Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICAS PLURICULTURAIS

 

76. ESPIRITUALIZANDO E AMANDO AS COISAS 


Amamos qualquer coisa na medida em que ela parece ser nossa.


Há afeto à casa, terra e país onde nascemos, lugares de brincadeiras da nossa meninice, onde crescemos e vivemos, à escola onde aprendemos a ler, escrever e contar. 


Às árvores e flores que plantámos, aos livros que amamos, com amizade e valor estimativo proporcional à associação de ideias, imagens, memórias, recordações felizes e cruciais na nossa vida.  


Às vezes é no meio do silêncio e da solidão que o descobrimos. 


O impulso humano para a ação, carregada de adrenalina e emoção, são uma fuga para a nossa angústia, interrogação e certeza da nossa mortalidade, fazendo com que, tantas vezes, não haja tempo para espiritualizar e amar as coisas que nos rodeiam.


O amor e a amizade por elas, nasce de um contacto, mesmo que apenas imaterial e através da memória.  


Há em nós um animismo que nos leva a atribuir alma às coisas inanimadas. 


Mesmo aquele que não é afetuoso ou sensível cria, anima e espiritualiza amizade e amor às coisas que lhe são aprazíveis e úteis. 


Às vezes é na ausência das coisas que bem-queremos que sentimos a sua falta.


O imperativo da sobrevivência obriga-nos a correr para a agitação, a responsabilidade e stresse quotidiano, mas há que priorizar regras e outros interesses que nos ajudem a manter o sentido das proporções. 


Ao termos consciência da brevidade da vida humana, devemos consagrar amizade e amor ao que nos envolve e coabita connosco, compreendendo melhor tudo o que tem valor no universo que conhecemos, promovendo interesses subsidiários além daqueles que representam o centro nuclear da nossa mundividência. 


Incluindo espiritualizar e amar os objetos, como os livros, que não envelhecem, que são migratórios, fiéis, firmes e leais, em que o mesmo que dizem hoje, dirão amanhã ou daqui a anos.


Por vezes é no meio do silêncio e de um olhar, que ocorre em qualquer lugar.      

    

28.05.2021
Joaquim Miguel de Morgado Patrício