Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

O PAPA FRANCISCO VAI RESIGNAR?


A notícia percorreu mundo e nenhum dos grandes meios de comunicação social internacionais terá ignorado a notícia sobre a possibilidade de o Papa Francisco resignar em breve, abrindo caminho à sua sucessão à frente da Igreja Católica. Isso concretamente a partir do momento em que foi visto numa cadeira de rodas e em que se viu obrigado a adiar a sua viagem nos princípios de Julho à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul.


Para os rumores sobre a renúncia contribuíram sobretudo três factores.


Em primeiro lugar, sabe-se que Francisco está doente, sofre concretamente de dores no joelho da perna direita, que o impedem de estar em pé e o obrigam a andar em cadeira de rodas e de bengala. Ora, ele próprio já dissera a propósito de uma operação ao intestino: “Sempre que o Papa está doente corre brisa ou furacão de conclave”; de qualquer forma, acrescentou, “não lhe tinha passado então pela cabeça renunciar.” De qualquer modo, já em 2014 afirmou que “Bento XVI não é caso único”, o que faz pensar que não exclui a resignação no caso de se sentir impossibilitado de exercer o cargo.


Outro fundamento para os rumores assenta em que durante as conversas de preparação para o conclave no qual Francisco foi eleito ficou claro que uma das tarefas essenciais para o novo Papa era uma reforma funda da Cúria Romana. Ora, essa reforma, preparada durante nove anos de ponficado, é o tema da Constituição Apostólica “Praedicate Evangelium (Pregai O Evangelho), que entrou em vigor no passado dia 5 deste mês de Junho. Levada à prática, poderá constituir uma  autêntica revolução na Igreja, já que deixa de ser uma Igreja auto-centrada, auto-referencial, para ser uma Igreja em saída, aberta ao mundo, uma Igreja que deixa de ser piramidal para ser uma Igreja sinodal, em que verdadeiramente todos participam, segundo o princípio: “o que é de todos deve ser decidido por todos”.


Por outro lado, Francisco convocou um consistório para a nomeação de 21 novos cardeais, 16 dos quais possíveis eleitores. Isto significa que, no caso de um conclave, a maior parte dos cardeais eleitores já são da responsabilidade de Francisco. Significativamente, este consistório para o qual estão convocados todos os cardeais realizar-se-á nos dias 27 e 28 de Agosto, também com a intenção de estudo e aplicação da nova Constituição. Para acentuar os rumores, Francisco anunciou que no dia 28 de Agosto participará na celebração do “Perdão”  em Áquila, no centro da Itália. Que tem de especial este anúncio? Essa celebração foi instituída por Celestino V, e é em Áquila que se encontra o seu túmulo. Ora, Celestino V é o Papa que, passados pouco mais de quatro meses de pontificado, renunciou ao cargo em 1294, retirando-se para uma vida contemplativa. Mais: por coincidência ou não, Bento XVI, pouco tempo antes de anunciar a sua resignação, também foi visitar o túmulo de Celestino V.


Entretanto, Francisco, apesar de ter adiado a viagem a África e ter cancelado, nesta passada Quinta-Feira, a Missa e a Procissão do Corpo de Deus, continua a trabalhar. As viagens anunciadas continuam na agenda, nomeadamente ao Canadá no final de Julho, onde quer pedir perdão a grupos indígenas maltratados pela Igreja Católica, e ao Cazaquistão em Setembro, também para poder, pensando na tragédia da Ucrânia, encontrar-se com Cirilo, Patriarca Ortodoxo de Moscovo... Por outro lado, dadas as resistências na Cúria — dizia recentemente Óscar R. Maradiaga, o cardeal que presidiu ao grupo de cardeais que prepararam a Constituição “Pregai o Evangelho”: “É preocupante: perante a reforma que a Constituição quer há uma greve de braços caídos na Cúria”  — Francisco, que já uma vez disse que é “mais difícil reformar a Cúria do que limpar a esfinge do Egipto com uma escova de dentes”, quererá discutir com o colégio cardinalício a necessidade da implementação da reforma. E certamente terá ainda a intenção de presidir ao Sínodo sobre a sinodalidade em Outubro de 2023.  


Depois, há convergência de opiniões, referindo que dificilmente Francisco renunciará enquanto Bento XVI viver. E pode-se pensar no Presidente Roosevelt que numa cadeira de rodas governou durante a Segunda Guerra Mundial. De qualquer modo, Francisco não está a pensar renunciar em breve. Os testemunhos de figuras muito próximas vão nesse sentido. Assim, Maradiaga veio esclarecer que “os rumores de renúncia são telenovela barata”, não passando de “notícias falsas”. Também Guillermo Marcó, ex-porta-voz de Francisco enquanto cardeal, declarou depois de um encontro recente: Francisco continua “com muito bom ânimo, superatento e conduzindo com energia e coragem a Igreja; para lá do problema no joelho, que está em pleno processo de superação, o Papa encontra-se perfeitamente bem e não está de modo nenhum a pensar em renunciar”.


Seja como for, mais tarde ou mais cedo, a renúncia virá. E é agora a ocasião propícia para pensar na situação em que fica um ex-Papa, não só quanto ao seu estatuto mas até do ponto de vista da residência, pois, por mais liberdade que o ex-bispo de Roma queira, não é fácil, pensando na responsabilidade em termos da sua segurança, encontrar um Estado disposto a acolhê-lo.


É evidente que o Papa Francisco foi e é uma bênção para a Igreja e para o mundo e a História não vai esquecê-lo. A pergunta é: quem se segue a partir de um conclave próximo?  Pessoalmente, gostaria que fosse o cardeal Luis Tagle, que vem da Ásia e segue as pegadas de Francisco.

 

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia
Artigo publicado no DN  | 18 de junho de 2022