Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

O TEATRO DE REVISTA EM PORTUGAL (VII)

teatro.JPG


ALFREDO CORTEZ, AUTOR DE DUAS OPERETAS?

Sem preocupações cronológicas rigorosas, mas com rigorosas exigências de qualidade, evocamos agora as duas peças musicadas de Alfredo Cortez: “Terra e Mar”, espetáculo episódico levado á cena, sob pseudónimo, no Teatro Foz (1918) e “S. Paio” manuscrito datado de 1922, que em parte incluí no estudo elaborado em 1983 para a edição do Teatro Completo de Alfredo Cortez (INCM). Aliás, os primeiros ensaios que publiquei sobre o teatro de Cortez datam de 1961, e posteriormente tive acesso a manuscritos rigorosamente inéditos, guardados num espólio familiar.

De notar que alguns desses textos não estão completos. Mas mesmo assim: o que resta designadamente do que se crê sejam cenas da “Terra e Mar” revela um sentido apurado de métrica e uma vocação cénica que se confirmaria desde logo em 1922, com a “Zilda” e com a restante obra dramatúrgica, seja em prosa ou em verso.

As  breves cenas atribuídas ao “Terra e Mar” assumem  uma ironia pícara sobre grandes figuras da politica da época, e sobre situações então de  atualidade, evocadas em personagens e quadros alegóricos revisteiros, de que damos um breve exemplo:

”Embriaguez – Tu que és a Pouca-Vergonha/ Tens de explicar-me, vem cá/Como é que a minha mamã/ É também o meu papá?

Pouca-Vergonha – Não percebes?

Embriaguez – Não percebo.

Pouca – Vergonha –Pois eu explico-te, pá/  Ela esperava casar/ E vai depois não casou/ Coitada, ficou de esperanças/ Só de tanto que esperou.

Embriaguez – Quem espera sempre alcança

Pouca Vergonha – Foi assim que ela alcançou…”

Na mesma edição de Teatro Completo, publiquei outro inédito de Alfredo Cortez que também pode indiciar uma “dramatização musicável”, perdoe-se o insólito da expressão… Trata-se de um manuscrito indicativo do Ato I de uma peça intitulada ”S. Paio”, da qual restaram breves cenas musicadas e uma vasta didascália que remete para algo de semelhante, no ambiente, ao “Tá-Mar” ou a “Ala Arriba”, textos dramáticos de Cortez como adiante referirei, pelo ambiente piscatório, aqui na ”Cambeia dos Cardosos, na Murtosa”, com detalhadas descrições da “aglomeração de barcos”.

Em cena, encontramos a “Micas Saleira, Carminda, Rosa Pita e outras campónias munidas de ancinhos (que) carregam em grandes carros de bois o junco que sai do barco”, e “Manuel Fé e João Embirra, tipos vulgares de moliceiros (que) descarregam o barco para a margem superior”. Segue-se uma descrição pormenorizada destes personagens.

E o que que restou do texto inculca um espetáculo de grande expressão musical: “antes de subir o pano ouve-se em bastidores um coro de raparigas e o assobio dos homens”. E o diálogo é interrompido por sucessivas cenas musicais, em coro ou a solo. Veja-se um exemplo:

“Cezília – Limpando as lágrimas e cantando a custo – Cum cachopo em cada braço…/ e outo ós pinchos no regaço/ Caze chegaste a nascer…/ Botê-me à quinta do Paço, /Derreada de cansaço/ Sem gêto de me mober!

Coro – Tarefa baldada!/ Na quinta do Paço/ Ninguem perca nada!

Cezília - Nem bender-lhes nada queria/ Qua canastra bai bazia/ E a benda tá acabada./ Fiu por uma belancia/ Quas topei noutro dia/ Da hgente quedar ougada!

Coro – Pois fostes em vão/ Na quinta do Paço/ Todos dizem: Não!”

A prosseguir este inédito incompleto, o menos que poderíamos dizer é que se estava perante uma obra cénico-dramática, quem sabe se um libreto de ópera ou um texto de revista…

Mas o que devemos então aqui lembrar é que o “Tá-Mar”, peça de Alfredo Cortez escrita em 1936 e ambientada na Nazaré  constitui, quase sem alterações o libreto da ópera homónima de Rui Coelho: e de Rui Coelho é também a música de cena do filme de Leitão de Barros “Ala- Arriba” (1942), com de argumento e diálogos de Alfredo Cortez.

DUARTE IVO CRUZ