Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA


Minha Princesa de mim: 

 

  Voltando aos místicos carmelitas espanhóis, deixo-te um poema de Santa Teresa de Ávila, que também com livre cumplicidade traduzi. Compô-lo a madre carmelita - boa prosadora, mas menos lírica, mais linear, sem a intuição poética de João da Cruz, por aí se diz, mas pensossinto eu, arrebatadora nestas três sextilhas sobre uma glosa que rezava assim:

 

                                                             Vivo sem viver em mim,

                                                             e com tal pressa espero,

                                                             que morro por não morrer.

                      

 

                    Vivo bem fora de mim,

                    desde que vivo de amor,

                    porque vivo no Senhor,

                    que para si me quis assim:

                    dei-lhe o coração inteiro,

                    nele posto este letreiro:

                    ai que morro por não morrer!

 

                    Esta divina prisão

                    do amor com que me vivo

                    fez de Deus o meu cativo,

                    e livre o meu coração.

                    E causa-me tal paixão

                    ver Deus na minha prisão...

                    que morro por não morrer!

 

                    Ai que longa é esta vida!

                    Que duros estes desterros,

                    este cárcere, estes ferros,

                    em que a alma está metida!

                    Só de esperar pela saída

                    me vem uma dor tão ferida...

                    que morro por não morrer!

                                                                                        

Camilo Maria

 

Camilo Martins de Oliveira