Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

LONDON LETTERS

 

A Very British Royal Wedding, and a pot of ale, 2018

 

O casamento do Prince Harry of Wales e Meghan Markle revive o ornamentalismo monárquico em Windsor e atualiza o Cinderella Tale nos nossos dias, uma variante moderna da antiquíssima estória helénica de Rhodopis, que nos é legada pelo grego Strabo, na Geographica, pelo romano Aelian, na Miscellaneous, e ainda pelo ilustre Herodotus, nas Histories, envolvendo umas desde então famosíssimas… sandálias egípcias. — Chérie! Dieu ― lui aussi ― le veut.


A tecnologia globaliza os eventos, mas as old rules da comunicação resistem. Nada como um belo dia, solar, com as atenções focadas no Royal Wedding, para sepultar bad news. Entre o vozear para a reforma da House of Lords, após as derrotas governamentais em torno da Brexit Law, a Prime Minister Theresa May designa 9 novos pares do reino. HM Government dá também discreta luz verde à compra da Sky pela Comcast, um ajuste de €21b que envolve a Sky News e a Fox News. — Hmm. God bless the Dukes of Sussex. Nos demais public affairs reina igual sentido da ocasião. A Scotland First Minister RH Nicola Sturgeon prepara um novo referendo sobre a independência. A Brexit é o tema de uma conferência, em Lisboa, pelo European Union Chief Negotiator Monsieur Michel Barnier. Washington rivaliza no éter. Com alguma fumarada sobre o Korean deal, a White House promete a mãe de todas as sanções económicas contra o Iran caso os imans retomem o programa nuclear.


Another bright day
at London. O sunny weekend é dominado pelo matrimónio dos arejados Dukes of Sussex. Que dizer da cerimónia de Saturday, na pequena St George’s Chapel do Castle of Windsor, por muitos no reino e à volta do globo visionada e comentada? A celebração foi linda, foi intimista e foi inclusiva – exceto para os políticos, muito poucos, de dentro ou fora do reino. Apesar da proximidade constitucional do noivo à Head of State, apenas lá deteto o ex PM John Major, a Chaplain da House of Commons RR Rose Hudson-Wilkin e o incontornável neto de Sir Winston Churchill, MP de Mid-Sussex e royalist dos quatro costados RH Nicholas Soames. O cerne da House of Windsor assiste em peso e em diversas gerações, Lá estão a Queen e o Prince Philip mais a mãe da noiva Ms Doria Ragland. O jovem casal aparece belíssimo, com toque de romântica candura. Tudo impecável, sincronizado, comme il faut. Até a data de 19th May é tão bem escolhida que alinha com a espantosa realidade dos 0% de probabilidades de chuveniscar medidos no Royal Borough de Berkshire (England) – e coincide ainda com o aniversariar pessoal. Harry & Meghan é uma união familiar altamente improvável, mas é também uma true love story.


O sorriso dos céus e da Royal House é claro e claríssimos são os votos de a long and happy life para o first royal mix-race wedding irradiados em Windsor. But, but, but… Para o Prince começa uma segunda etapa na carreira pública, após abdicar da profissão militar em frescos anos, agora direcionada para a diplomacia na Commonwealth e com a mulher que ama a seu lado; já para Her Royal Highness The Duchess é toda uma outra vida, plena de exigências políticas e recato social, distante do trabalho de atriz em séries norte americanas entrecortada pelo blogar de opiniões e adesões ao sabor das circunstâncias. O desafio começa com um statment em letra agigantada no royal website: “Proud to be a woman and a feminist.” Confesso temer que o fantasma da Princess Diana ande ainda pelo Kensington Palace, the couple's official residence. Aliás, se o título comum de Royal Kardashians se ouve em volta, tributo ao espectáculo dos rich and famous lifestyles, intranquila é mesmo a história do título real do Dukedom of Sussex of the United Kingdom of Great Britain and Ireland, criado em 1801 para o infante Augustus Frederick pelo King George III (Yes, that one! The also Duke and Prince Elector of Hanover that lost America), extinto desde 1843 e agora recriado por HM Elizabeth II para o filho mais novo do futuro rei seu filho.

Dramática, colorida e por etapas é a infindável novela do anti semitismo no seio do Labour Party do honorável Jeremy Corbyn. O antigo Mayor of London Ken Livingstone demite-se das fileiras partidárias, após 50 anos de trabalhismo e quase um triénio de acesa polémica. A decisão é hoje revelada pelo próprio e justificada com a vontade de não criar mais dificuldades ao Corbynism, Red Ken declara que a anterior suspensão por causa dos “comments about Hitler, is a distraction." Antecipa uma eventual expulsão por via do inquérito interno às suas famigeradas teses sobre as políticas hebraicas do Nazism e revisionismos afins. Inicialmente datadas de 2016, mas amiúde repetidas entre a vitimação e o so sorry for that, nestas avulta o argumento do Kanzler Adolph ser um defensor do estado sionista: "He was supporting Zionism before he went mad and ended up killing six million Jews." A declaração, note-se, provém de um hard-leftist que continuamente protagoniza a contestação política a Israel. Mr Livingstone abandona agora a organização de Citizen Clem Attlee afirmando-se inocente: "I do not accept the allegation that I have brought the Labour Party into disrepute - nor that I am in any way guilty of anti-Semitism.”

A saída de cena deste líder trabalhista será apenas momentânea, se bem entendemos a personagem. Aliás, em matéria de ilustres has been, vêm aí de novo The Obamas. O casal Barack e Michelle O. acaba de selar um contrato com a Netflix, ora de valor desconhecido, para um pacote de filmes, documentários e seriados acerca da sua vida antes, durante e após a passagem pela White House. Elemento interessante é o antigo President e First Lady dos United States of America participarem na produção dos scripts. O casal igualmente tem fechado o acordo para a publicação em livro das memórias políticas, com um cheque de $65 million escrito à cabeça pela Penguin Random House, Meanwhile, algures entre os programas de Mr David Letterman e o comentário corrente sobre os public affairs, a dupla vai tornando-se uma presença habitual nos écrans televisivos dalém oceano, — Well. Please, not so fast. Remember that drink line of Master Will in Henry V, when the King is preparing the attack against the French at Agincourt: — “Would I were in an alehouse in London! I would give all my fame for a pot of ale, and safety.”

 

St James, 21st May 2018

Very sincerely yours,

V.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.