Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

FLORIRAM OS PRIMEIROS JACARANDÁS EM LISBOA

 

O jacarandá florido
Brando cantar trazia
Branda a viola da noite
Branda a flauta do dia.

"As flores do Jacarandá",
in As Fadas Verdes

  

Matilde Rosa Araújo canta assim esta deliciosa árvore vestida de azul. E como ela outros poetas o fizeram, principalmente brasileiros e sul-americanos. Não só devido ao facto desta árvore ser originária da América do Sul, mas também porque a palavra jacarandá - que tem origem no termo dos índios tupi - “y-acá -ratá”- entra na designação de mais de uma vintena de espécies de árvores que nem sequer são da famíla dos Jacarandás de que nos ocupamos. Os que dão estas magníficas flores lilases, são da família das Bignoniáceas, que também inclui outras espécies com flores rosa, roxa ou violeta.

 

 

 Luz - Jacarandás

(in blogue de António Barreto)

 

"Os Jacarandás da Avenida D. Carlos I, vistos do
último andar do edifício do Café República, em 2009.
É isto que vamos ter dentro de uma ou duas semanas"
 
Esta semana, os Jacarandás floriram! E de que maneira! Já estão bem visíveis na Avenida D. Carlos I, um dos seus principais santuários, mas também no Largo de Santos, em Belém e no Parque Eduardo VII.
Há vinte anos que, nestas páginas, assinalo este momento mágico da vida lisboeta. Não estando actualmente a escrever a minha crónica, solicito-lhe um pouco de espaço para poder manter-me fiel!
Ainda por cima, em tempos de mentira, reviravolta e ocultação, é bom perceber que há coisas eternas, cuja repetição sazonal nos dá a garantia de que a vida nos oferece permanência e lealdade!


  
Dê-nos notícia de mais jacarandás floridos!