Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A FORÇA DO ATO CRIADOR

Acerca da ambiguidade.JPG

 

Acerca da ambiguidade na linguagem 

‘Language is always more or less vague, so that what we assert is never quite precise.’, Bertrand Russell no Prefácio de ‘Tractatus Logico-Philosophicus’ de Ludwig Wittgenstein.
 

Exprimir simplesmente, implica uma idealização e uma abstracção – associam-se formas a significados. A linguagem é composta por uma série de nomes/formas dependentes entre si que aparecem num determinado contexto. De acordo com Wittgenstein, toda a finalidade da linguagem é ter significado – um significado único, determinado, lógico e preciso. A linguagem é, deste modo, construída e mantém uma relação constante entre a estrutura da forma e a estrutura do facto da realidade. Através teoria do simbolismo, Wittgenstein declara que implicitamente o homem constrói imagens dos factos. E uma imagem é um modelo da realidade e também um facto em si. O que a imagem deve ter em comum com a realidade de modo a representá-la – correcta ou falsamente – é a sua forma.

Mas, na verdade, toda a linguagem é ambígua e vaga, porque um nome ou uma forma não reproduzem a realidade tal como ela é, pois se assim o fosse, não seria um nome ou forma mas a própria realidade. Wittgenstein afirma ainda que a expressão linguística apresenta-se como se fosse uma projecção geométrica. Uma figura geométrica pode ter diversas projecções, e cada uma das projecções corresponde a uma diferente linguagem, mas as propriedades projectivas da figura original mantém-se inalteráveis em qualquer das projecções adoptadas. E a ambiguidade em linguagem intensifica-se assim, com a questão da relação entre a expressão linguística, o conceito formal e a realidade. O que representam, então os nomes/formas, uma intenção, um conceito mental? 


O sentido das coisas. Como interpretamos?

Wittgenstein disse: ‘O sentido das palavras provém daquilo que fazemos e daquilo que somos. Ao buscar o sentido duma palavra, não olhem para dentro de vós. Olhem para a utilização dessa palavra no contexto da vossa vida.’

Uma das propriedades da linguagem está em poder associar mais do que um significado a uma única sequência linguística e só mediante determinado contexto se pode tornar claro qual deles é o significado visado. Ambiguidade existe sempre que a uma forma estão associados dois ou mais significados distintos – ´Não há apenas uma imagem do mundo, há muitos jogos de linguagens diferentes. Diferentes formas de vida e formas de fazer as coisas com as palavras.’, L. Wittgenstein. O número de significados associados a uma dada sequência linguística pode ser muito vasto em consequência da multiplicação de ambiguidades inerentes. Ambiguidade é uma propriedade intrínseca e difere de indeterminação (porque cada frase indeterminada tem um só significado, mas o significado deixa por especificar certas propriedades da situação real – as unidades de significação representam apenas alguns aspectos da realidade, deixando vagos todos os outros aspectos.)

A eliminação da ambiguidade inerente é provavelmente possível com o simples contexto pragmático – dada a situação e dado o conhecimento que se presume que o fruidor tenha. Desambiguar os mecanismos interpretativos passa pela exacta, verdadeira, oportuna, breve e ordenada quantidade de informação fornecida.

‘Tudo o que vejo se torna nas minhas formas e na minha condição.’, De Kooning

A linguagem implica discrepância entre o facto físico e o efeito psíquico, e implica o emprego da ambiguidade para se poderem explorar possibilidades formais. Contradição, paradoxo e ambiguidade são qualidades básicas na construção de uma linguagem – só assim se pode permitir espaço para a interpretação plural acerca da intenção.

O significado intencional tem por finalidade dar conta do êxito duma comunicação entre um emissor e um destinatário. Para que um discurso, dirigido por um emissor a um destinatário, possua um significado não só é necessário que a intenção do emissor seja objecto de reconhecimento por parte do destinatário, mas também que esse reconhecimento seja condição necessária à troca de informação a que o discurso dá lugar.

Sendo assim, a linguagem representa uma realidade – realidade essa que tem uma lógica própria. Através de imagens criadas pelo sujeito (que tentam manter intacta a lógica da realidade) forma-se um discurso. E o discurso não é a realidade em si mas uma realidade própria – aquilo que o emissor escolhe como real no seu discurso e aquilo que o destinatário apreende desse discurso. E assim a linguagem pode ser entendida na sua totalidade quanto mais contextualizada for.

 

Ana Ruepp

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.