Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CRÓNICAS PLURICULTURAIS

 

28. FALAR COM RODEIOS

 

Os menores tornaram-se crianças e jovens.   
Os ladrões, gatunos ou larápios passaram a amigos do alheio.   
Os pretos tornaram-se negros, pessoas de cor e africanos.   
Os velhos passaram a idosos, anciãos, terceira idade, seniores e senadores.
Interditos e inabilitados são agora beneficiários ou acompanhados.
O seu interrogatório (estigmatizante?) passou a audição.
O tutor é acompanhante.   
O marido passou a esposo, cônjuge e parceiro.
A mulher passou a esposa, cônjuge e parceira.     
As hospedeiras são assistentes de bordo.   
Os cegos passaram a invisuais. 
Carecas a calvos. 
Os gordos a obesos.   
Carecas, cegos, desdentados, surdos e mudos a portadores de deficiência.         
O chumbo passou a reprovação, eliminação, exclusão, não admissão e retenção.
A aprovação a admissão, aceitação, integração e inclusão.
O patrão tornou-se chefe e empregador. 
O trabalhador passou de subordinado a colaborador.     
Os despedidos passaram a dispensados, colaboradores dispensados ou cessantes.
Professor passou a docente.   
Aluno a estudante e discente.
Destruir a descartar.   
Casas de pasto a restaurantes.   
Retrete a casa de banho e sanitários. 
O sexo passou a género.
Prostitutas, prostitutos, gigolos, poliamores a trabalhadores de sexo. 
Falamos com rodeios. 
Com perífrases.   
Queremos ser perifrásticos.
Com expressões não frontais, por vezes barrocas, elitistas e tribais. 
Pretendendo ser neutras, inócuas, inofensivas, civilizadas e tolerantes.
E politicamente corretas.   
Querendo marcar a diferença entre a barbárie e a civilização?   
Como sinal da nossa tolerância para com o Outro? 
Ou pelo medo de usar palavras que se convencionou serem minimais e estigmatizantes?  

 

 

14.05.2019
Joaquim Miguel de Morgado Patrício