Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Mario Vargas Llosa:

o Escritor para quem La Literatura es fuego. Por Teresa Vieira.

 

 

 

 

 

 

 

 

O escritor peruano Mario Vargas Llosa é o Prémio Nobel da Literatura de 2010. 

  

Para mim a Literatura é também um reflexo do real, um horizonte, um real literário e cultural um tudo no que Mallarmé disse naquela célebre frase “tout existe pour aboutir un livre”.   

 

Vargas Llosa que está em Manhattan a leccionar neste momento na Universidade de Princeton, nunca deixou por dizer o quanto a Literatura fora o seu primeiro berço simbólico.   

 

Vargas Lhosa teve, na minha opinião, um método curiosíssimo de libertar a contradição no esclarecimento das estruturas do poder, preocupando-se particularmente com os países onde não há democracia ou onde a liberdade está ameaçada.  

 

Vargas Llosa empenhou-se sempre na  luta pela liberdade individual: na luta por um valor criativo e sem derrota. 
Recordo a riqueza de detalhes sobre a vida do sertão baiano. Recordo o quanto ele sabia distinguir uma verdade pensada de uma verdade enquanto resultado diferido de algo que acontece. 

 

 “A Guerra do Fim do Mundo” (1981) e a  "A Casa Verde" (1966) livro muito autobiográfico, são ambos manifestações óbvias de um grau de perfeita boa consciência cultural.   

 

Acredito que Vargas Llosa será sempre um revolucionário perfeitamente de acordo com o seu raciocínio e também um conservador que não escapando às sociedades arcaizantes, se permite em liberdade, a explicação antropológica e social que sempre condiciona o homem. 

  

A realidade dos oprimidos e a sua arguta denúncia será sempre conteúdo a não esquecer na Literatura de Vargas Llosa.

 

 

 

7 Outubro 2010 sec.XXI