Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

PEREGRINAÇÃO AO JAPÃO

Contagem decrescente - Japão (11)

Hoje recordamos um conto tradicional japonês segundo Wenceslau de Moraes, que no-lo compara com a fábula mdediterrânica da Cigarra e da Formiga!...

O TIRA-OLHOS E A CASTANHA
por Wenceslau de Moraes

 

 

"Chegara o Inverno, frígido. Um tira-olhos, que fora resistindo até então, mas a custo, abrigando o corpo esguio e nu no quimérico agasalho das suas asas de gaze transparente, veio por acaso pousar num castanheiro. Então, fixando uma castanha, dirigiu-lhe, suplicante este discurso:
- "Ó senhora castanha, vossemecê, para se preservar das intempéries, usa de uma camisa junto ás carnes, por cima da camisa veste um kimono de duas consistências; e, ainda por cima traz uma capa forrada de espinhos e de pêlos. Pois tenha dó de mim, que nada possuo para abrigo senão estas asas de gaze transparente, ceda-me um dos seus vestidos..."
Responde-lhe a castanha prontamente:
-"Ora essa! Você durante todo o Verão, passou o tempo em pândegas, em voos descuidados, em amores boémios, de regato para regato, de flor para flor, sem cidar de precaver-se e de fazer alguma roupa. Eu, modestamente, sem sair do pouso onde nasci, fui tecendo e cosendo os meus vestidos, preparando-me para o frio. Pois governe-se agora como possa, meu amigo e, se tem frio...tenha paciência".
Leitor amigo: não vos parece estar ouvindo, com ligeiras modificações de pouca monta, a fábula da cigarra e da formiga? É que a moral dos povos é uma e única (...). As nossas classificações antropológicas que chamam a este individuo um Japonês, àquele um Grego, àquele outro um Português, têm apenas a importância éfemera que satisfaz num momento dado o grau das nossas concepçôes. Cada ser humano, havendo já vivido no passado imerso e sem distinção de latitudes, milhões e milhões de vidas, retém em si a impressão das múltiplas recordações das suas existências anteriores, reduzidas a qualidades de alma; o que arrebanha todos os homens num só grupo - a Humanidade (...)."
 
Fonte: Fala a Lenda Japonesa, Wenceslau de Moraes