Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICA DA CULTURA

 

Espreitou pelo bocal da ânfora inclinando a cabeça para o interior do vaso: lá dentro o que em tormento sonhara vígil, a confirmação do que suspeitara no quase antes do adormecer.

 

Agora, o alerta vencia o sono.

 

Lá dentro, eram inúmeras as gentes em afazeres iguais, executantes de cidades e de países, todos sob um líquido translúcido e pegajoso, todos a correrem em círculos para o mesmo lado, numa obediência sem limite a quem.

 

Todos se pisavam violentamente uns aos outros para que diminuíssem o número daqueles a vigiar e também daqueles que quase tinham saído do líquido e que deveriam voltar a entrar para mais fundo ainda, não sem que antes passassem pela antecâmara que lhes sugaria a réstia de ar, liquidando-os definitivamente.

 

Dos círculos sobressaíam máscaras que tapavam os rostos de quem ali se acoitava como testemunha do que se passava. Assim e afinal estavam marcadas estas gentes. Confirmava-se tudo o que suspeitara.

 

O que lhes aconteceria? Seriam despersonalizadas? Teriam destino expiatório?

 

Olhou uma segunda vez para dentro da ânfora. Vendo sem ser visto. Os guardas da entrada estavam apenas atentos ao interior.

 

Contudo, receava as micro-câmaras que, dissimuladas, e sem sono, tudo registavam, concentradas no que se jogava, e aptas a quebrarem sempre duas asas de cada vez, lá onde se decidia o absolutismo do poder.

 

Teresa Bracinha Vieira