Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

POEMS FROM THE PORTUGUESE

POEMA DE PEDRO SENA-LINO 

  


podes levar os dias…


podes levar os dias que trouxeste
os pássaros soterraram agosto
e sem lugar um homem cega pela janela
o mar que jura ter tocado com o sangue
podia ter sido o amor se não tivesse vindo
tão directamente da sede
um duplo rosto de enganos e os braços
que saíram desertos
o eco da morte reverbera na pele
com que vejo a tua ausência encher as ruas
um choro de papel cai pela terra
e nunca foi tão tarde ser depois
daqui onde o grito surdo incendeia
a refutação da madrugada
donde o crânio esmaga o coração
um homem corta pela janela
a própria certeza de ter sido
não é tarde demais para uma manhã
que foi a enterrar em tantas noites
as escadas morreram de sede
a terra caiu em nunca
podes levar os dias que trouxeste


in zona de perda – livro de albas, 2006


you can take back…


you can take back the days you brought
birds buried august
and a rootless man through the window
blinds the sea he swears to have touched with blood
it could have been love if it hadn’t come
so straight from thirst
a double faced mistrust and arms
turned to deserts
the echo of death resounds in the skin
that makes me see your absence filling the streets
paper tears fall to the ground
and belatedness was never so late
from here where the deaf scream sets
alight the refusal of dawn
from where the skull crushes the heart
a man cuts through the window
his own certainty of having been
it’s not too late for a morning
that was buried in so many nights
the stairs died of thirst
the ground fell into never
you can take back the days you brought


© Translated by Ana Hudson, 2010
in Poems from the Portuguese