Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

MAIS 30 BOAS RAZÕES PARA PORTUGAL

 

(I) AREIAS DE PORTUGAL


Conta-se que o velho Jorge de Albuquerque Coelho, vindo de Pernambuco, de idade muito avançada, se sentava em frente ao mar para contar a sua história: "Lá vem a nau Catrineta, que tem muito que contar. Ouvi, agora, senhores, uma história de pasmar...". Segundo Almeida Garrett, que recolheu o romance popular, A Nau Catrineta baseia-se no Naufrágio que passou Jorge de Albuquerque Coelho, vindo do Brasil, no ano de 1565, relatado na “História Trágico-Marítima”.  Refere-se a lenda à nau “Santo António”, saída de Pernambuco com destino a Lisboa, levando a bordo o filho do fundador do Recife.  Pouco depois de deixarem terra, avistaram um navio corsário francês, que pilhava as naus naquelas paragens. A abordagem dos piratas foi eficaz e a nau foi saqueada de todos os seus haveres e deixada à deriva. Os tripulantes foram morrendo de sede e de escorbuto e os que sobreviviam sabiam-se condenados (“já não tinham que comer / já não tinham que manjar”).  O desespero apoderou-se dos marinheiros (“deitaram sortes à ventura / qual se havia de matar”; “logo foi cair a sorte / no capitão-general”). Os ânimos estavam muito exaltados (“vejo sete espadas nuas / que estão para te matar”). E Jorge de Albuquerque Coelho levantou-se, aconselhando calma e apelando à dignidade de homens. Os tripulantes serenaram, enquanto a nau continuava à deriva. Por fim, foram avistadas areias de Portugal (“já vejo terras de Espanha / areias de Portugal. / Mais enxergo três meninas / debaixo de um laranjal; / uma sentada a coser / outra na roca a fiar, / a mais formosa delas/ está no meio a chorar”). Mas eis que o demónio se alevanta – “Capitão, quero a tua alma / para comigo levar”. Nem filha, nem corcel, nem Catrineta - “Que queres tu meu gageiro / Que alvíssaras te hei de dar?”. “Capitão quero a tua alma / para comigo levar”. E responde o comandante “Renego de ti demónio / Que me estavas a tentar / A minha alma é só de Deus, / O corpo dou eu ao mar”. E desenha-se o epílogo: “Tomou-o um anjo nos braços / Não no deixou afogar / Deu um estouro o demónio / Acalmaram vento e mar”. “E à noute a Nau Catrineta / estava em terra a varar”… Os elementos do poema permitem identificar, assim, a nossa alma - e as “areias de Portugal” constituem o que nos caracteriza, de modo que o mar é em simultâneo fronteira e horizonte, chegada e partida, lírica e tragédia – e assim razão de ser da persistência da independência do território e da pátria.

 

GOM

 >> Mais 30 Boas Razões para Portugal no Facebook