Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

   O golpe de estado do 18 de Brumário (9 de novembro) de 1799, termo da primeira década da Revolução Francesa, traz à tona a nova burguesia, aquela classe de oportunistas que foi sabendo mexer os cordões do PREC coevo, e até foi designada por Nação, quando mais não era do que a faixa de 2% da plebe, os privilegiados que faziam negócios e ganhavam fortunas. No Antigo Regime, a assembleia dos representantes da nação (em Portugal chamada Cortes), reunia três classes: clero, nobreza e povo. Com a revolução, acabou por congregar só uma - em liberdade, igualdade e fraternidade -, mas, nessa mesma, uma minoria era mais livre, mais igual e, com ironia, mais fraterna do que o povo em geral. Este, acabou por ser constituído por citoyens passifs (expressão de Sieyès), assim se respeitando o conselho de Voltaire que diz ser país bem organizado aquele em que le petit nombre fait travailler le grand nombre, est nourri par lui, et le gouverne.  

 

   Seguir-se-á o Consulado e o Primeiro Cônsul tornado Imperador. Napoleão será a reincarnação "republicana" da monarquia, muito próxima, aliás, da fórmula de Luís XIV: L´État c´est moi.

 

   A China também terá, a partir de 1912, os seus imperadores republicanos: Sun Yat-sen, fundador da modernidade sínica, e Chang Kai-shek, durante a primeira república, Mao Zedong, Deng Xiaoping e Xi Jinping, em tempos de república popular. Deixa-me ler-te um texto de Sun Yat-sen:

 

   Na China, desde a Antiguidade, a maioria dos indivíduos dotados de forte ambição sonhou ser imperador...  ... Esse tipo de ambicioso encontra-se em todas as idades da história, sem interrupção...  ... Assim, na história da China, em qualquer idade, sempre se lutou pelo trono imperial, e todos os períodos de anarquia que o país sucessivamente atravessou tiveram a sua nascente nessa luta pelo trono. Os países estrangeiros fizeram guerras de religião, ou bateram-se pela liberdade. Na China, desde há milhares de anos, lutou-se perpetuamente por essa única questão:  vir a ser imperador.

 

   [Introduzo aqui uma máxima de Benjamin Constant, amante de Mme. de Staël, filha de Necker, conspirador do 18 Brumário, que Napoleão fez Tribuno: a política é, antes do mais, l´art de présenter les choses sous la forme la plus propre à les faire accepter. Sugiro, Princesa, que a tenhas sempre, subconscientemente, como lembrete].

 

   Para melhor entendermos a figura do Imperador no imaginário religioso, ético e político chinês, na sua própria visão do mundo, cito-te, primeiro, Confúcio: Quem governa pela virtude é comparável à estrela polar, imutável no seu eixo, mas centro de atração de todo o planeta. Dito este, claramente, nos antípodas do de Constant. O Imperador Celeste é paradoxal, ser humano e ser divino, senhor e chefe de todos, mas por todos, finalmente, controlado. Recorro a duas longas transcrições para entendermos melhor. A primeira é tirada de La Vie des Chinois au temps des Ming (Paris, Larousse, 2003), de Gilles Baud-Berthier e outros:

 

   Fils du Ciel, l´empereur est un être quasi divin. E traduzo: Manda em todos e só obedece ao Céu e aos seus próprios antepassados. Mas é também aquele que cumpre os ritos oficiais, o chefe dos funcionários, o pai dos seus súbditos. E finalmente é um homem como os outros, movido pelas suas ambições, as suas inclinações, as suas fraquezas...

 

   A segunda transcrição, muito mais longa, traduzo-a de um livro recente (Paris, Perrin, fevereiro de 2018), da autoria de Bernard Brizay, cuja leitura te recomendo: Les Trente «Empereurs» qui ont fait la Chine. Trata-se, aliás, não de um texto do próprio Brizay, mas de um trecho que ele respigou de La Chine devant l´Europe, livrito escrito pelo marquês de Hervey de Saint-Denys, em meados do século XIX, e publicado no reinado de Xianfeng:

 

   Chamam-lhe Filho do Céu, desejam-lhe dez mil anos de vida, prestam-lhe honras divinas. Ninguém pode passar diante da porta exterior do seu palácio, de carro ou a cavalo. O seu trono, mesmo vazio, é respeitado tanto como ele mesmo seria. Recebem de joelhos os seus despachos, queimando incenso. Comanda 400 milhões de homens. A sua morada é uma autêntica cidade, rodeada de altas muralhas, recinto reservado aos inúmeros serviços de uma corte sumptuosa. Ali se encontram casas de habitação para o imperador, a imperatriz, as princesas ou damas de segunda classe, as de terceira e até de quarta classe; pavilhões de trabalho para os ministros; salas de receção, de representação, de audiência; outras consagradas às cerimónias religiosas ou às festas do monarca; exércitos de oficiais de todas as patentes, de servos e de eunucos; oficinas imensas onde todo um mundo de operários se ocupa no fabrico sem interrupção dos objetos necessários aos sete ou oito mil habitantes dessa cidade privilegiada. Nenhum príncipe se encontra rodeado de maior prestígio, pompa e magnificência...

 

   Mas o arguto marquês francês acrescenta: No meio de todos os atributos do poder soberano, o temido monarca não pode dar um passo como entender. O seu vestuário, os seus atos, as suas posturas e as palavras que pronuncia são regulados por minucioso cerimonial. A ordem das suas refeições, a natureza e a quantidade dos alimentos que lhe são servidos em cada estação, em cada circunstância, são igualmente determinadas... Numa palavra: a sua vida é o cumprimento de um rito.

 

   Assim também, ainda nos nossos dias, se desenrola a vida do imperador e família do Japão, Império do Sol Nascente. Herança vinda, da dinastia sínica dos Tang, para a corte nipónica de Nara. Na tradição sino-nipónica, a personagem cuja designação traduzimos, nas línguas ocidentais, por imperador, tem um carácter hermético, que encerra a presença do divino numa terra eleita, podíamos até chamar-lhe mistério, um sacramento da união do Céu com a Terra, pois estabelece essa ligação. Não é exatamente o mesmo que o imperator romano, este apenas um deus entre deuses vários, assim por política obrigatoriedade de veneração dum soberano, mais fácil de impor a um universo de povos, culturas e religiões diversas quando tal poder é sacralizado. Sabes, Princesa, o que a recusa do reconhecimento da divindade imperial custou aos judeus e aos cristãos primitivos. Para estes, a perseguição político-religiosa durou até à conversão de Constantino, em 322. Mais tarde, Roma irá servir-se da religião cristã - já também religião do próprio imperador - como cimento do império, tornando-a religião oficial. E assim se iniciarão séculos de conflitos entre o poder temporal e o espiritual, e períodos de confusão entre ambos. Quando o nosso Afonso Henriques busca e consegue o reconhecimento papal dele como rei, por exemplo, não é só uma bênção religiosa que procura, é a afirmação do poder papal como o único entre o rei e Deus. Para melhor entendermos tal diligência e o seu objetivo final, transcrevo-te um trecho do prólogo da obra El Rey, Historia de la Monarquia, por vários autores (Editorial Planeta, Barcelona, 2008), escrito por Rafael Escudero (das Reales Academias de la Historia y de la Jurisprudencia e Legislación):

 

   Hay, sin embargo, una forma egrégia y superior de ser rey, la de ser rey de reyes o emperador, de lo que en nuestra historia constatamos un intento frustrado (el de Alfonso X, que trató en vano de conseguir el imperio alemán) y dos bellas realidades en la Edad Media y en la Moderna. En aquella, com la Península articulada en diversos reinos, el caso del Imperio castellanoleonés, com un rey, Alfonso VI, que aparece como «emperador de toda España» o «emperador de las dos religiones», o de Alfonso VII, coronado emperador en la catedral leonesa de Santa María en 1135. En la Edad Moderna, en fin, el emperador por antonomásia, Carlos, que se hizo com la Corona imperial en 1519 y de quien diria ante las Cortes el doctor Pedro Ruiz de Mota que «él sólo en la tierra es rey de reyes». [Carlos V, imperador do Sacro Império Romano Germânico e, em Espanha, Carlos I]

 

   O imperador Afonso VI tivera duas filhas: uma bastarda, Teresa, casada com Henrique, da linhagem dos Duques de Borgonha, mãe de Dom Afonso Henriques, o qual de seus pais herdaria o título de Conde de Portugal; outra, legítima, Urraca, casada com Raimundo, da casa dos Condes de Amous, o qual foi feito, em virtude do seu casamento, Conde da Galiza, sendo o filho de ambos reconhecido como sucessor do Imperador castelhano-leonês com o nome de Afonso VII. De acordo com o costume feudal que confundia soberania e propriedade, Afonso VII, primo direito de Dom Afonso Henriques, ao morrer, em 1155, deixou o império dividido pelos seus dois filhos: Sancho herdou o reino de Castela, Fernando o de Leão. Mas nessa altura, já Portugal tinha rei seu, pois o uso desse título régio já constava do tratado de Zamora, celebrado entre os primos Afonso (VII e Henriques), o que parece traduzir o reconhecimento da sua legitimidade pela autoridade do imperador. Todavia, outros cronistas, como Rodrigo Ximenez de Rada no De Rebus Hispaniae, não referem essa eventualidade, pretendendo que Afonso Henriques era o primeiro que em Portugal tomou por si mesmo (sibi imposuit) o nome de rei, pois seu pai usava o título de conde, e ele, inicialmente, o de dux. Pediu ao papa Eugénio III, de que se constituiu vassalo (censuale), muitos privilégios... Sobre esta questão, como sobre o nosso primeiro rei, recomendo-te a leitura da biografia de D. Afonso Henriques do José Mattoso (Lisboa, Círculo de Leitores, 2008). Mas deixa-me reter aqui duas observações: a primeira aponta para o facto aparente de que o primeiro Rei de Portugal - que, aliás, mesmo filho de bastarda do imperador Afonso VI, pertencia, pela linhagem paterna a uma nobreza franca superior à de seu tio Raimundo, pois seu avô Henrique, Duque da Borgonha era neto de Roberto II, rei de França -, Afonso Henriques ter desde logo procurado o reconhecimento direto do papa, prestando vassalagem a Eugénio III; a segunda verifica que, apesar de tal reconhecimento papal apenas se ter oficializado em Maio de 1179, pela bula Manifestis probatum , de Alexandre III, o Rei de Portugal nunca se considerou vassalo do primo, mas antes seu igual, porque ambos descendentes diretos, ainda que por via uterina do imperador Afonso VI.

 

   Reconhecimentos papais fazem-me reevocar Napoleão. E, para te deixar entretida com esta carta, trago-te um trecho longo do Alain Minc (Une Histoire de France, Paris, Grasset, 2008, pag. 235): Le sénatus-consulte du 18 mai 1804 lui conférant le titre bizarre d´«Empereur héréditaire des Français» est ratifié lors d´un plebiscite, par une majorité encore plus écrasante que la Constitution de l´an VIII. E passo a traduzir:

 

   Napoleão não se contenta com isso. Quer os fastos e pompas de uma sagração e sobretudo a presença do papa. Incrível ressurreição da tradição monárquica. A França galicana, a França da Constituição civil do clero, negoceia a vinda a Paris do soberano pontífice para presidir à cerimónia! Nessa altura, Napoleão nada em surrealismo político. Cospe na cara das monarquias europeias com a execução do duque de Enghien e, depois, quer imitá-las, talvez macaqueá-las. A mímica da sagração de Reims é para pôr um ponto final à Revolução.Tenta vincular a sua dinastia ao precedente dos Carolíngios - donde o título de Imperador - e trata os mil anos de reinado capetiano como um parêntese. Deseja a bênção do papa mas, no momento da cerimónia, tira-lhe a coroa das mãos...   ... Estranha monarquia que cortou o cordão umbilical com Deus, mas que mantém a filiação com as conquistas da Revolução! O Consulado  correspondera à fase racional do bonapartismo; o Império será o seu período barroco.

 

    E isto me leva a Vladimir Putin, abrindo a porta para a minha-tua próxima carta, que começará por desenvolver a notícia que seguidamente te traduzo de Le Monde Diplomatique, deste mês de março, transmitida num artigo de Anaïs Llobet: Debaixo de muito sol, em maio de 2017, o patriarca Cirilo de Moscovo e de toda a Rússia, inaugura a igreja do mosteiro de Stretenski, no coração da capital. A seu lado, o presidente Vladimir Putin, de semblante solene e impassível, acompanha integralmente o ritual. Depois, entrega ao patriarca um ícone antigo de quatro séculos representando João Baptista, o profeta que anunciou a vinda de Jesus, imagem que até então estivera em lugar de destaque no seu gabinete no Kremlin. Ficará doravante exposta no altar do novo local de culto.

 

   Isto tem que se lhe diga, tal como as conversações em curso entre o Vaticano e a China oficial, ou a expansão económica, cultural, política e militar do Império do Meio nos dias que vão correndo, em manifesto contraste com o recuo e total proibição, ainda durante a dinastia Ming, da exploração, por via marítima, do mundo exterior de então. Como português, terei também de recordar o falhanço da embaixada de Tomé Pires, no século XV, num tempo em que, fora da China, os servidores do Filho do Céu só procuravam quem lhe prestasse vassalagem, e o Rei de Portugal lhe enviava uma carta a reclamar-lhe o mesmo...  

  

Camilo Maria

 

Camilo Martins de Oliveira

OS TEATROS DE SOUSA BASTOS NA EUROPA, NO BRASIL E EM ÁFRICA

 

Na crónica anterior, fizemos referência ao livro recentemente publicado sobre Sousa Bastos, da autoria de Paula Gomes de Magalhães, com nota introdutória de Maria João Brilhante e Ana Isabel Vasconcelos (ed. 2018).

 

Recordamos aí designadamente a obra de Sousa Bastos, ainda hoje sempre citável, o “Diccionário do Theatro Português”, assim mesmo denominado na edição de 1908, e onde se descrevem nada menos do que 213 teatros de Portugal, Brasil e África, numa cobertura cronológica que abrange edifícios e salas já na época históricas, mas sobretudo teatros à época em atividade: e de notar que não poucos, com ou sem alterações de designação, com mais ou menos obras de recuperação, duram até hoje.

 

E recordamos agora que Sousa Bastos, no seu livro denominado “Carteira do Artista” (1898) , obviamente referido no crónica anterior e cuja imagem de capa serviu de ilustração, já aí procedeu a um primeiro levantamento de teatros, só que, desta vez, apenas 26, e que enumeramos tal como o autor os identifica, com a grafia da época e expressões e designações por vezes pitorescas nas respetivas descrições. Vejamos então.

 

«O velho Theatro da Rua dos Condes (Lisboa)”; “Theatro do Gymnasio (Lisboa)”; “Theatro Garcia de Rezende (Evora”); “Theatro Romano (Lisboa)”; “Theatro da Paz (Pará-Brasil)”; “Pateo da Bitesga (Lisboa)”;  “Pateo da Rua das Arcas (Lisboa)”; “Theatro de Wagner” (Bayreuth”); “Pateo das Fangas da Farinha (Lisboa)”; “Theatro do Bairro Alto (Lisboa)”; “Theatro Scala (Milão)”; “Theatro de Loanda (Africa portuguesa)”; “Theatro de S. Roque (Lisboa)”; “Theatro de S. Carlos (Napoles-Italia)”; “Academia da Trindade (Lisboa)” (Lisboa)”; “Theatro da Graça (Lisboa)”; “Opera de Vienna (Austria)”; “Theatro de S. José (S. Paulo – Brasil”); “Theatro da Boa Hora (Belem)”; “Theatro de D. Fernando (Lisboa)”; “O Novo Theatro da Comedia” (Vienna-Austria)”; “Theatros Regios (Queluz, Salvaterra, Ajuda)”; “Comedia Franceza (Paris)”; “Theatro do Odéon (Paris)».

 

O texto é ilustrado com 11 gravuras de Teatros, sendo apenas três de teatros portugueses (Condes, Ginásio, Évora), a que se acrescentam as gravuras dos Teatros do Pará, Bayreuth, Milão, Nápoles, Viena, (duas) e Paris (duas).

 

Mas o mais interessante e historicamente significativo é a análise e descrição de cada um dos teatros, sendo certo que a extensão e o detalhe histórico e artístico variam de acordo com o critério do autor, que hoje será difícil de precisar com rigor. Os mais desenvolvidos neste aspeto são o Condes, o Ginásio, o Garcia de Resende, o Pateo das Arcas e os dois Teatros de Paris, significativamente a Comedia Francesa e o Odéon. O que não é de estranhar!

 

Ainda dois esclarecimentos.

 

Desde logo, a própria denominação do livro, que define um programa de investigação e divulgação:

 

«Carteira do Artista – Apontamentos para a História do Teatro Portuguez e Brazileiro Acompanha de Notícias Sobre os Principais  Artistas, Escritores Dramáticos e Compositores Estrangeiros». Tudo isto ao longo de mais de 800 paginas em sucessivas calendarizações diárias!

 

E mais: o livro é dedicado «À minha querida e santa mulher Palmyra Bastos Modelo das esposas e, espelho das mães e exemplo das artistas, O seu marido grato Sousa Bastos.»

 

Palmira Bastos nasceu em 1875 e faleceu em 1967. Integrou durante décadas o elenco do Teatro Nacional de Dona Maria II, na Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, onde atuou até quase ao fim da vida.

 

Recorda-se aqui o seu talento. 

DUARTE IVO CRUZ

AS ARTES E O PROCESSO CRIATIVO

 

XXXVII - REALISMO (II)

O IMORAL E O CRITICAR PARA CORRIGIR EM MADAME BOVARY

 

O romance de Gustave Flaubert, Madame Bovary (1857), é tido como pioneiro da estética realista na literatura.

 

À semelhança dos romances realistas, propunha-se fazer um inquérito à sociedade francesa, como Eça de Queirós, mais tarde, influenciado pelas ideias importadas de França, se propôs fazê-lo à sociedade portuguesa.

 

Pelo seu pioneirismo e escândalo, na época, o processo movido contra Madame Bovary, é exemplar pelo confronto entre a acusação, a defesa e a sentença final.

 

Autor, editor e impressor foram acusados de delitos de ofensa à moral pública, religiosa e aos bons costumes, em especial Flaubert, o réu principal, qualificando de imoral tal romance o advogado/delegado imperial do Ministério Público, rebatendo a objeção geral de tal obra, no fundo, ser moral, dado que o adultério era punido, alegando: 

 

“Para essa objeção, duas respostas: suponhamos que, por hipótese, a obra é moral - uma conclusão moral do romance não basta para amnistiar os pormenores lascivos que nele se encontram. E depois afirmo: a obra, no fundo, não é moral”.

 

Acrescentando: 
“Digo, meus senhores, que pormenores lascivos não se podem cobrir com uma conclusão moral, porque a ser assim podíamos contar todas as orgias imaginárias, descrever todas as torpezas de uma mulher pública, desde que o fizéssemos depois de morrer numa enxerga de hospital. Seria lícito mostrar todas as suas posturas lascivas! Isto seria ir contra todas as regras de bom senso”

 

Após classificar a obra como imoral, do ponto de vista filosófico, reconhecer que a protagonista morre envenenada, que sofreu muito, alega que “morre no dia e hora que escolheu, e morre, não porque é adúltera mas porque quis morrer”, além de dominar o livro em tudo, havendo que recorrer à moral cristã para explicar e reforçar a imoralidade da obra, dado ser em nome desta que “o adultério é estigmatizado, condenado, não por ser uma imprudência que expõe a desilusões e pesares, mas porque é um crime contra a família”.   

 

Concluindo: embora compreensível que a literatura realista, como arte, pinte o feio, o mau, o ódio, a vingança, o amor, dado que o mundo vive disso, é inadmissível que estigmatize a moral, uma vez que a arte sem regra deixa de ser arte, pelo que impor à arte a regra única da cedência pública não é subordina-la, é honrá-la, só se progredindo com uma norma.

 

O advogado de defesa, nas suas alegações, questiona:

“Este livro, posto nas mãos de uma senhora jovem, poderia ter o efeito de arrastá-la para os prazeres fáceis, para o adultério, ou pelo contrário, de mostrar-lhe o perigo dos primeiros passos e de fazê-la estremecer de horror?”   

 

E acrescenta:

“O adultério não passa de um rosário de tormentos, de pesares, de remorsos; e depois chega a uma expiação final, pavorosa. É excessiva. Se o Sr. Flaubert peca, é por excesso. A expiação não se faz esperar; e é nisso que o livro é eminentemente moral e útil, é que ele não promete à jovem esposa alguns desses belos anos no fim dos quais ela pode dizer: depois disto, não importa morrer”. 

 

Mais se alegou que o autor mostra uma mulher que cai no vício em virtude de um  casamento inadequado e de uma educação desadequada para a condição em que nasceu, que lida a obra a amigos altamente colocados nas letras, que estudaram e examinaram o seu valor literário, nenhum deles se sentiu ofendido, dada a evidência do seu fim moral,  representando dois ou três anos de estudos incessantes para Flaubert, razão pela qual a defesa, por fim, pergunta: 

 

“A leitura de um tal livro provoca o amor pelo vício ou provoca o horror pelo vício? A expiação tão terrível da falta não impede, não incita à virtude?”  

 

Concluindo que ao fazer comparecer o autor em polícia correcional, “já foi cruelmente punido.”  

 

A sentença,  após vários considerandos, decide:  

“Considerando que Gustave Flaubert protesta o seu respeito pelos bons costumes e por tudo o que se relaciona com a moral religiosa; que não parece que o livro tenha sido, como certas obras, escrito com a finalidade única de dar satisfação às paixões sensuais, ao espírito de licença e de deboche, ou de ridicularizar as coisas que devem ser rodeadas pelo respeito de todos;

 

Que ele só errou em perder às vezes de vista as regras que todo o escritor que se respeita não deve nunca violar, e em esquecer que a literatura, como arte, para atingir o bem que lhe compete realizar, não deve ser apenas casta e pura na sua forma e na sua expressão;

 

Nessas circunstâncias, considerando que não ficou suficientemente provado que Pichat, Gustave Flaubert e Pillet se tenham tornado culpados dos delitos que lhe são imputados;  

 

O tribunal absolve-os da acusação pronunciada contra eles e manda-os em liberdade sem custas.”   

 

Para uns, o culto do imoral, do escândalo, o querer chocar, relatando cruelmente o mal, o querer vender para ter dinheiro, com o chamariz do deboche. 

 

Para outros, o fazer um inquérito à sociedade com um fim: criticar para corrigir, emendando-a, tentando a regeneração dos costumes pela arte.

 

Apesar do contexto da época e do vanguardismo do movimento realista, vingou a arte, fazendo e tentando fazer um profundo e subtil inquérito realista a toda a vida em sociedade.  

 

10.04.2017

Joaquim Miguel De Morgado Patrício 

CRÓNICA DA CULTURA

Cristiano Ronaldo içou-se do chão de quando era criança; rodou nos invisíveis degraus do esforço d’alma; prendeu-se no ar, e, intacto de natureza, opôs-se ao que no mundo é simulacro. 

 

  

 

De mão no peito o agradecimento minucioso a cada um, a cada vida.

O gesto, o gesto de que o limite é para se ultrapassar.

 

  

 

Ronaldo, o vulto voante de uma magia que poucos merecem, demanda-nos na sua vida o nosso próprio desejo de pulsar pelo céu. Expõe sentires em choros e felicidades de inocência rara.

 

Cristiano Ronaldo o menino empurrado para os dias dos socalcos de todas as solidões.

Ronaldo o homem-menino que hoje segura o seu filho à expansão das manhãs.

 

 

O menino-homem da bola de ouro a erguer ao mundo o sentido do choro.

 


Ronaldo, um fundo de convicção que aponta caminhos, muitos deles entre o ser-eu e o estar-ali irredutível.

O colossal jogador de futebol português, conhece-se e devolve-se a nós, na simplicidade de algo a decifrar, como se não transportasse também um Portugal e suas pedras, em ordenada linguagem aplanada pela força do mérito, do trabalho, do sonho, e da indecifrável magia de pertencer a um lugar que poucos conhecem.

Obrigada

 

Teresa Bracinha Vieira

A FORÇA DO ATO CRIADOR

 

'Freut Euch des Lebens!' de George Grosz

 

'How many people live within us?', George Grosz

 

No livro 'Glittering Images' de Camille Paglia lê-se que a catástrofe da Grande Guerra (1914-1918), em nome do progresso, deitou por terra todas as esperanças de uma Europa que pensava ser a civilização mais avançada da história. 

 

George Grosz (1893-1956) estudou na convencional e clássica Escola de Belas Artes em Dresden, mas desde sempre se fascinara com a cultura popular - e até mesmo como estudante contribuía para revistas satíricas. Grosz adorava os desenhos das crianças e em Dresden seguia o trabalho do grupo expressionista (Die Brücke). Por isso, o contacto com o expressionismo, o futurismo e o dadaísmo foram determinantes para Grosz. Como se sabe o expressionismo apresenta como principal característica a distorção do mundo exterior através do sofrimento interior (ansiedade, medo, desespero, repugnância, alienação, desgosto e desordem).

 

Já o Futurismo influenciou Grosz sobretudo com os seus ângulos dinâmicos (ver 'The Funeral: Dedicated to Oskar Panizza', 1917-18).

 

O movimento Dada, começou em Zurich e logo após a Grande Guerra espalhou-se por todo a Europa. Os Dadaístas desejavam refundar a sociedade com novos valores - virando de cabeça para baixo todos os valores conhecidos até então - só assim se poderiam evitar no futuro conflitos tão absurdos e devastadores. Em Berlim, o Dadaísmo tinha uma diferente expressão. O colapso da sociedade e de toda a ordem estabelecida era bem real. Berlim tornou-se assim palco de performances provocativas que vigorosamente lutavam a favor de uma suposta liberdade pessoal. E George Grosz era bem conhecido, no grupo berlinense, pelos seus desenhos incómodos.

 

'Freut Euch des Lebens' (Alegrai-vos na vida) é o melhor retrato da Alemanha, entre guerras, sob o humilhante Tratado de Versalhes. O caos avassalador provocou na sociedade um desassossego e uma instabilidade interminável. A Alemanha era assim palco de imensos contrastes e Grosz através dos seus desenhos limpos e claros desejava capturar essas desigualdades grotescas.

 

'Great art must be discernible to everyone.', George Grosz

 

A indiferença, o abandono e a solidão dominam o cenário urbano de 'Freut Euch des Lebens'. O céu, nem se vê, mas parece que pesa mais do que devia. Os edifícios continuam de pé, porém cheios de rachas. A fadiga endurece o trabalhador. O veterano amputado afunda-se, sem esperança, contra a parede do restaurante. A mulher de costas indica uma espera interminável. O rico capitalista delicia-se, mais do que devia, com a sua refeição e os seus olhos nem se abrem. O crucifixo inclinado e partido indica que a sua mensagem de compaixão foi totalmente esquecida. Enfim, o vazio dominador indica uma sociedade sem valores, uma sociedade oca, sem futuro e em desespero.

 

Ana Ruepp

LONDON LETTERS

1.jpg

 

A new centrist party, wise birds & a little if, 2018

 

Os episódios assemelham-se a aventura digna da ilustre mente de Mr Sherlock Holmes. Organizadores anónimos de um novel partido centrista no reino, chame-se-lhe o £50m Party, buscam sigilosamente há já um ano um Monsieur Emmanuel Macron britânico para encantar os ilhéus em branda aventura política; a inquirição sobre a misteriosa tentativa de assassinato de um espião duplo em Wiltshire (England) progride com prodigioso milagre e teia de hipóteses na matriz do whodunit; mesmo as

2.jpglinhas telefónicas da LBC quebram nas conversas mais interessantes que voam no éter sobre a autoria do bárbaro ataque químico na cidade de Douma (Syria). Uff! Convenha-se que só o consulting detective de Sir Arthur Conan Doyle estará à altura de descodificar o puzzle deste mundo perigoso. — Chérie! Pierre qui roule n'amasse pas mousse. A guerra de palavras entre US e a Russia atinge grau ameaçador no UN Security Council. — Umm. We never know in these days. Após uma cirurgia aos 96 anos, o Duke of Edinburgh regressa a um Buckingham Palace atarefado com o casamento de Harry of Wales com Meghan Markle. Her Maj brilha na ITV. Em Ankara, Mr Recep Tayyip Erdogan adota o uniforme militar. Na Korean Peninsula é a pop-diplomacy, com o President Kim Jong Un a assistir a concerto do South em Pyongyang. Beijing impõe tarifas aduaneiras a importações americanas na ongoing trade war e Moscow retalia The West expulsando 150 diplomatas de 28 países. Mr Viktor Orbán triunfa em Hungary com terceira maioria eleitoral. Agudiza-se o diferendo legal entre Brussels e Warsaw.

 

3.jpg

 

Light rain withint breezy weather at Central London. Com o Parliament in recess, eis doce pausa na série dos hectic days que pautam um ondulado Winter em St James. O tempo livre estimula o apetite cultural. É o guarda chuva para passeios em volta que afinal triunfa, em persistente peregrinação a Trafalgar Square para observar as coloridas gentes e o detalhe do Assyrian God que ali escolta a estátua de Lord Nelson depois do original ser reduzido a pó pelo Isis em Nineveh. Os palcos desajudam a ementa variada, quando os tambores de guerra rufam na paisagem global. O laureado Hamilton continua inacessível, agora com sete Olivier Awards alinhados na apinhada bilheteira do Victoria Palace. Os Macbeth encenados na pós Brexit Britain não atraem nas colunas dos dear critics cá de casa. No National do South Bank há espectáculo de “horror of violence,” segundo Mrs Ann Treneman; no Royal Shakespeare Theatre, aquém do privilégio de subir a Stratford-upon-Avon, o Times informa que só ali se vislumbra uma personagem entre fantasmas: Ms Niam Cusak, sereia na pele de uma Mrs M “urging her man to get a move on with the business of murder!” Admirável e a rever, sim, é o bem humorado garden tour de Sir David Attenborough na ITV ‒ “The Queen’s Green Planet.” Aos 91 anos, wise old birds, ambos são esplêndidas criaturas desta ever green Land. Pormenor floral é existir planta named in honour de Her Majesty: a fresca e exótica floribunda rose.

 

A saga do Brexit prossegue a pleno vapor, somando-se os sinais de give in nos setores relutantes. Game over! Or simply time for temporary truces? A Prime Minister viaja aos países nórdicos, com os eventos na Syriana a obscurecerem a agenda diplomática do No. 10. Não de todo, porém. A ala eurocética adverte em surdina que Downing Street negoceia acesso às águas territoriais junto das EU fishing nations, como “bargaining chip” no acordo comercial entre as duas uniões. Em Denmark e Sweden, deixa RH Theresa May uma mensagem clara mas para Damascus &co: “the [President Bashar al-Assad's] regime and its backers, including Russia, must be held to account.” Alinha-se com Washington e Paris. No reino, líquidos à parte, recorda-se a traumática aventura iraquiana em debate aceso sobre a legitimidade ocidental para hastear a bandeira dos direitos humanos. Se os meios militares preparam a próxima guerra no Middle East à distância do “little if” quanto aos resultados da UN na inquirição em Douma, a conversa na cidade circula ainda em torno de vaga de knife & gun night crime a par de curiosa notícia na honorável Press. Procura-se um neo Tony Blair a la mode Macron nas nações do UK e para tal sigilosa “network of entrepreneurs, philanthropists and donors” disponibiliza £50millions. A iniciativa indicia algo em Westminster: que os moderados estão para além do ponto de resistência no Corbyn Labour Party, tal qual os Tories eurófilos descrêm de útil aliança com os Liberal Democrats nas 2022 Elections. So, probably, a move for the birds!

4.jpg

 

E… boas vindas à Delt∆Poll, a mais recente empresa britânica chegada ao mercado das sondagens. A estreia no local intelligence mining ocorre no Observer deste Sunday em torno de tema quente: a extensão com que o antisemitismo é percecionado ter penetrado nas fileiras do Labour Party. Whoop-de-doo. O objeto estatístico merece o título na versão autêntica de tão nuancé este é construído: “we investigated the extent to which anti-Semitism is perceived to have permeated Labour Party ranks.” Resulta que um em cada cinco trabalhistas admite a existência do problema e um em cada três está indeciso quanto à questão judaica que este weekend leva a novo e audível protesto, desta vez às portas do quartel general do RH Jeremy Corbyn. O dado a fixar a atenção na pesquisa não são percentis, antes o seu preâmbulo. “But let’s start with the polling truism that can never be mentioned enough: no matter how high-profile an issue might be in Westminster and in the media, no matter how profound the implications of it might be, sizable chunks of the British public will dutifully carry on largely unaware of it or not care about it,” anunciam os mineiros. Anda aqui agenda em indústria que vive maré baixa. A equipa da ∆ é experiente: Joe Twyman, ex YouGov’s head of political research, Martin Boon, vindo da ICM e Paul Flatters, outrora head of Political News research na BBC e sabido mareante de várias forecasting agencies. O trio é crítico do mundo que constrói: “Here’s a chance for pollsters to grasp the holy grail of accurately predicting seats from polling data allied to sophisticated modelling, and the race is on to perfect it.” Feliz peregrinação à Delt∆, pois, que do furor anti hebreu estamos avisados. — Umm. Well detect Master Will in Sonnet 149 that humanity has its dark sides: — “Who hateth thee that I do call my friend? (...) But, love, hate on, for now I know thy mind: Those that can see thou lov'st, and I am blind."

 

 

St James, 10th April 2018

Very sincerely yours,

V.

 

 

A VIDA DOS LIVROS

 

De 9 a 15 de abril de 2018.

 

«De Lisboa a La Lys» de Filipe Ribeiro de Menezes (D. Quixote, 2018), a assinalar os cem anos da Batalha de La Lys (9 de abril de 1918), trata do tema “o Corpo Expedicionário Português (CEP) na Primeira Guerra Mundial”, procurando esclarecer um dos mais perturbadores enigmas da história militar portuguesa.  

 

 

PORTUGAL E A GUERRA DE 14-18
Quando lemos os diferentes relatos e interpretações sobre o desastre de La Lys, ocorrido há exatamente um século, somos obrigados a tirar conclusões equilibradas que integrem as diferentes perspetivas ligadas à participação portuguesa no teatro europeu da guerra de 1914-18 – recusando as visões unilaterais. Antes do mais, esclareça-se que o tema obriga a considerar a intervenção portuguesa na guerra num sentido mais amplo, já que a defesa das fonteiras dos territórios de Angola e Moçambique, vizinhos respetivamente das zonas de domínio alemão, o Sudoeste Africano (Namíbia) e o Tanganica, correspondeu a um envolvimento desde o início das hostilidades Lembrem-se o combate e a derrota de Naulila no sul de Angola, em dezembro de 1914, bem como os episódios de Quionga no norte de Moçambique e a difícil defesa da fronteira, desde outubro de 1914. As tropas portuguesas em África sofreram fortes perdas em vidas humanas devido sobretudo às doenças e foram alvo da desgastante da guerrilha local, alimentada pelos alemães, que procuravam evitar a todo o custo que as tropas deslocadas em África viessem reforçar a Frente Ocidental europeia. Foram razões de política interna que influenciaram a posição portuguesa na guerra europeia. Apesar da cautelosa posição dos ingleses relativamente a uma participação efetiva de tropas portuguesas no teatro de guerra – havendo preferência por outras formas de apoio – o certo é que houve um entendimento no sentido do envio de tropas para a frente europeia. Não se esqueça, porém, que Portugal estava fortemente condicionado em termos financeiros, uma vez que não podia recorrer diretamente ao crédito internacional para pagamento da guerra – em virtude de vigorarem as condições drasticamente penalizadoras do Convénio dos credores externos de 1902. Nesse sentido, o crédito necessário viria a ser conseguido através de uma sub-rogação do governo britânico. Aos ingleses interessava-lhes a aliança portuguesa, mas com a maior eficácia possível – sendo conhecida a fragilidade do nosso exército em formação e meios. Para os britânicos, haveria que ter oficiais preparados e sobretudo abertos a integrar-se no seu próprio aparelho militar. Contudo, depois do acordo sobre a participação portuguesa, tudo se revelaria muito lento e os oficiais portugueses resistiam a uma integração na cadeia de comando britânica. Havia, nas Forças Armadas, a má memória das guerras peninsulares nas quais tinha havido uma clara subalternização dos comandos portugueses. Então ocorre um paradoxo – quando a operacionalidade militar começa a funcionar (ao longo de 1917) e a articulação de comandos tem resultados positivos (com raides portugueses eficazes na frente alemã) começa a crescer o descontentamento no seio do CEP, com a opinião pública portuguesa a opor-se cada vez mais à participação na guerra. E ocorre o golpe de Estado de Sidónio Pais, contrário à presença portuguesa.

 

O PORQUÊ DE UMA DECISÃO
Não se compreende o resultado de La Lys sem as diversas condicionantes políticas – o Partido Democrático quis reforçar a sua legitimidade ligando-se aos ingleses e aos aliados, mas a opinião pública estava cansada de mortos e de um grande desgaste moral e psicológico. E assim entramos no que viria ser o último ano de guerra. As tropas estão muito desgastadas, uma vez que não se faz o normal “roulement”, não sendo substituídos os efetivos e compensadas as baixas desde outubro (até devido à situação política interna). Ainda por cima vai-lhes caber a defesa das duas primeiras linhas na zona que lhes tinha sido atribuída, normalmente as mais sacrificadas em caso de ofensiva. Ora, os alemães, nesse dia de abril, vão atacar de modo arrasador, aproveitando a noite e o nevoeiro, e usando uma barragem rápida de artilharia que corta as comunicações. O general Gomes da Costa não consegue comunicar com as suas unidades. O CEP é assim paralisado e os alemães dominam o terreno, abrindo brechas e penetrando nas trincheiras. Diz o capitão Francisco José Barros em “Portugueses na Grande Guerra”: “O avanço do inimigo havia-nos transposto em todos os sentidos num formigueiro incomensurável”. Os “boches” cercam as zonas onde estão tropas portuguesas, que não compreendem o que está a passar-se – e daí a onda de pânico. Ao contrário das análises simplistas, o pavor e a retirada devem-se à estratégia usada pela frente de ataque alemã. Assim, os portugueses foram carne para canhão, já que estavam nas primeiras linhas, mas fragilizados. Sem reforços, a situação tornou-se perigosa e insustentável. As baixas portuguesas sofridas nessas poucas horas representam a maioria das perdas do CEP na Frente Ocidental (num total de cerca de 2 mil mortos). É verdade que o “milagre de Tancos” não conseguira preparar adequadamente as forças, mas quando já havia experiência e resultados positivos faltou o apoio da retaguarda. A participação portuguesa por razões políticas contrastou com a luta de sobrevivência de ingleses e franceses.

 

QUEM ABRIU A BRECHA DECISIVA?
O conhecimento histórico das circunstâncias leva a que não possamos pôr em causa a valentia dos portugueses ou o seu brio. Daí o cuidado que o historiador português teve na leitura das fontes inglesas, imbuídas de um preconceito negativo em relação à atitude das nossas tropas O caso do historiador J. E. Edwards é significativo, segue as teses britânicas, mas não considera as narrativas contraditórias, que merecem leitura cuidada de Filipe Ribeiro de Menezes. No episódio de La Lys o cerco às primeiras linhas portuguesas tornou-se inexorável nas suas consequências – e a falta de comunicações foi decisiva. Os soldados cansados e aturdidos (apanhados no momento em que esperavam regressar a casa) consideraram-se abandonados e traídos e isso explica a derrocada. Não se esqueça os focos de revolta no seio do CEP que se faziam sentir há algum tempo. E não foi só a frente portuguesa que cedeu, a 40ª Divisão inglesa também foi obrigada a recuar, com muitas baixas e capturas. No nosso caso, o general Gomes da Costa confessa ao general Haking que não tem possibilidade de segurar os seus homens na defesa dos rios Lawe e Lys. E este é um dos pontos que leva à crítica dos ingleses relativamente à posição dos nossos soldados. No debate sobre quem cedeu primeiro nos flancos, nem Haking nem Gomes da Costa têm a razão toda. Tudo foi muito confuso. Na linha entre a 2ª Divisão portuguesa e a 40ª Divisão britânica é difícil saber quem cedeu primeiro, enquanto no resto foi o CEP a fraquejar, num recuo desorganizado, mas talvez não tão caótico como os ingleses sugeriram, até pelo número de prisioneiros capturados. A verdade é que se o recuo da 40ª Divisão manteve a coesão, o movimento do CEP não a conseguiu manter, ignorando até a ordem para participar na defesa dos rios… Numa análise cuidada, o autor conclui que a participação portuguesa na Frente Ocidental foi influenciada pelas condições políticas da jovem República. La Lys foi assim um corolário da decisão de levar o CEP para a frente europeia. Houve, porém, excesso de voluntarismo e um cálculo errado sobre a melhor forma de participar ao lado dos aliados. E tudo se agravou quando no país prevaleceu a lógica não intervencionista do Presidente Sidónio Pais. Mas também aqui não deve haver simplificações, sendo certo que La Lys foi o canto do cisne do CEP e o fim de diversas ilusões… Mas é difícil saber o que teria acontecido se La Lys tivesse ocorrido ainda na vigência do governo da União Sagrada. Sobreviveria? O certo é que houve uma confluência de fortes fatores negativos que geraram o desastre… E há muitas lições a tirar, até porque a guerra e as suas consequências marcariam a história portuguesa por várias décadas.

 

Guilherme d'Oliveira Martins
Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

   Em carta a falar-te de imperadores, e a prometer-te falarmos de Putin (não do político tanto quanto do mítico), já te dizia que o Imperador Celeste é paradoxal, ente divino subjugado, homem também, como os outros, movido pelas suas paixões, ambições e fraquezas... No decurso deste divertido passeio por imperiais galerias de retratos, vamos deparando com essa curiosa condição do poderoso cuja teatral grandeza se vai reduzindo a mesquinhas ridicularias... Tal seria, todavia, risível apenas num palco de diversões; infelizmente tem muito menos graça e pode até ser maldição no seu contexto real, aí onde gera sofrimento e injustiça.

 

   Mas deixa-me ser lúdico agora e, antes de voltar a Vladimir Putin, servir-te, como aperitivo, episódios ilustres da pequenez do "grande" Napoleão Bonaparte. E não só. Recorro a Henri Guillemin, no seu Napoléon Tel Quel (Éditions de Trévise, Paris, 1969), uma biografia iconoclasta. Traduzo:

 

   Esses pobres Bourbons, coitaditos, iam para a província, a uma catedral subalterna, para serem ungidos por um arcebispo qualquer. Para «Napoleão», o eclesiástico de serviço não será um arcebispo, mas Sua Santidade o próprio papa. E «Nabou» ultrapassa mesmo Carlos Magno, a quem se refere por cima de séculos: Carlos Magno, na sua pequenez, tinha ido ter com o papa; para o "caïd" corso, será o papa que, chamado pelo apito, se deslocará. E desloca-se mesmo. E diz, em Notre-Dame: «Deus todo poderoso e eterno, Vós que haveis derramado a santa unção sobre as cabeças de Saúl e de David, derramai por minhas mãos o tesouro das Vossas graças e das Vossas bênçãos sobre o Vosso servo Napoleão que hoje sagramos Imperador em Vosso nome». E Napoleão, a retorquir: «Juro fazer respeitar as leis da Concordata, a igualdade de direitos, a liberdade cívica e política, e a irrevocabilidade da venda dos bens nacionais». Algo inesperada, esta alusão mercantil na boca do Ungido do Senhor, mas tranquilizadora e necessária à sua clientela de base, os abastados do Thermidor e os camponeses. Sua Santidade pelava-se por que lhe fossem devolvidas, pelo menos em parte, as províncias que o Ungido do Senhor lhe tinha roubado para as anexar ao seu reino de Itália. Mas o Ungido mandará que lhe respondam, rindo baixinho, que, «protetor de um Estado estrangeiro», ele não se reconhecia «o direito de lhe diminuir o território». E todavia nascera, na roda do papa, uma ideia considerada sedutora: a canonização de um tal Pedro Boaventura Bonaparte, que haveria maneira de fazer passar por antepassado do imperador. E, como dizia a Chancelaria romana, «uma canonização é sempre, da parte de Roma, um favor; não poderia ser melhor atribuída do que aqui». Vende-se o que se pode. Desapontamento. Por muito "sacro" que fosse, o imperador permanecerá insensível a esse projeto de promoção celeste na sua família. Pelo menos, decide-se em Roma que a 15 de agosto, doravante, o nascimento de Napoleão eclipsará a «gloriosa Assunção da Santíssima Virgem». O núncio achará a fórmula adequada, decretando que, «de pela autoridade apostólica, a festa da Assunção da Santíssima Virgem e a de São Napoleão [claro que se trata só de festas!] ficarão perpetuamente unidas». Perpetuamente! Em Roma não se poupa tempo, posto que se dispõe da eternidade. Mas não deu resultado. Não houve a mais pequena restituição territorial. O "caid" é um duro em negócios...

 

   Alguns aforismos do próprio imperador nos ajudarão a entender o seu elegante pensamento: Para governar é preciso ser militar: só se governa bem com botas e esporas!...   ... Não se trata de ser amado: importa ser-se temido!...   ... A França? Durmo com ela, e ela dá-me o seu sangue e os seus tesouros! Mas, para deixar Napoleão em passado histórico, volto ao seu aproveitamento da religião-igreja tradicional - para iluminar um olhar sobre Putin -, recorrendo ainda a Henri Michelin:

 

   Tem maçadas com o papa que pretendeu excomunga-lo depois da ocupação de Roma por tropas francesas; mas não desiste de o acalmar: quereria tê-lo em Paris, ali à mão, e tornar esse Bonzo-em-chefe, simultaneamente, capelão da Corte e uma espécie de arquichanceler para assuntos eclesiásticos. O «catecismo imperial» continua em vigor; o núncio Caprara declarou-o «conforme à doutrina católica», e todas as crianças de França devem saber de cor os artigos essenciais que eis aqui:

 

   «D. - Quais são os vossos deveres para com Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Nós devemos a Napoleão I, nosso imperador, amor, respeito, obediência, serviço militar e os impostos determinados para a conservação e a defesa do Império e do trono.

   D. - Mas não há motivos especiais que devem vincular-nos mais estreitamente a Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Há, sim, porque ele é aquele que Deus suscitou em circunstâncias difíceis para restabelecer a santa religião dos nossos pais e a proteger. E, pela sagração que recebeu do Santo Pontífice, tornou-se no Ungido do Senhor. Cumulando o nosso imperador com os seus dons, na paz como na guerra, Deus tornou-o ministro do seu poder e sua imagem na terra.

   D. - Que se deve pensar daqueles que faltariam aos seus deveres para com Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Segundo o apóstolo São Paulo, aqueles que resistissem à ordem estabelecida por Deus tornar-se-iam passíveis de condenação eterna»...

 

   [Antes do esclarecedor cotejo do acima transcrito com factos relativos ao "tzar" Putin, abaixo relatados, deixa-me só, Princesa de mim, recordar-te este trecho de um bilhete do Cardeal Cerejeira ao Professor Salazar, datado de 13 de novembro de 1945: ... Nesta hora de tantas preocupações, desgostos e talvez dúvidas para ti, envio-te este trecho de uma carta da irmã Lúcia, a vidente de Fátima, que acabo de receber...  ... Escuso de dizer que isto que ela diz não o diz dela mesma, mas por indicação divina (segundo ela deixa entender)...   ... De uma carta de Lúcia, datada de Tui, 7-11-1945:

 

   «... o Salazar é a pessoa por Ele (Deus) escolhida para continuar a governar a nossa Pátria, a ele é que será concedida a luz e graça para conduzir o nosso povo pelos caminhos da paz e da prosperidade.»

 

   E já em carta a Oliveira Salazar, de 26 de maio de 1945, o Patriarca de Lisboa o declarava ungido por Deus.]

 

   Respondendo a jornalistas, pouco depois de conhecer os resultados avassaladores da sua reeleição presidencial, Vladimir Putin, finalmente, lá concordou com ser possível que refletisse e propusesse emendas da Constituição, no sentido de lhe possibilitar mais mandatos para além de só dois seguidos, como hoje estipulado. Até brincou com a ideia de ainda ser presidente aos cem anos... Ao que parece, tal será possível, aceitável e aclamável - para e pelo povo russo -, se Putin lhes surgir como uma incarnação da ortodoxia da Santa Rússia. Curiosamente, o episódio da inauguração da igreja do mosteiro Sretenski - que fui buscar a um artigo de Anaïs Llobet em Le Monde Diplomatique - passou-se ali ao lado da Lubianka, casa - traduzo do jornal francês - do Ministério do Interior soviético, símbolo da grande repressão dos anos 1930, sendo agora a igreja dedicada à «memória dos mártires da perseguição anti religiosa». A decisão de a consagrar no ano do centenário das revoluções de fevereiro e outubro de 1917 constitui um «símbolo importante», sublinhou o Sr. Putin, tomando a palavra no fim da cerimónia. «Sabemos até que ponto a paz civil é frágil. Nunca deveremos esquecer quão difícil é sarar as feridas nascidas de divisões. Eis a nossa responsabilidade comum: fazer todos os possíveis para preservar a unidade da nação russa!» Recorda-te aqui, Princesa de mim, de que os bolcheviques perseguiram violentamente a religião e os crentes ortodoxos russos, não só por razões ideológicas e em virtude da sua praxis política, mas também pela fortíssima ligação do clero à autocracia tzarista. Mas, como nos conta Anaïs Llobet, face à invasão das tropas alemãs, Joseph Stalin reabilita a Igreja para apoiar a mobilização geral, na longa tradição das guerras «sagradas» conduzidas pela Rússia contra as invasões bárbaras. «Irmãos e irmãs: um perigo mortal ameaça a nossa pátria!» lança ele a 3 de julho de 1941, numa mensagem que ficou célebre. O reconhecimento do clero em 1943 faz-se todavia sob apertada vigilância da polícia política e do Conselho para os assuntos da Igreja ortodoxa russa. Tolerada para assegurar discretamente o exercício do culto, a Igreja viu ser-lhe interdita qualquer intervenção na vida pública. Mais tarde, o desmoronamento da URSS levou um número crescente de cidadãos a voltar-se para Deus: só um terço dos russos se declaravam ortodoxos em 1991; eram já 74% em 2012...

 

   ... Nos seus dois primeiros mandatos de presidente (2000-2008), o Sr. Putin apresentava-se como um bom gestor sem ideologia. Tempera então as ambições da Igreja, recusando-lhe a criação dum imposto para financiar o culto e também um canal da televisão federal. Mas quando primeiro ministro, com o seu "faz tudo" Medvedev a presidente (em razão da tal impossibilidade constitucional de mais de dois mandatos seguidos), vai suavizando e progredindo na aproximação à Igreja, sobretudo depois da morte do patriarca Alexis II e da eleição do sucessor Cirilo, que lhe acena com o modelo de governação do imperador bizantino do século VI, Justiniano, a «sinfonia dos poderes», preconizando a cooperação e apoio mútuos do espiritual e do temporal. Para este, que é o político, o movimento é bem vindo. Como Llobet bem entende, no seu regresso à presidência, em março de 2012, Putin, contestado, decide mobilizar a população, já não em volta da sua pessoa, mas em volta de uma prioridade largamente aceite: a defesa dos valores russos tradicionais contra um Ocidente que, segundo Moscovo, procura cercar militarmente a Rússia e deitar abaixo os regimes que não corresponderem às suas permissivas disposições nem aos seus interesses geopolíticos. «Sem os padrões morais formados durante séculos, as gentes perderão inevitavelmente a sua dignidade humana», afirmará o presidente em 2013 e insistirá um ano depois: Para que a sociedade exista, convém sustentar o respeito das nossas tradições e das grandes religiões. E a jornalista lembra que o padre Smirnov, pope ortodoxo, se congratula com essa ofensiva presidencial: Como é que um Russo, um ortodoxo, pode aceitar o casamento homossexual? Não! A Rússia e a Igreja não podem aceitá-lo, tampouco o nosso presidente.

 

   E este teu antigo amigo Camilo-bota-de-elástico, Princesa, lembra-se agora do espetáculo de apresentação dos novos e poderosíssimos mísseis intercontinentais russos, por Vladimir Putin, em véspera de eleição: estou convencido de que qualquer especialista ocidental em tais questões bélico-estratégicas terá complacentemente sorrido. A recuperação do atraso económico e social soviético, iniciada com a glasnost e a perestroika, também aumentou a distância entre o poderio e o potencial militar russo e o americano. Este, "by the way", continua a ser o mais assustador do mundo. Mas o "show" putiniano não era para estrangeiro ver (ainda que possa ter influenciado alguns): era, e foi, para consumo interno. E pagou. Também não sei, não posso ter qualquer certeza, de que o assassínio de espiões no Reino Unido tivesse sido mesmo obra russa. Fosse ou não, disso estou seguro, pairará sempre, no Ocidente (curiosa designação que nos mantém em guerra fria), o fantasma e o receio. Talvez Jeremy Corbyn tenha razão em dizer que seria melhor aguardar por cabal esclarecimento dos factos. Que, presumo, nunca se verificará. Mas a espera traria o esquecimento: assim, na Rússia ninguém se sentiria atacado por mentiras ocidentais e talvez nós nos sentíssemos mais confortáveis com a ideia de que, afinal, não lhes fizemos mal algum, nem têm, portanto, mais razão de queixa. Claro que Theresa May, "à la Poutine", quis capitalizar votos para as eleições de maio próximo... Chacun governa-se...

 

   E na complicadíssima Europa que por aí se anda a elucubrar, ou fabricar, não sei bem, tenho reparado nas bandeiras históricas que reaparecem nos países de leste, algumas, até, de breves e extintas monarquias nacionais. Estar-se-á a levantar outra cortina de ferro? Para tua-nossa meditação, Princesa de mim, traduzo, do Courrier International, este trecho do sociólogo polaco Stawomir Sierakowski, publicado no Project Syndicate, de Praga: Em quinze países da Europa da Leste, os partidos populistas estão atualmente no poder em sete, pertencem à coligação governamental em dois, e representam a principal oposição em três. E se, em 2000, os partidos populistas apenas tinham conquistado 20% de votos em dois países de Leste, hoje já os conseguiram em dez. Sobre tudo isso, Princesa, e mais ainda sobre a China, te falarei em próxima carta.

 

Camilo Maria  

 

Camilo Martins de Oliveira

SOUSA BASTOS, DRAMATURGO E HISTORIADOR DE TEATROS

 

Fazemos aqui referência ao recente livro “Sousa Bastos”, assim mesmo intitulado, da autoria de Paula Gomes Magalhães, na série de Biografias do Teatro Português ligadas ao Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras de Lisboa, à Imprensa Nacional-Casa da Moeda e também aos Teatros de Dona Maria II e São João: e desde já se refira o interesse desta parceria na edição e na série de biografias críticas.

 

Recorde-se que a coleção publicou já estudos e biografias sobre a Companhia Rey-Colaço Robles Monteiro, Alfredo Cortez, António Pedro, Emília das Neves, agora Sousa Bastos (ed. 2018) e anuncia próximos volumes dedicados a João Anastácio Rosa e Francisco Palha. Um conjunto notável de personalidades de teatro-espetáculo que interessa efetivamente recordar e estudar.

 

Como escrevem no texto introdutório Maria João Brilhante e Ana Isabel Vasconcelos, responsáveis pela coordenação científica da série de estudos, “podemos agora aprofundar a contribuição de atores e atrizes, de cenógrafos, dramaturgos, empresários, companhias, críticos, pedagogos, diretores, encenadores... para a construção de um sistema teatral cujo impacto na sociedade portuguesa merece ser conhecido”. E na verdade, a parceria editorial e a seleção de dramaturgos, atores e encenadores biografados e anunciados constitui um valioso e em tantos aspetos inovador contributo para a História do Teatro Português.

 

Precisamente: a vasta e variada intervenção de Sousa Bastos (1844-1911) na atividade de criação dramatúrgica, empresarial, cénica e artística, e também na tantas vezes inovadora pesquisa histórica, constitui um caso singular mesmo tendo em conta a relevância que na época o teatro – espetáculo assumia em Portugal.

 

Nesse aspeto, o livro de Paula Gomes Magalhães abrange a variadíssima intervenção de Sousa Bastos na multidisciplinaridade, permita-se a expressão, que compõe a atividade criativa e analítica no teatro em si e no meio teatral e de espetáculo.  Mas também, note-se, da sua obra de escritor, historiador, critico e dramaturgo.

 

E dá relevância, ainda, à intervenção de Sousa Bastos no Brasil, onde se fixou, de 1881 a meados de 1884 e definais de 1885 a 1888, dirigindo sucessivos espetáculos sobretudo no Rio de Janeiro, mas também em São Paulo e em sucessivas tournées que se prolongariam ainda por anos, mesmo depois do retorno a Portugal.

 

Importa frisar que Sousa Bastos, para alem de dramaturgo/tradutor/adaptador de numerosíssimas peças sobretudo da época, portanto na altura modernas e renovadoras, foi também de certo modo o que hoje chamaríamos um historiador – doutrinador da literatura e da estética do espetáculo teatral.

 

Mas mais: a sua obra teórica concilia uma visão histórica e uma abordagem moderna no plano da doutrina e na prática teatral. Nesse aspeto, aqui temos referido com alguma frequência os livros que em vida publicou, designadamente a vasta “Carteira do Artista” (1989) com mais de 800 paginas e o “Diccionario de Theatro Português” (1908) que temos citado sobretudo na descrição que faz nada menos do que 213 teatros em Portugal, Brasil e África, desde teatros já “históricos” na época mas também bastantes então modernos e alguns e ainda hoje, em atividade.

 

E em 1947 foi publicada uma recolha de textos de Sousa Bastos intitulada “Recordações de Teatro”, prefaciado por Eduardo Schwalbach, “poucos dias antes de morrer”, diz-nos Paula Gomes de Magalhães, que destaca as “informações preciosas sobre a vida e obra de inúmeras figuras ligadas ao meio teatral, polvilhadas como sempre, com pequenas histórias, fait-divers, anedotas e  considerações pessoais, que permitem mergulhar a fundo nas singularidades de um tempo em que o teatro, enquanto estrela de todos os divertimentos, era vivido de modo bem particular”. (ob. cit. pag.124).

 

Terminamos com uma apreciação de Luis Francisco Rebello. No verbete dedicado a Sousa Bastos em “100 Anos de Teatro Português” Rebello considera Sousa Bastos como “uma das personalidades mais ativas e influentes da vida teatral portuguesa no último quartel do século XIX”.

 

Em próximo artigo, veremos os teatros referidos por Sousa Bastos no seu livro “Carteira do Artista”.

 

DUARTE IVO CRUZ 

AS ARTES E O PROCESSO CRIATIVO

 

XXXVI - REALISMO (I)

 

O realismo é uma tendência artística que procura reproduzir, de forma real e direta, as manifestações da natureza, buscando a realidade autêntica, tal e qual é e se apresenta, despido de artifícios e correções, em contraposição a tendências idealistas e estilizadoras.   

 

Pela sua influência, merece menção o realismo francês do século XIX, num tempo de convulsões político-sociais, marcado pelas teorias de Proudhon, positivismo de Comte, o evolucionismo de Darwin e Lamarck, o idealismo de Hegel, em conjugação com o irreligiosismo de Loisy e Renan, o inconformismo com a tradição, a supremacia da verdade física, um materialismo otimista e um racionalismo criticista apologista da derrocada do trono e do altar.

 

Sendo uma reação contra o romantismo, defende reger-se pela objetividade, realidade e verdade, em que a natureza deve ser reproduzida com neutralidade e veracidade, num retrato fiel, não ocultando o feio, o mal, o vício, todos os aspetos baixos da vida, não lançando mão de estereótipos arredados do mundo real, em oposição ao subjetivismo pensante do idealismo, imaginação e sentimentalismo romântico.

 

Contra a apoteose do sentimento do romantismo, pretende transmitir a natureza em quadros exatos, flagrantes, reais, expurgando a retórica tida por convencional, enfática e piegas, retratando e pintando a realidade negra, maléfica e satanista da sociedade tal qual é, limitando-se a colocar o leitor e o observador diante das paisagens, dos protagonistas e suas condutas.

 

Entre os seus pioneiros, a nível da literatura, temos Balzac, Gustave Flaubert e Zola, cujos romances se liam avidamente, influenciando decisivamente, entre nós, Eça de Queirós, nas suas obras O Crime do Padre Amaro, O Primo Basílio, Os Maias e a Relíquia. Não esquecendo Baudelaire em Les Fleurs du Mal.

 

Estas novas ideias entraram em Portugal pelo caminho de ferro, que encurtou a distância entre Coimbra e Paris, deixando o comboio inúmeros caixotes de livros na Lusa Atenas, onde chegavam mais rápido que a Lisboa, opondo a mocidade estudantil e universitária ao grupo da capital, onde era mentor Castilho e os seus discípulos, cujo conflito ficou conhecido pelo nome de “Questão Coimbrã”, a que se seguiriam, mais tarde, em Lisboa, “As Conferências do Casino”. A Terceira Conferência, subordinada ao tema “O Realismo como nova expressão da arte”, foi feita por Eça de Queirós, defendendo que a arte deve ter por fim corrigir e ensinar (fim teleológico), censurando a arte pela arte, e que só o realismo criaria uma arte capaz de revolucionar a sociedade.

 

Após estes impulsos, o movimento realista começou a concretizar-se com “As Farpas”, uma crónica mensal das letras, costumes e política, num duunvirato Eça-Ramalho Ortigão, em estilo humorístico e trocista. 

 

Seria Eça a impor-se, entre nós, o que ainda hoje sucede, com os seus propósitos de crítica social, ironia, caricatura, sarcasmos, tom zombeteiro e cosmopolitismo, em que O Primo Basílio e Os Maias são tidos como os seus romances realistas mais conseguidos.   

 

A atenção aos temas de carater social, ao mundo laboral e à realidade humana marcaram artistas como Courbet, dedicado à pintura de género e figurativa, de observação exata e um expressivo forte realismo através da densidade das figuras, causando escândalos com Os Britadores de Pedra (1850), o Enterro em Ornans (1850) e A Origem do Mundo (1866). Amigo de Proudhon, lutou por ideias revolucionárias, aderiu à Comuna de Paris (1871), o que lhe valeu a prisão.

 

Também na pintura realista de Millet perpassa o desejo de captar os traços essenciais de cenas ou personagens, sem perdas nos pormenores, analisando o mundo camponês em  O Joeireiro (1848), As Respigadoras (1857) e O Angelus (1859), onde realça figuras monumentais com grande rigor plástico.

 

Assiste-se também a uma espécie de fuga do mundo urbano e ao compromisso político que lhe estava associado, por parte de um grupo de artistas que se reúnem em Barbizon, na floresta de Fontainebleau, em França, cujo representante mais ilustre dessa escola  foi Théodore Rousseau, o primeiro a deixar a cidade e a fixar-se no campo, seguido por J. F. Millet, Troyon, Daubigny, Diaz la Pena, entre outros, teorizando uma pintura de paisagem ao ar livre, de ar-livrismo, procurando o contacto com a natureza, analisando e observando as suas manifestações e os seus segredos.

 

Com eles nasceu uma nova sensibilidade norteada por uma procura ou estética naturalista, tida como afim do realismo, que teve forte impacto em Portugal. 

 

03.04.2017

Joaquim Miguel De Morgado Patrício