Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICA DA CULTURA

 

Ativam-se ou desativam-se mercados, alteram-se o valor das moedas, animam-se as balanças de pagamentos entre estados, sobretudo atentos à consumação do consumo, nada se passa sobre a verdadeira informação do para onde o mundo inteiro converge, oblitera-se a referencia aos homens, vendem-se armas ao soberbo lucro das guerras e regenerada, a violência, é esta sempre oferecida como espetáculo, ou a fome ou a sede, grande escândalo do tempo presente não fosse tida como natural decorrência do funcionamento da coisa humana.

 

A sociedade do simulacro é venerada por quem desejando ser senhor - mas com veia de escravo – germina em si invejas e cobiças e mesquinhez mescladas de instantâneos de generosidades que instauram cenários desta paz perpétua, onde se joga na venda e na compra da alma, quando até a dimensão trágica da morte é banida ou a vida intoxicada já nem sequer dessa realidade se pode dar conta.

 

Em rigor, uma força terrificante, manipula a multidão subvertida por um desejo não questionador que faz dela escrava dos escravos, perseguida e perseguidora do que mendigam sofregamente, fingindo detestar ou ser alheio, sequer, dos meandros do seu próprio organismo que o torna gregário de si e dos mesmos a si iguais.

 

Volta a existir um e outro dia, uma e outra hora, em que se recusa o paraíso artificial em que é suposto viver o intoxicado, de preferência sem grande brado, contra o sem sentido de uma existência de equívoco, afinal.

 

O grande desafio não dito, é o da decifração e do entendimento do que ela expõe.

 

A liberdade está excluída de quem afirma que ela é sim aferida pelo que se tem.

 

As gentes são tratadas por um potente motor de plástico como se tivessem órgãos de plástico, direitos de plástico, cultura de plástico, identidade de plástico, raízes e pátrias de plástico, não lhes sendo concedida a permissão de viver em caminho diferente daquele que serve ao declínio.

 

Será de repetirmos com René Char

 

«Certas épocas da condição do homem sofrem o assalto gelado de um mal que procura apoio nos pontos mais desonrosos da natureza humana.»

 

Teresa Bracinha Vieira