Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Maurice Merleau Ponty: a fenomenologia e a revelação.

 

 

A fenomenologia é o estudo das essências, das essências da percepção, das essências da consciência, e é também, uma filosofia transcendental que compreende o mundo, nunca esquecendo que ele existe antes da reflexão. É assim uma ambição, uma tentativa.

 

Leçon sur la leçon? Sim. Pelo menos por esse ângulo cheguei-me um tanto mais ao compreender que, em cada acto de percepção, o mundo em nós renova-se e revela-se com um sentido de evolução. Assim, ser uma consciência, é ser uma experiência, é comunicar interiormente com o mundo.

Acabei de reler”Fenomenologia da Percepção” de Merleau-Ponty e julgo ter tido melhor acesso à frase de Paul Ricoeur por ocasião da morte de Merleau:

O inacabamento de uma filosofia do inacabamento é duplamente desconcertante.

 

Traduz muito esta frase, o quanto foi forte o abalo da Filosofia contemporânea pela interrupção da notável obra, daquele que foi considerado o mais original discípulo da filosofia husserliana.

 

Para Merleau-Ponty, o ser humano é o centro da discussão sobre o conhecimento. Este nasce e faz-se sensível desafiando a consciência perceptiva.

 

 

Chegamos então ao incessante que recomeça em nós numa tarefa filosófica que recusa toda a cristalização do trabalho do percepcionar.

 

Torna-se necessário, o conhecermos o nosso próprio ponto de apoio, e onde ele se situa, torna-se mesmo impossível não fechar contrato connosco próprios, se assim não for. E este contrato, a existir, de tão perigoso e fechado nos torna finitos.

 

 Sem comunhão interior entre nós e o mundo, levados pela mestre- mão da percepção seremos capazes de nos libertar de muitas limitações: eis que até podemos chegar à consciência constituinte.

 

Todavia, também chamamos sol ao que nos dá força para combater na guerra contra todos os intermédios, até que consigamos dividir a paz em quantas partes nos sossegue. E  logo ouvimos Maiakovski

 

Vós

que tendes uma ideia

vejam como eu

me divirto,

rufia

de rua e batoteiro!

 

Mas Merleau, na sua obra, não nos deixa sozinhos nesta nossa ratoeira. Há que recomeçar o esforço, reassumir o movimento da reflexão. Talvez por isso a fenomenologia da percepção aspira a que se atinja o nosso-estar-no-mundo, nunca descurando o horizonte, a partir do qual, se não cede à não procura das essências.

 

É-nos proposto um constante recomeçar sempre em estado de aspiração e de volta às coisas mesmas e, mesmas, só na aparência, mas não nas essências.

 

Cuide-se que a unidade do mundo a partir da qual se desdobram as atitudes é apenas parte do horizonte. A consciência é destinada ao mundo, um mundo que ela não abarca e nem sequer possuí, mas em direcção ao qual ela não desiste de se dirigir.

 

Mais uma erva primeira, este livro de Merleau-Ponty.

 

M. Teresa Bracinha Vieira

Setembro 2013

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.