Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

LONDON LETTERS

A Christmas Carol, 1843

 

Charles John Huffam Dickens (1812-70) publica o seu “ghostly little book” em 1843 December. Após dois meses de escrita intensa, intitula-o longamente comoA Christmas Carol / In Prose / Being / A Ghost Story of Christmas / With Illustrations By John Leech. Le votre adorable cantique de Noël. O livrinho abre com o espetro do prestamista Jacob Marley: "Marley was dead, to begin with." Tal pesado facto ainda abisma nas linhas introdutórias: "Scrooge knew he was dead? Of course he did." A imaginação ética move o autor, chocado com a desmesura da pobreza observada em Manchester nas vésperas da Spring of Nations que já agita o continente. – Blessed Mr Dickens! Se o Old Will assumira que "Hamlet’s Father died before the play began,” já nova menção ao funeral reforça a evidência do finamento do homem: “There is no doubt that Marley was dead." Com morte, pois, arranca a mais vitoriana celebração da nascença de Jesus Christ nestas ilhas.

 

 

A firma “Scrooge & Marley” surge como cenário primeiro nesta incursão à natureza humana. O lugar é frio, tal a gélida recusa de Ebenezer Scrooge ali queimar algumas pedras de carvão. Glacial é também a sua negativa quanto a conceder a Christmas holy-day a Bob Cratchit, um dos muitos cuja família vive a condição miserável da working class. A semana inglesa ainda vem a caminho, a exemplo de políticas públicas similares para aliviar a aflição dos pobres. Surge agora a sombria figura daquela Christmas eve: "Scrooge! a squeezing, wrenching, grasping, scraping, clutching, covetous, old sinner! Hard and sharp as flint, from which no steel had ever struck out generous fire; secret, and self-contained, and solitary as an oyster. The cold within him froze his old features, nipped his pointed nose, shrivelled his cheek, stiffened his gait; made his eyes red, his thin lips blue; and spoke out shrewdly in his grating voice. A frosty rime was on his head, and on his eyebrows, and his wiry chin." E é a tal cruel old man que um fantasmático Marley anuncia três importantíssimas visitas: os espíritos do Christmas Past, Present e Yet to Come. O mais fica para ler na magia original.

 

 

Great things have happened in the Victorian times. Uma é a invenção do English Christmas, cujos ghosts tanto animam a família como assombram o vendilhão (& the turkey, regrettably). A visão pertence a Mr Dickens, um novelista para todas as épocas e a popular literary hero que foi também a social reformer. Por tudo, note-se, é uma instituição nacional ‒ always a good pretext for the preservation of his 19th-century home in London, now a historic house museum. O aka Boz rasga a vanity fair com os satíricos The Pickwick Papers e distingue-se com a defesa da dignidade nas aventuras de Oliver Twist (1837-8) e Nicholas Nickleby (1838-9). A acusação contra a injustiça e a crueldade prova efeitos sobretudo quando, em A Tale of Two Cities (1859), sugere que o engenho de Monsieur Guillotin não é a calamidade descrita por contemporâneos [como Mr Thomas Carlyle,] mas antes uma solução efetiva para a calamidade.

 

Quem cresce na Literary Britain sabe da força moral e do poder emocional contidos nos escritos dickensianos. O carácter colorido das personagens, a riqueza visual da envolvência, a harmonia ritmada das palavras, a fluidez da estória que seduz e depois fica connosco, tudo isso, sim, mais o térmico toque divino. O escritor inspiradamente revivifica uma milenar mensagem: to help the poor and the disenfranchised é dever do privilégio. Sem isso é outra coisa. Daí a amada presença do noble Gentleman em cada Natal. A happy eternity, dear Mr Dickens.

 

St James, 24th December                   

 

Merry Christmas for all,

 

V.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.