Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICA DA CULTURA

POR OCASIÃO 

 


Conheço uma árvore podada que ficou muito menos frondosa, mas ganhou em viço.

O escritor olhava-a e sempre que o texto lhe parecia acabado, alterava-o, revisitava outros países num tempo rápido e voltava a olhar para a árvore.

Como explicar? A árvore despertava-lhe um poder de fruição de expectativas, de desempenhos, de diferentes eixos de narrativas e uma profunda curiosidade de lhe entender o viço, de lhe seguir o fio que a levava ao desvendamento da sua razão.

O escritor pensava mesmo se não haveria textos que nunca se concluiriam por não encontrarem o itinerário do viço depois de podados.

E insistia. E naufragava. E olhava de novo para a árvore.

Havia entre eles um romance inacabado, algo indecifrado, algo inesperado que solicitava o escritor como num campo magnético e o mobilizava naquela química literária do interpretar poda e viço.

Não se imagina a libertação do escritor quando num espaço-tempo no frequentar da árvore, conseguiu enfim reconstruir uma epistemologia, e não encontrando outro ser vivo da sua espécie, soube que a árvore o entendera.

Intentou então o escritor ir além dele, exercendo a literatura no aceitar o preço da poda e da condição aleatória que lhe coube.

Árvore e escritor, uma hipótese, uma aventura, um preceder da entrada em cena da escrita, um processo de caução aos vários avatares.


Teresa Bracinha Vieira