Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CADA ROCA COM SEU FUSO…

 

A FANTÁSTICA OFERTA DO MAGNÍFICO PARA O PRÍNCIPE PERFEITO…
30 de abril de 2019

 

Faz no dia 2 de maio 5 séculos, se não contarmos o salto de 11 dias de 1582, em que se passou do calendário juliano ao calendário gregoriano, que o grande Leonardo morreu. Tenho por ele uma admiração incomensurável. Impulsionado pelo texto de Alexandra Carita no último “Expresso”, estive hoje toda a manhã à sua conta na minha biblioteca, subi e desci a escada e encontrei muito do que desejava sobre Florença e sobre Portugal. Tenho uma grande paixão por Florença. Considero que San Miniato al Monte é a fronteira do Paraíso. E descobri o que desde miúdo desconfiava, que o nosso D. João II (1455-1495) foi o modelo de Lourenço de Médici, e por isso este encomendou a Leonardo da Vinci (1452-1519) para oferecer ao Príncipe Perfeito uma tapeçaria de Flandres. O caso parece ter pouca importância, uma vez que a tapeçaria em ouro e seda nunca chegou a ser executada, no entanto o episódio significa muito sobre a admiração que Lourenço, o Magnífico votava ao nosso Rei. Aliás, quando lemos «O Príncipe», dedicado por Maquiavel ao Magnífico, não podemos deixar de associar o modelo escolhido pelo pensador italiano ao monarca português. Ora, mais de cem anos depois de o cartão não ter seguido para a Flandres, permanecendo na cidade do Arno, o certo é que estava em casa de Otaviano de Médici – e a partir de então não mais se conheceu o seu paradeiro. Giorgio Vasari (1511-1574) fala de Leonardo e da célebre encomenda: “Foi-lhe pedido um cartão de tapeçaria, retratando a expulsão de Adão e Eva do Paraíso, que deveria ser feita na Flandres e depois enviada ao Rei de Portugal. Leonardo trabalhou o pincel com claro-escuro, irradiando de branco, um campo de ervas infinitas e alguns animais. Pode dizer-se que certamente, em diligência e naturalidade, nenhum divino intelecto possa imaginar igualar-se a este”. Vasari, o grande crítico e historiador de arte diz ter visto o cartão e descreve-o: “Há uma figueira, folhas e ramos executados com muito cuidado que a mente se deslumbra só de pensar como um homem poderia ter tanta paciência para o fazer. Há também uma palmeira executada cada dia com mais grandiosidade e maravilhosa arte, impossível de fazer se não fosse a paciência e a mente de Leonardo. Esta obra não foi terminada e encontra-se em Florença na afortunada casa do magnífico Otaviano Médici, doada não muito tempo depois de concluída pelo tio de Leonardo”. E ainda li em Vasari: “Além de uma beleza de corpo que nunca será suficientemente enaltecida, havia uma graça infinita em todas as suas ações, e o seu génio era tal, e de uma natureza tal, que fossem quais fossem as coisas difíceis a que se dedicasse, facilmente as resolvia”. É um deleite ler as apreciações de Giorgio Vasari em “As Vidas dos mais Excelentes Pintores, Escultores e Arquitetos” (tenho a edição de 1568)… Fui ainda recordar a representação de “Rapariga lavando os pés a uma criança” (1480), que está na Faculdade de Belas-Artes do Porto, e recordei a confissão do grande Francisco de Holanda sobre ter na sua livraria um esboço de Leonardo: “Busto de Homem grotesco de perfil”…  É bom pensarmos como Lourenço de Médici só em Leonardo encontrou o digno artista para homenagear o mais completo dos Reis contemporâneos…

 

E depois de ter lembrado este bizarro episódio, não resisto à tentação de reproduzir uma fábula que encontrei, nas minhas andanças, da autoria do próprio Leonardo da Vinci – que bem merece uma meditação serena…   

 

«A Borboleta e a Chama

Uma borboleta multicor estava voando na escuridão da noite quando viu, ao longe, uma luz. Imediatamente voou naquela direção e ao aproximar-se da chama pôs-se a rodeá-la, olhando-a maravilhada.

Como era bonita!

Não satisfeita em admirá-la, a borboleta resolveu fazer o mesmo que fazia com as flores perfumadas. Afastou-se e em seguida voou em direção à chama e passou rente a ela.

Viu-se subitamente caída, estonteada pela luz e muito surpreendida por verificar que as pontas de suas asas estavam chamuscadas.

“Que aconteceu comigo?” – Pensou ela.

Mas não conseguiu entender. Era impossível crer que uma coisa tão bonita quanto a chama pudesse causar-lhe mal. E assim, depois de juntar um pouco de forças, sacudiu as asas e levantou voo novamente.

Rodou em círculos e mais uma vez dirigiu-se para a chama, pretendendo pousar sobre ela. E imediatamente caiu, queimada, no óleo que alimentava a brilhante e pequenina chama.

- Maldita luz! – murmurou a borboleta agonizante – Pensei que ia encontrar a felicidade e em vez disso encontrei a morte. Arrependo-me desse tolo desejo, pois compreendi, tarde demais, para minha infelicidade, o quanto a chama é perigosa.

- Pobre borboleta! – respondeu a chama – Eu não sou o sol, como a borboleta tolamente pensou. Sou apenas luz. E aqueles que não conseguem aproximar-se de mim com cautela, são queimados.

Esta fábula é dedicada àqueles que, como a borboleta, são atraídos pelos prazeres mundanos, ignorando a verdade. E quando percebem o que perderam, já é tarde demais».

 

Agostinho de Morais