Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

BENTO XVI: O PAPA QUE ABDICOU

  

 
Tive uma vez um breve encontro com ele em Roma. A impressão que me ficou: um pessoa agradável, afável, reservada e tímida. E pude aperceber-me também da importância decisiva que tinha para ele o que se pode chamar a “pastoral da inteligência”, isto é, a reflexão sobre o diálogo entre a razão e a fé.


Joseph Ratzinger também teve o seu momento de rebeldia e de progressismo, no Concílio Vaticano II, como aqui expliquei em múltiplas crónicas,  concretamente em 2020, em cinco textos sobre “Bento XVI. Uma vida”. Não se deve esquecer o que, imagino, foi para ele, mais tarde, um escândalo: defendeu a possibilidade de pôr fim à lei do celibato obrigatório e ordenar como padres homens casados exemplares bem como de recasados poderem aceder à comunhão. Chegou a dizer nas aulas, em Tubinga: “em Roma, como sabem, não se faz boa Teologia”.


Durou pouco tempo este posicionamento. A sua orientação teológica agostiniana — Santo Agostinho não tinha em muito  boa consideração o mundo — inclinava-o mais para uma visão conservadora, místico-espiritual da Igreja. A mudança teve como ponto decisivo o medo dos excessos de 1968, com as transformações que então se puseram em marcha nos domínios da concepção da autoridade, da sexualidade, do radicalismo ateu de estudantes de Teologia, da “ditadura do relativismo”...


Reconhecido pela sua inteligência brilhante e uma rara cultura — dialogou com grandes intelectuais ateus e agnósticos, incluindo o filósofo Jürgen Habermas —, foi mais um intelectual e um professor do que um pastor, gestor. As circunstâncias fizeram com que ele, essa figura afável, tímida, honesta e  íntegra deixasse a vida académica, se tornasse arcebispo de Munique, seguisse para Roma como “inquisidor”, condenando muitas dezenas de teólogos, o seu maior pecado, participasse no retrocesso em relação ao Concílio, a ponto de o seu colega como perito conciliar, talvez o maior teólogo católico do século XX, Karl Rahner, terminar os seus dias com a mágoa da entrada no “inverno da Igreja”.  Não creio que o desejasse, mas acabou por ser eleito Papa — aquando da eleição, lembrou-se, disse-o ele, da guilhotina.


Não era um teólogo inovador, mas deixa uma obra teológica importante, nomeadamente, três encíclicas: a primeira, para dizer que a verdadeira “definição” de Deus é que é Amor; a segunda, para convocar os cristãos e todos os homens à esperança; a terceira é sobre “a caridade (o amor) na verdade”. Nela, condena as posições neoliberais, cujo único objectivo é o lucro;  reafirma a doutrina essencial de que a economia e o desenvolvimento só são verdadeiros se estiverem ao serviço do Homem todo e de todos os homens; que, em ordem ao seu correcto funcionamento, a economia precisa da ética, “uma ética amiga da pessoa”; que, para conseguir o governo da economia mundial, o desarmamento, a segurança alimentar e a paz, a salvaguarda do meio ambiente e a regulação dos fluxos migratórios, “urge a presença de uma verdadeira Autoridade política mundial, que deverá ser reconhecida por todos, gozar de poder efectivo para garantir a cada um a segurança, a observância da justiça, o respeito dos direitos”.


Ideia nuclear foi a do diálogo entre a fé e a razão. A fé, sem a razão, é cega e intolerante; a razão, sem a abertura à transcendência, pode enlouquecer. No cristianismo, acolhe-se a fé, dando lugar à descoberta do “Deus que é Razão criadora e ao mesmo tempo Razão-amor”. Aí está o vínculo indissolúvel entre Razão, Verdade e Bem.


Na Sexta-Feira Santa de 2005, ainda cardeal, declarou: “quanta porcaria na Igreja! A traição dos discípulos fere mais Jesus”. Referia-se certamente ao escândalo da pedofilia — removeu cerca de 400  padres culpados de abusos contra menores —, à figura sinistra do padre Maciel, fundador dos Legionários de Cristo, ao que se passava na Cúria. Quando assumiu funções como Papa, foi exemplar, pondo Maciel fora da vida pública, pedindo perdão às vítimas da pedofilia e tomando medidas drásticas e consistentes para que os crimes não se repitam.


Não conseguiu reformar a Cúria nem pôr termo às intrigas, ao carreirismo, às lutas pelo poder, aos escândalos, desde a corrupção à lavagem de dinheiro no Banco do Vaticano, ao Vatileaks. Sem forças “no corpo e no espírito”, abdicou, “em consciência e plena liberdade”, para que outro lhe sucedesse.


Foi talvez a lição maior de Ratzinger enquanto Papa. Houve quem o criticasse, também dentro da Igreja e pensando em João Paulo II: que não se desce da Cruz e que dessacralizou o papado. Mas, afinal, o Papa é mais do que um homem? Não se trata tão-só de um cristão que leva consigo a específica missão gigantesca de ser sinal e promotor de unidade entre os cristãos e a Humanidade?


Este foi o seu testamento: abandonou pacificamente o poder. Porque na Igreja, como aliás no mundo em geral, é preciso escolher entre o poder como dominação e a força do serviço. O Deus cristão não se revela como Poder-Dominação, mas Força Infinita de criar, no Amor. Bento XVI leu e recomendou que todos os Papas lessem a famosa carta de São Bernardo ao Papa Eugénio III: “Não pareces um sucessor de Pedro, mas de Constantino.”.


Retirou-se para o Mosteiro Mater Dei, no Vaticano, afirmando sempre, contra alguns cardeais opositores, que agora o Papa era Francisco, que na homilia do funeral, se despediu, citando-o: “Ser  pastor quer dizer amar, e amar quer dizer também estar dispostos a sofrer.” E agora? (continua).

 

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 14 de janeiro de 2023