe um tranquilizador cablegram datado de November 15, 1929. Escreve Baruch na mensagem enviada a nenhum outro senão o decisor do regresso britânico ao Gold Standard (enquanto Chancellor of the Exchequer do Stanley Baldwin’s Govt derrubado nas últimas eleições): “Financial storm definitely passed.” Nada mais distante de uma negra realidade económica em aceleração! Com a escassez do dinheiro, e um pouco por todo o lado, a produção colapsa, o desemprego alastra e regressam as poor man's soups. O desespero tem preço.

 

 

Desconheço se o governador da Big Apple está na “bizarre celebration” do Churchill’s “favorite American”, mas em breve Mr Franklin Roosevelt rumará a Washington DC sob o lema do New Deal. E é à luz daqueles dias que um e outro líder depois inscrevem na Atlantic Charter, acordada a bordo do HMS Prince of Wales em August 14, 1945, que, “after the final destruction of the Nazi tyranny, they hope to see established a peace which will afford to all nations the means of dwelling in safety within their own boundaries, and which will afford assurance that all the men in all the lands may live out their lives in freedom from fear and want.” Ora, pela liberdade face ao medo e à necessidade voltaram as manifestações às ruas de London. Já Rt Hon William Hague avisa em Berlin que a Britain's relationship with Europe está a zeros. O Foreign Secretary informa da public unhappiness quando Mrs Teresa May ultima preparativos para a 130 powers’ devolution de Brussels. Com a Eurozone’s crisis em fundo, o caso da retirada continental é tão sério quanto mais de metade dos ministros é eurocéptico e Mr David Cameron ameaça vetar o crescente EU budget. – Are they making a B-plan?!

 

St James, 23th October

 

Very sincerely yours,

 

V.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.