Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

TU CÁ TU LÁ COM O PATRIMÓNIO

 

Diário de Agosto * Número 5

 

José de Figueiredo aparece aqui caricaturado por Francisco Valença. O tema é o dos famigerados Painéis ditos de S. Vicente de Fora. O diálogo é entre o Infante D. Henrique e o diretor do Museu das Janelas Verdes. O tema é o grande sucesso de viagem dos painéis, então dois trípticos, até Paris em 1931. Foi um tremendo sucesso – e Figueiredo propõe-se levar os Painéis a todo o mundo… É o que confidencia a Henrique. O Infante, que bem conhecia Paris por estar lá na Crónica dos Feitos da Guiné com a sua imagem, que poderá ter permitido a identificação da obra atribuída a Nuno Gonçalves, responde ao diretor atónito: “É só dizer, o mais que pode acontecer é o Sr. Luciano Freire ter de nos restaurar outra vez”! A história teria, no entanto, mil andanças. Muito se discutiria e discute sobre esse misterioso quadro. A graça desta caricatura do “Sempre Fixe” está em que nessa altura as obras-primas viajavam. Isso tornou-se agora impensável, e o Infante D. Henrique põe água na fervura dizendo, afinal, que o entusiasmo de José de Figueiredo era algo prematuro… Foi, porém, a ida a Paris que tornou o políptico célebre e celebrado. A discussão será sempre interminável e as conclusões sempre precárias. Uma certeza fica: em San Miniato al Monte em Florença, no altar do túmulo de D. Jaime, o Cardeal de Portugal, S. Vicente está representado com grande semelhança aos painéis de S. Vicente de Fora…

 

Pessoa em «A Mensagem» dirá:

«Em seu trono entre o brilho das esferas,

Com seu manto de noite e solidão,

Tem aos pés o mar novo e as mortas eras –

O único imperador que tem, deveras,

o globo mundo em sua mão»

 

Agostinho de Morais

 

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

                    Se morto me desejas,

                    ó cruel, ledo me morro.

                    E morto já, inda te adoro.

                    Mas se queres que te não ame,

                    olha que só de pensá-lo já 

                    me mata a dor e foge a alma.

 

   Traduzo-te aqui o primeiro madrigal do livro sexto dos madrigais a cinco vozes de Carlo Gesualdo (1566-1613), este composto em 1611. Quiçá para te dizer que tão sentidos pensamentos já naquele tempo não eram novidade, tal como não são antiquados hoje. Desse príncipe de Venosa, sobrinho materno de São Carlos Borromeu, cujo nome de batismo recebeu, já te falei noutras cartas. Assim como do seu amor traído e da sua desforra crudelíssima sobre a mulher adúltera e seu amante. Mas estes versos que hoje te trago - só por que os escutei cantados num madrigal que (como tantos outros de Gesualdo...) desafia, por inesperadas pausas e dissonâncias, o tradicional modo de compor música para formas poéticas então novamente inspiradas de Petrarca - nada evocam de vinganças ou raivas de amores atraiçoados. Antes cantam o paradoxo do amor sentido, como já soava nas cantigas de amigo e, em jeito mais filosófico e expressionista, nos interroga a lírica do mesmo Petrarca e do nosso Camões. Há quem pretenda que Carlo Gesualdo era um psicopata: talvez fosse, mas que maravilhosas polifonias saíram do seu misterioso pensarsentir...

 

   Tenho, por caprichosa coincidência, o número da Philosophie Magazine deste julho/agosto aqui ao lado de mim, à espera de que o leve para ler na cama. Pergunta a capa da revista: Pourquoi avons-nous besoin d´être aimés? Ocorrem-me logo, em guisa de resposta, estes versos de Fernando Pessoa: Ditosos a quem acena / um lenço de despedida: / são felizes, têm pena, / eu sofro sem pena a vida... Precisamos de amar e ser amados, só porque apenas existimos em relação, e não há glória alguma, nem qualquer dom possível, sem risco nem mágoa. Vou deitar-me, que se faz tarde e, amanhã, talvez me sinta em jeito de te falar nas respostas de filósofos que tenha encontrado. 

 

   Já muitas vezes te falei do amor, esse coração da vida, motor de todo o ser, razão da existência. São João, nas suas cartas, revela-nos o amor como o próprio desígnio de Deus, para que a nossa alegria seja completa. A visão mística do amor é uma visão feliz. Mas também chamamos amor a diversos impulsos do próprio ser humano, ilusões e desilusões, compromissos e traições, vida comunicada e morte infligida, procura de outros em busca de nós mesmos, sacrifício e direito de conquista, dom recíproco ou espera de recompensa mútua, desejo de eternidade ou paixão do momentâneo... Eu sei lá, Princesa de mim, tudo o que, de um ou de outro modo, qualquer de nós se pode lembrar... Pessoalmente, sempre tenho procurado, no amor de todos os meus amores, a alegria de uma visão mística que me aconchegue a Deus. Quando amo, ou corro o risco de amar, sei sempre que serei amado sem medida por essa amoris laetitia. Como se um certo sentimento do amor transformasse o amador na cousa amada. Há Graças assim, com maiúscula.

 

   Mas o que é ou possa ser, ao certo, a coisa amada nem sempre se consegue definir, quiçá porque não tenha limites claros e tangíveis, ou, para citar Michel Eltchaninoff, talvez as nossas existências tenham uma nascente secreta, que nos dá energia para viver, para ir ao encontro do mundo e dos outros. Desde Platão que os filósofos tentam identifica-la: de acordo com eles, trata-se do amor. Amando, tendemos para um fim, aspiramos a um ideal, elevamo-nos para um absoluto. Esta reflexão será, creio eu, inspirada pelo diálogo de Sócrates com Diotima, no Banquete de Platão. Encontro aí, mais do que uma dimensão metafísica do amor, do desejo de amar e ser amado, para além dos seus factores biológicos, neurológicos e culturais, uma visão mística que pode não coincidir necessariamente com a minha. E ocorre-me a explicação que Paul Éluard, comunista e surrealista, deu ao seu poema Liberté, que aviões da Royal Air France, baseada no Reino Unido, despejaram sobre a França ocupada em 1943. Lembro-te que começa assim: Sur mes cahiers d´écolier / Sur mon pupitre et les arbres / Sur le sable et sur la neige / J´écris ton nom... E vai por aí fora, o poeta sonha o nome da mulher sua amada gravado por todo o universo e vai revelá-lo. Mas finalmente a dedicatória é a Liberdade. Conta Éluard: Para concluir, pensava revelar o nome da mulher que amava, e à qual destinava este poema. Mas depressa me apercebi de que o único nome que tinha na cabeça era a palavra Liberdade. Assim, a mulher que eu amava incarnava um desejo maior do que ela. Confundia-a com a minha aspiração mais sublime, e essa palavra Liberdade estava, ela própria, em todo o meu poema apenas para eternizar uma simplíssima vontade, muito quotidiana, muito aplicada: a de nos libertarmos do Ocupante.

 

   Também te falei já, em carta passada, dessa perseverança na persistência do ser, que o próprio António Damásio, feito biólogo, no seu mundialmente aclamado A Estranha Ordem das Coisas, reconhece como força até das vidas mais simples. E eu creio que, a esta luz, também podemos ler aquela afirmação de Georges Bataille - que tantas vezes lembro -de que l´erotisme c´est l´affirmation de la vie jusque dans la mort. Para este filósofo francês, a união sexual é um regresso à unidade inicial da vida, uma afirmação do princípio vital. De uma perspetiva taoista, do universo inteiro se poderá dizer que começa no Uno - eis um pensarsentir que, mutatis mutandis, podemos fazer coincidir com o teor da célebre ária da Traviata: l´amor è palpito del universo intero... Afinal, o universo é, necessariamente, um sistema de relações. E sobre essa questão do amor e dos amores humanos - sobre a qual, ao fim de milhões de anos e miríades de palavras, já se repetiu muito e ainda outro tanto fica por dizer - cito agora Andreas Bartels, director do Centro Werner-Reichardt da universidade de Tübingen que, segundo a Philosophie Magazine, evidenciou a base neuronal da nossa aspiração ao amor: antes de ser um conceito metafísico é um impulso vital. A análise de Bartels é científica, isto é experimental, positivista. Ou se quiseres, Princesa de mim, é praticamente materialista. Acho especialmente reveladora a sua resposta à pergunta sobre o amor não ser apenas um sentimento, mas ter uma base fisiológica: Sim, a necessidade de amor é um verdadeiro mecanismo biológico e não só psicológico. Sem amor, os membros de uma espécie não podem sobreviver. Se, aquando de uma experimentação sobre um animal, bloquearmos artificialmente os recetores de uma fêmea, então ela abandonará as suas crias. É por isso que o amor também pode ultrapassar as barreiras entre as espécies. Uma cabra pode tratar de um cordeiro, ou uma ovelha de um cabrito... Os humanos funcionam da mesma maneira. A sobrevivência dos bebés depende da atenção que os pais lhes prestarem. Por isso procuram ativamente um contacto. Por conseguinte, amar e ser amado dependem um do outro. É um mecanismo em espelho: uma criança precisa de ser amada para sobreviver, os pais sendo, por isso, dotados duma necessidade de afeto recíproco. Ao crescer, o adulto não perde a necessidade de ser amado, apenas simplesmente diversifica os seus "alvos".

 

   O judeu austríaco Martin Buber, mais tarde cidadão israelita (Stefan Zweig e Theodore Hertzl também eram austríacos, o primeiro sempre se olhou como tal e europeu, o segundo foi cabeça do movimento sionista) escreveu, em 1923, um livro curioso e filosófico, inspirado pelo humanismo judaico e intitulado Eu e Tu. A sua tese é simples, tal como a resume Michel Eltchaninoff: mostra, a partir de uma análise dos pronomes pessoais, que quando digo eu dirijo a minha atenção para duas realidades bem distintas. Ou designo um aquilo à minha frente, isto é, uma coisa do mundo. Ou me dirijo a outra pessoa, a um tu. Ora isto é muito diferente, porque uma coisa está sempre em seu lugar, enquanto que um outro eu, um alter ego enche o horizonte. A sua presença, o seu olhar sobre mim, transvasam, apanham-me no seu turbilhão e transformam a minha relação entre mim e o mundo em relação. A única coisa que se pode dizer do Tu, é que ele vem ao meu encontro. Em grande parte, é o amor do outro que me constitui, não apenas na minha identidade afetiva e psicológica, mas enquanto pessoa: O homem torna-se um Eu ao contacto do Tu. Para Buber, a necessidade de ser amado ultrapassa aliás a simples esfera maternal ou familiar, para atingir um estado metafísico, ou mesmo místico. Tal necessidade da relação é, assim, um facto de tal modo «primitivo» que, ainda antes de perceber as coisas isoladas, o vago olhar da criança procura, no espaço incompreensível, um não sei quê indefinido... Esse tal olhar, segundo Buber, é o instinto que torna certa coisa num Tu.

 

   Esta carta, Princesa de mim, é, mais uma vez, partilha de um passeio por lembranças, cismas e leituras, só pelo gosto de contemplar paisagens interiores e descobrir esperanças feitas de interrogações. Vai longa esta volta, mas como não quero perder o gosto do dilema de Carlo Gesualdo, traduzo-te trechos de uma carta datada de Venise, 15 avril 1834, de George Sand, pseudónimo de Amantine Aurore Lucile Dupin, bisneta do grande marechal de Saxe, republicana, socialista e feminista avant la lettre, ao poeta Alfred de Musset, um dos seus muitos amantes (entre os quais também se contou Chopin), quiçá um dos seus amores mais ardentes. É bem obra do seu século francês, romântico e revolucionário, talvez por isso Musset tenha retomado o tema no seu Confession d´un Enfant du Siècle, publicado em 1836. Não sei porquê - talvez por acidente deste percurso - me ocorre retomar mentalmente, ou de cor(ação), o poema do Pessoa, acima encetado: Coração oposto ao mundo, / como a família é verdade! / Estou só, meu sono é profundo. / Estou só e sonho saudade... Mas fecho esta carta com passos da de George Sand a Alfred Musset, talvez por tanto pensarsentir que as diferenças de outros, das suas circunstâncias e comportamentos não os excluem da nossa comunhão na condição humana:

 

   Não creias, Alfredo, que me possa fazer feliz o pensamento de ter perdido o teu coração. Que tivesse sido tua amante ou tua mãe, pouco importa. Que te tenha inspirado amor ou amizade, que tenha sido feliz ou infeliz contigo, nada disso mudará o meu presente estado de alma. Sei que te amo, eis tudo. Mas com esta dolorosa sede de te abraçar a toda a hora e momento, algo que eu não poderia satisfazer sem te infligir a morte. Mas com uma força toda viril, e também com todas as ternuras do amor feminino...

 

   ...Fomos amantes, conhecíamo-nos até ao fundo da alma. Que descoberta teríamos feito para nos desgostarmos um do outro?...

 

...Tivesse um pensamento odioso envenenado toda a nossa vida, e não poderíamos então acreditar seja no que for. Mas poderíamos nós separar-nos assim? Tentámo-lo várias vezes, mas os nossos corações inflamados de orgulho e ressentimento acabavam sempre por se rasgar de dor e de pena, quando nos encontrávamos sós. Não, não podia ser assim. Devíamos, ao renunciar a relações tornadas impossíveis, ficar ligados para a eternidade. Tens razão, o nosso abraço era um incesto, mas nós não sabíamos. Atirávamo-nos, inocente e sinceramente para o seio um do outro. Pois bem, será que nos resta uma só lembrança desses abraços que não seja casta e santa? Censuraste-me, em dia de febre e delírio, por nunca ter sabido dar-te os prazeres do amor. Fizeste-me então chorar, mas hoje sinto-me à vontade para reconhecer alguma verdade nessa censura. Não me confunde que tais prazeres tivessem sido mais austeros, mais velados, dos que encontrarás alhures. Pelo menos não te lembrarás de mim quando estiveres nos braços de outras mulheres. Mas quando estiveres só, quando precisares de gritar e chorar, pensarás no teu George, no teu verdadeiro camarada, na tua enfermeira, no teu amigo, em algo melhor do que tudo isso: porque o sentimento que nos une formou-se de tantas coisas, que a outro nenhum pode ser comparado. O mundo nunca o compreenderá, e é melhor que assim seja: amar-nos-emos e rir-nos-emos do mundo.

 

   O sentido católico (universal) também nos pode ensinar a compreender como a vocação do Amor vive sempre, até mesmo na incompletude do entendimento da condição humana. Todos, afinal, procuramos o nome desse TU que nos enche o horizonte...

 

Camilo Maria


Camilo Martins de Oliveira