Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

NOVA REFERÊNCIA A VENTURA TERRA NO CENTENÁRIO DA SUA MORTE

 

Em diversos artigos, e designadamente no anterior, evocamos Ventura Terra (1866-1919) como arquiteto de edifícios vocacionados para o espetáculo teatral. Nesta celebração do centenário da sua morte, é oportuno pois referir o Tetro Politeama, e por diversas e óbvias razões.

 

Desde logo, por se tratar de projeto arquitetónico de excecional qualidade, como aliás são todos os que Ventura Terra criou. Mas neste caso concreto, é um teatro que, em boa hora, se mantém em plena atividade, marcando desde a origem a vida cultural de espetáculo de Lisboa: é teatro, como tal foi concebido, mas durante décadas funcionou como cinema, e conciliou essas atividades alternadamente dominantes com toda a abordagem das expressões de cultura e de arte. Quantas vezes lá se realizaram concertos e outros espetáculos musicais!

 

Mas mais: inaugurado em 1912, este Teatro-Cinema Politeama, não obstante as alterações no interior, desde logo se impôs pela imponência da fachada e pela harmonia da sala de espetáculos Sendo certo que aí se registaram alterações: e aqui evocamos as frisas.

 

Mas no conjunto, a sala tal como hoje se encontra, permite a justíssima evocação da sua qualidade, notável desde a origem. E nesse aspeto, justifica-se a referência à decoração do teto e da própria sala, projetos de Veloso Salgado e de Benvindo Seia. 

 

Vale a pena recordar alguns dados históricos do Politeama e a tradição cultural que trouxe até hoje. Basta enumerar os autores que lá foram representados, e os atores que os representaram: e reportamo-nos apenas e tão só a nomes que hoje constituem património “histórico”...

 

Pois, sem querer entrar em notícias mais recentes, aqui lembramos que pelo Teatro Politeama passaram, trabalharam e fora aplaudidos artistas como Amélia Rey Colaço, Ângela Pinto, Adelina Abranches, Aura Abranches, Palmira Bastos, Chaby Pinheiro, Vasco Santana, Laura Alves...

 

E foram representados textos de D. João da Câmara, Raul Brandão, Alfredo Cortez, Ramada Curto... e aqui só evocamos, propositadamente, nomes que são “históricos” no teatro português!

 

DUARTE IVO CRUZ

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.