Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A VIDA DOS LIVROS

22044523_AYkGP.jpeg
  De 28 de fevereiro a 6 de março de 2022

 

«O Mundo e a Igreja – Que Futuro?» da autoria do Padre Anselmo Borges (Gradiva, 2021) é um conjunto muito atual de reflexões sobre as consequências do pontificado do Papa Francisco

 

o mundo e a igreja.jpg

 

UMA INTERROGAÇÃO

Interrogando-se sobre como devemos encarar hoje os valores éticos, Anselmo Borges afirma no seu último livro, agora dada à estampa - O Mundo e a Igreja. Que Futuro? (Gradiva) – que assistimos a uma inversão na pirâmide de valores, já que o dinheiro se tornou um valor central e a medida de todos os valores. Nesta obra, contamos com um conjunto oportuno e bastante claro de reflexões sobre as responsabilidades da Igreja Católica na sua relação com o mundo contemporâneo, numa perspetiva de exigência crítica e de coerência, em lugar de acomodação ou de indiferença. E em diversos passos do livro somos levados a recordar a obra fundamental “A Largueza do Reino de Deus” do Padre Alves Correia, tantas vezes recordado por Anselmo Borges no seu magistério. “Onde está a honra, a dignidade, o valor da palavra dada, a solidariedade, a família como esteio que segura os valores, a escola que forma pessoas íntegras e assim bons profissionais, alguns princípios orientadores da humanidade e para a Humanidade?”. Afinal, importa refletir, pensar para além do imediato e superar o imediatismo e as certezas baseadas na superficialidade. Urge compreender que não há explicações unívocas, já que a complexidade é a regra humana. Essa a lógica das bem-aventuranças – entender a humanidade como realidade plural. O homem não se fez para o sábado, mas o sábado para o homem e Jesus Cristo foi acusado de se relacionar com todos, recusando condenar a mulher adúltera…

 

SABEDORIA E CONFINAMENTO

E o Padre Anselmo Borges recorda o que Edgar Morin disse a propósito desta pandemia e no contexto dela: “Não digo que a sabedoria é permanecer toda a vida num quarto, mas para dar um exemplo: pensando apenas no nosso modo de consumo e alimentação, é talvez o momento de nos desfazermos de toda esta cultura industrial, cujos vícios conhecemos, o momento para nos desintoxicarmos. É também a ocasião para tomarmos consciência de modo duradouro dessas verdades humanas, que todos conhecemos, mas que estão recalcadas no nosso subconsciente: o amor, a amizade, a comunhão, a solidariedade, que fazem a qualidade de vida”. E assim um decálogo para a felicidade não pode ser confundido com uma receita de boticário. Exige-se compromisso pessoal e sentido de entreajuda. O início da alegria é começar a pensar nos outros. A melancolia deve dar lugar a uma atitude positiva e prospetiva. Não são o poder, o dinheiro ou os prazeres efémeros que podem dar alegria, mas o amor. Daí a necessidade de ter sentido de humor, de não nos levarmos demasiado a sério, de saber agradecer, de saber perdoar e de pedir perdão, de ter o gosto do compromisso e de saber ter o desprendimento em que se baseiam as bem-aventuranças, bem como de compreender a importância do diálogo fraterno e da oração, abandonando-nos nas mãos de Deus, por sabermos que somos amados. Longe da indiferença (e isto é uma responsabilidade de todos os homens e mulheres de boa vontade, como tanto insistiu o Bom Papa João XXIII) trata-se de saber partilhar, falando olhos nos olhos, entendendo a relação pessoal como permanente revelação do alfa e do ómega da dignidade humana. E o livro é um apelo constante à compreensão mútua, segundo o testemunho vivo de Jesus Cristo. Nos últimos dois anos, perante a inesperada pandemia e a demonstração de como assistimos a uma destruição avassaladora da natureza e do meio ambiente, tomamos consciência de que não podemos esconder-nos ou ser indiferentes. Importa compreender as ameaças e os riscos, a distinção entre o que é passageiro e o que é permanente. A crise ambiental obriga-nos a compreender os limites, combatendo o desperdício e prevenindo a destruição irreversível dos recursos que são património comum da humanidade toda. A crise económica e social agravou, por outro lado, as desigualdades e as injustiças e esqueceu uma distribuição equitativa de recursos não apenas entre os cidadãos de hoje, mas também relativamente às gerações futuras. À crise financeira de 2008 somou-se a situação sanitária, à ilusão monetária sucedeu a paragem brusca da atividade económica em todo o mundo, com todas as consequências conhecidas, das quais resulta que as desigualdades aumentaram, os mais ricos ficaram mais ricos e os mais pobres ficaram mais desprotegidos. A crise migratória pôs a nu o medo dos outros e a recusa das diferenças, exigindo uma verdadeira solidariedade planetária, que continua a faltar. E urge recordar o apelo do Papa Francisco a que os migrantes sejam acolhidos com prudência, reclamando um novo Plano Marshall para os países mais pobres, para estancar a hemorragia de assola o mundo.

 

QUE DEMOCRACIA, QUE CIDADANIA?

A crise política tem levado à fragilização da democracia e da cidadania, obrigando a que cuidemos mais da qualidade das instituições, do Estado de Direito, dos direitos fundamentais e da dignidade humana. A democracia precisa de melhor legitimação, de mais responsabilidade de todos e de mais participação cidadã. E a palavra do Papa Francisco tem de ser mais ouvida, apontando para que os princípios humanos se tornem compromissos de justiça: “A democracia baseia-se no respeito mútuo, em que todos possam contribuir para o bem da sociedade e em considerar que opiniões diferentes não só não ameaçam o poder e a segurança do Estado, como, num confronto honesto, se enriquecem mutuamente e permitem encontrar soluções mais adequadas para os problemas que é preciso enfrentar”. Os conflitos da sociedade, sendo naturais, não podem gerar a tentação da violência e da cegueira. A crise das relações humanas está, porém, na raiz de muitas das dificuldades e bloqueios atuais. A atenção, o cuidado, o respeito mútuo, a solidariedade estão na ordem do dia. A crise na educação, a desvalorização da cultura, a subalternização do dom e da troca, da comunicação e da capacidade de aprender obrigam a encontrar um contrato social que permita favorecer a coesão, o desenvolvimento e a justiça distributiva capazes de fazer da equidade uma prática comummente aceite. A liberdade religiosa e a paz entre as religiões revelam-se mais necessárias que nunca, uma vez que sem compreensão dos limites e sem a coragem de pôr em comum o que verdadeiramente nos pode unir, nada conseguiremos. E assim, longe da ideia de “ópio do povo”, o que importa é a procura dos fundamentos de uma ética cordial, baseada na compreensão do outro, no respeito mútuo e na salvaguarda da liberdade, da autonomia pessoal e da dignidade humana. A recusa do paternalismo e do clericalismo liga-se à necessidade de uma prática cristã mais madura e mais humana. Daí que o Papa Francisco insista em que não pode haver ecumenismo com proselitismo. Mais do que as palavras, importa fazer prevalecer os atos e os exemplos. E as reflexões de Anselmo Borges constituem preciosos auxiliares nesse sentido.

 

Guilherme d'Oliveira Martins
Oiça aqui as minhas sugestões – Ensaio Geral, Rádio Renascença