Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

(de 8 a 14 de Setembro de 2008

 

Acaba de ser editado em Portugal “Istambul – Memórias de Uma Cidade” de Orhan Pamuk (1952), com tradução de Filipe Guerra (Presença, 2008), que recenseámos em Outubro de 2006 (16 a 22), aquando da atribuição do Prémio Nobel ao seu autor. Republicamos hoje o texto então produzido, revisto e aumentado por referência à edição portuguesa. Nessa altura usámos “Istanbul, Memories of a City” (Faber, 2006). Trata-se de um livro fundamental não só para se compreender a antiga Constantinopla projectada nos dias de hoje, mas também porque é uma obra-prima da literatura contemporânea – um misto de memórias, de biografia e de ensaio. Pamuk foi agraciado com o Prémio Nobel da Literatura, e a atribuição do galardão representa o reconhecimento de um escritor para quem não pode haver separação entre a vida, a arte e a escrita.


 

Para continuar a ler clique aqui

Portugueses na Bienal Internacional de Arte Contemporânea da Arménia (No jornal Público)

Hugo Canoilas (na foto) é um dos artistas portugueses que participam no evento 
 

Os artistas portugueses Gustavo Sumpta e Hugo Canoilas vão participar na na 6ª edição da Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Gyumri, na Arménia, que abre ao público no domingo sob o tema "Parallel Histories", em português “Histórias Paralelas”.

 

Notícia: Portugueses na Bienal Internacional de Arte Contemporânea da Arménia, no Público | 05 de Setembro de 2008 e Destaque Cultural do Dia do e-Cultura. 

Imagem: Rui Gaudêncio/PÚBLICO

A viagem do Centro Nacional de Cultura, dentro do ciclo “Os portugueses ao encontro da sua história”, tem como destino a Europa Oriental. Entre 30 de Agosto e 10 de Setembro, com o apoio da RTP e da Antena 1, publicamos as crónicias diárias de Paula Moura Pinheiro que acompanha o grupo do CNC na viagem.

Reportagem de Paula Moura Pinheiro - Sexta-feira, 5 de Setembro




Os relatos de Paula Moura Pinheiro numa "Viagem ao Encontro da Santa Rússia".

Ver site do programa 

O Instituto Cervantes de Lisboa colabora com a presença de cinema espanhol no MOTEL X - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, organizado com o intuito de revelar em Portugal o melhor do cinema de terror de todo o mundo e em todas as suas variantes: das grandes produções ao experimental, do clássico único às novas tendências. A programação inclui uma seleção de sete filmes espanhóis do género e a presença de Gonzalo López-Gallego, realizador de El rey de la montaña (2007.) De 3 a 7 de Setembro no Cinema São Jorge.

Para continuar a ler clique aqui

in, Diário Digital / Lusa

O Centro Nacional da Cultura (CNC) organiza uma viagem à Polónia e Rússia entre 30 de Agosto e 10 de Setembro, para ir ao "encontro dos vestígios deixados pelos portugueses dos séculos XVII e XVIII".

A comitiva, dirigida por Guilherme d'Oliveira Martins, presidente do CNC, integra 25 personalidades portuguesas, incluindo a pintora Graça Morais, a actriz Glória de Matos, o artista plástico António Júlio Duarte e a historiadora e deputada Matilde Sousa Franco. O programa da visita prevê a visita a Cracóvia, na Polónia, bem como a Moscovo, São Petersburgo e Novgorod, três importantes centrais culturais russos.

Num comunicado distribuído à imprensa, o CNC informa que a iniciativa faz parte de "um ciclo de viagens, que o CNC organiza há cerca de 20 anos (...) que procura ir ao encontro dos vestígios deixados pelos portugueses dos séculos XVII e XVIII pelo mundo fora, realizando na actualidade novas formas de relacionamento com base nessa história comum". "Trata-se de descobrir múltiplas dimensões da herança cultural portuguesa que se perpetuam em países tão diferentes como a Índia (onde o grupo do CNC se deslocou em 1985, 1986 e 2006), Marrocos (1986 e 1987), China, Tailândia, Birmânia e Singapura (1987), Brasil (1989), Japão (1992), Indonésia e Timor (2001), São Tomé, Benim, Senegal e Cabo Verde (2004), Brasil (2005)", lê-se no comunicado.

Segundo o CNC, "estas viagens, que são verdadeiras embaixadas culturais, dão origem a novos laços e projectos, ficam os documentários para a televisão e os Diários de Viagem, sempre da autoria de um artista plástico e de um escritor e/ou historiador". "Como convidados do CNC, já acompanharam estas viagens, entre muitos outros, Siza Vieira, Hermano Saraiva, Jorge Borges de Macedo, Teodoro de Matos, Lagoa Henriques e Agustina Bessa-Luís, Júlio Pomar, José Eduardo Agualusa, Inês Pedrosa e João Queiroz, Miguel Real e Adriana Molder, Almeida Faria e Bárbara Assis Pacheco", referem os organizadores. O CNC acrescenta que durante as viagens, são promovidos "contactos com autoridades políticas e administrativas e com instituições e personalidades culturais e artísticas locais" para aprofundar e dinamizar relações e promover "um relacionamento futuro igualmente intenso".

Entre os portugueses que passaram pela Rússia nos séculos XVII e XVIII, destacam-se os missionários que desempenharam um papel de relevo no estabelecimento das relações entre o Reino da Moscóvia e a China, bem como os nomes de António Vieira, primeiro governador de São Petersburgo, João da Costa, bobo da corte russa ou António Ribeiro Sanches, médico imperial.


A viagem do CNC é também notícia aqui:
Açoriano Online
Portugal Zone

(de 1 a 7 de Setembro de 2008)
 


 

Cidades e Paisagens” de Jaime Magalhães de Lima (Porto, 1889) é hoje recordada no momento em que partimos para a “embaixada cultural” à Polónia e à Rússia. Singularmente, o ciclo “Os Portugueses ao Encontro da Sua História” vem à Europa Oriental, com que temos relações antigas, desde que os nossos comerciantes se estabeleceram na Flandres e no Mar do Norte, chegando ao contacto da Liga Hanseática e dos povos do Oriente europeu. Em Cracóvia de Copérnico, sentiu-se desde cedo a influência de matemáticos portugueses, como Pedro Nunes, na corte de S. Petersburgo afirmou-se o célebre Doutor António Ribeiro Sanches, junto de CatarinaII, a Grande. Mas, por todos, lembramos um texto muito significativo, uma carta de admiração e de afecto, de Jaime Magalhães de Lima ao seu mestre Lev Tolstoi.



Jaime Magalhães Lima

 

Para continuar a ler clique aqui

Pág. 4/4