Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A FORÇA DO ATO CRIADOR

   

William Scott e os objetos simples.

 

'It is in the act of making that the subject takes form, it is in the adding, stretching, taking away and searching for the right and exact statement that a tension is set up. I want to paint what I see but never immediately; there must be a time lapse, 'a waiting time' for the visual experience to become involved with all other experience.', William Scott

 

Em 1946, William Scott (1913-1989) pintou 'Mackerel with plate and paper'. Sarah Whitfield, no livro da série British Artists 'William Scott', escreve que num registo, que muito deve a Picasso e a Braque, Scott conseguiu, nesta pintura, construir uma natureza morta através de camadas pretas, brancas e azuis completamente planas e rigorosamente recortadas. Escondida debaixo do prato branco, a frigideira preta anuncia já a vontade em utilizar os objetos mais simples como veículos para chegar a uma linguagem cada vez mais simplificada.

 

'Black was a colour I was fond of and I possessed at that moment a very black pan. That's why I paint objects completely without interest. They convey nothing. There is no meaning to them at all but they are a means to making a picture.', W. Scott

 

Na pintura 'Table Still Life', de 1951, Scott revela ter concretizado a mais completa e sensual ligação entre forma e espaço (Whitfield escreve ainda: 'The painting looks austere, but when seen close up, the layering of pure whites and dirty whites reveals that sensuousness of touch.'). O artista sempre desejou que as naturezas mortas tivessem as características humanas de uma pintura figurativa. A planicidade de uma pintura é também muito importante para Scott, porque traz as referências da arte primitiva, da arte Bizantina, de Giotto e de Cézanne. 

 

Tal como, na pintura 'The Harbour', Scott utiliza uma paleta monocromática - ao limitar o uso da cor aos pretos e cinzentos o artista anseia por uma noção espacial mais profunda. Scott não queria que as suas pinturas fossem uma simples coleção de objetos relacionados espacialmente, mas que antes fossem um único objeto com uma presença de totalidade. Estas composições mais estilizadas são possíveis porque Scott permite uma cada vez maior libertação em relação ao objeto e trabalha sobretudo com a imaginação. 

 

A partir de meados dos anos cinquenta, Scott afirmava viver rodeado pelos objetos que pintava, porém esses objetos funcionavam somente como presenças esculpidas que o observavam.

 

Ana Ruepp

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.