Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO


LXXXII - LÍNGUA GLOBAL E DE COMUNICAÇÃO GLOBAL


Ser língua global não é sinónimo de língua de comunicação global ou internacional.


O português é uma língua global e pluricontinental, disseminado territorialmente pela África, América, Ásia e Europa, o que significa que é um idioma falado por países e comunidades que o têm como idioma materno, veicular ou oficial em vários continentes.    


Mas ser um idioma em circuito fechado, sem extravasar os falantes indígenas ou nativos, não conduz a que uma língua seja tida como de comunicação global, já que, para tanto, é necessário que os seus utilizadores estejam para além dos seus limites territoriais enquanto língua nativa ou oficial.     


O inglês não é uma língua de comunicação global ou internacional porque é falado no Reino Unido, nos Estados Unidos da América, no Canadá, na África do Sul, na Austrália, onde é língua materna e oficial, o que faz dele uma língua global. 


O que o torna uma língua de comunicação global é ser falado por portugueses, espanhóis, franceses, alemães, japoneses ou chineses. O mesmo sucede com o português, francês, chinês ou japonês.  


Para o Instituto Camões, “A presença do ensino de português no mundo deve ser avaliada preferencialmente pelo número de cursos e de alunos de português e não pelo número de professores portugueses deslocados no estrangeiro. É a capacidade de o impormos como língua veicular de várias culturas e políticas que importa”


O que nem sempre é feito, ou é-o muito deficientemente, em que a ausência de política também é uma política, entregando-a à natureza das coisas.     


A maioria da importância atribuída à língua portuguesa não resulta sobretudo de Portugal, mas do peso dos países que a falam.   


Por exemplo, o português, em Macau, não tem um futuro de permanência espontânea, porque a comunidade portuguesa aí residente tende a diminuir ou a extinguir-se, o mesmo sucedendo com os luso-descendentes. O interesse pelo qual a China aí fomenta a sua aprendizagem e o seu ensino, relaciona-se com os países ex-colonizados por Portugal, nomeadamente o Brasil, promovendo o português a língua de trabalho e de comunicação global ou internacional.

 

11.06.2021
Joaquim Miguel de Morgado Patrício