Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Guy Goffette: Ce qui manque sans cesse aux mortels, ce trou dans l’air entre les choses

 

Desde 1969 que este poeta trabalhou como editor na Gallimard. É belga e a sua poesia muito tem sido comparada a Verlaine. Recordo que aquando do meu texto a Yves Bonnefoy, bem me acudiram à lembrança as suas palavras a Guy Goffette:

 

«Goffette é um herdeiro de Verlaine (…) ele é maravilhosamente capaz de captar as emoções e desejos comuns a todos nós.»

 

Em 1894 Verlaine  foi eleito o “Príncipe dos Poetas” de França e agora Goffette também escreve:

 

Je me disais aussi : vivre est autre chose

que cet oubli du temps qui passe et des ravages

de l’amour, et de l’usure – ce que nous faisons

du matin à la nuit : fendre la mer,

         

fendre le ciel, la terre, tout à tour oiseau,

poisson, taupe, enfin : jouant à brasser l’air,

l’eau, les fruits, la poussière ; agissant comme,

brûlant pour, marchant vers, récoltant

     

quoi ? le ver dans la pomme, le vent dans les blés

puisque tout retombe toujours, puisque tout recommence et rien n’est jamais pareil

à ce qui fut, ni pire ni meilleur,

      

qui ne cesse de répéter : vivre est autre chose.

 

Ontem mesmo fui reabrindo o seu livro “Le Pêcheur d’eau” numa edição Gallimard de 1995 e as palavras de Guy

 

Le ciel est le plus précieux des biens dans l´ existence. Le seul qu’on puisse perdre le soir et retrouver au matin, à sa place exacte, et lavé de frai.

 

De facto o poeta Goffette sabe espreitar para dentro quando escreve, num mecanismo quase religioso de quem espreita e entra por tranquilidade imaginística, no tratamento afinal objectivo da realidade.

 

Sempre li Guy Goffette como um poeta que nunca fechou os olhos das palavras à intenção do mundo. Na escrita de Guy , encontrei  um lume autónomo e algo casado com o conteúdo da expressão poète maudit, tal como Verlaine se referia a Stéphane Mallarmé ou Rimbaud que haviam lutado contra convenções poéticas, e por esse facto, foram ignorados pelos críticos.

 

Mas Guy recebe o Prémio Mallamé em 1989 e ainda o prémio da Academia Francesa.

 

A Academia é composta por quarenta membros, conhecidos como immortels dando assim inequívoco sinal ao lema à l’ immortalité que, aliás, surge no selo oficial então concedido por Richelieu, fundador da Academia em 1635.

 

A Academia inclui cientistas, advogados, políticos, escritores como o caso de G. d’ Estaing e mesmo um Chefe de Estado estrangeiro como Léopold Sedar Senghor e a primeira mulher Marguerite Yourcenar que foi igualmente acolhida na Academia.

 

Contudo muitos notabilíssimos escritores franceses nunca se tornaram membros da Academia o que suscitou a Arsène Houssaye (conhecido novelista francês do sec. XIX) o levantar da expressão “assento quadragésimo primeiro” , para nele caberem quantos foram rejeitados ou faleceram antes de surgirem vagas.

 

Rousseau, Sartre, Balzac, Zola nunca se tornaram académicos, o mesmo é dizer que não usaram o hábito verde, o chapéu bicorne ou a espada apenas não atribuída a clérigos.

 

Faço esta algo larga referência à Academia, porquanto no nuclear há verdadeiros e falsos problemas, e mesmo um herdeiro de Verlaine é quem não descuida a medicina do inatingível, que se não obtém por prémios, e ainda que se deixe aproximar de certas realidades estas não o despegam de

 

(…) tout ça parce que la nuit

et parce que la mer (…)

corps à corps amarrés,

mais la pensée au large

 

 

Teresa Vieira