Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

CAMILO CULTOR DA MEMÓRIA…

diario de agosto 31.jpg

 

TU CÁ TU LÁ

COM O PATRIMÓNIO

Diário de Agosto * Número 31

 

Chego ao fim deste Diário de Agosto. Muito ficou por dizer.

 

Hoje falo do Bruxo de Seide. Sim dum bruxo, que soube usar a língua e a narrativa como um modo de enfeitiçar… Camilo Castelo Branco é, por certo, o escritor português que mais sistematicamente cultivou o património e a memória. Ah, como é enganadora a sua fama! Profundo conhecedor do Portugal profundo, deu-nos nos seus romances um retrato rigoroso sobre as tradições, as angústias e as aspirações mais inóspitas e escondidas. Conheceu bem a Patuleia, nas suas diferentes componentes – desde o culto das tradições, das hostes do General Póvoas, à força incontida do inconformismo… E a sua biografia é um verdadeiro alfobre de temas que foi desenvolvendo e desconstruindo ao longo de um conjunto inumerável de títulos. Não se pense, porém, na superficialidade do escritor. Longe disso. Leitor insaciável, reunia informações e documentos, que conhecia como ninguém, e que faziam dele um dos nossos escritores mais cultos. É um caso singularíssimo na língua portuguesa. Longe do repentismo ou da facilidade, estamos perante um verdadeiro cultor das letras que se evidenciou ao saber aliar a um grande talento narrativo, uma capacidade de evocação única e a exigência de um profissional de primeira água, equiparável aos maiores de sempre, como Dickens ou Balzac… Alexandre Cabral fala, com razão, do «exemplo de um profissionalismo sem mácula, nesse estrito aspeto, que não foi ainda ultrapassado». Fialho de Almeida calculava a produção camiliana em cerca de 180 volumes e 54 mil páginas.

 

Aquando da prisão na Relação do Porto, no processo de Ana Plácido, D. Pedro V fez questão de visitar o romancista duas vezes, em novembro de 1860 e no final do Verão de 1861, com palavras de admiração, e, como corresse a notícia de que o monarca lhe mandara oferecer dois contos de réis, Camilo apressou-se a esclarecer e a desmentir: «Eu creio que o Sr. D. Pedro V é infinitamente delicado, e só dá esmolas a quem lhas pede. Quando S. M. me fez a honra de perguntar, na cadeia, em que ocupava, respondi a S. M.: que trabalhava. Ou o Sr. D. Pedro V entendesse que eu me ocupava em chapéus de palha ou em romances, ou em caixinhas de banha, a minha posição ficava defendida para o inteligente monarca: o homem que trabalha não pede nem aceita esmolas; e, se a pedisse ao rei, julgar-se-ia tão humilhado, como se a pedisse ao ínfimo dos homens». Estava em causa a hombridade e a direitura da sua dignidade.

 

Como escritor que se empenhava num verdadeiro drama quotidiano, confessa: «Eu inclinava o peito crivado de dores sobre uma banca para ganhar, escrevendo e tressudando sangue, o pão de uma família. A luz dos olhos bruxuleava já nas vascas da cegueira. E eu escrevia, escrevia sempre».

 

Oiçamo-lo então nas páginas inesquecíveis de “A Queda de Um Anjo”:

 

   «Fermentou na mente dos principais lavradores e párocos das freguesias do

   círculo eleitoral a ideia de levar ao Parlamento o morgado da Agra de Freimas.

   Os deputados eleitos até àquele ano, no círculo de Calisto Elói, eram coisas

   que os constituintes realmente não tinham enviado ao congresso legislativo.

   Pela maior parte, os representantes dos mirandeses tinham sido uns rapazes

   bem-falantes, areopagitas do café Marrare, gente conhecida pela figura desde o

   botequim até S. Carlos, e afeita a beber na Castália, quando, para encher a

   veia, não preferia antes beber da garrafeira do Mata, ou outro que tal

   ecónomo dos apolíneos dons.

   Em geral, aquela juventude esperançosa, eleita por Miranda e outros sertões

   lusitanos, não sabia topograficamente em que parte demoravam os povos seus

   comitentes, nem entendia que os aborígenes das serranias tivessem mais

   necessidades que fazerem-se representar, obrigados pelo regímen da

   constituição. Se algum influente eleitoral, prelibando as delícias do hábito de

   Cristo, obrigara a urna e o senso comum a gemer nos apertos do doloroso

   parto do paralta lisboeta, o tal influente considerava-se idóneo para escrever

   ao deputado, incumbindo-lhe trabalhar na nomeação de um vigário chamorro,

   ou outra coisa, que foi denominação de bando político, em tempo que a

   política não sabia sequer dar-se nomes decentes. Pois o deputado não

   respondia à carta do influente, nem o requerente sabia onde procurá-lo fora

   do Marrare. 

   Por muitos factos desta natureza conspiraram os influentes do círculo de

   Miranda contra os delegados do Governo; e a ideia de eleger o morgado foi

   recebida entusiasticamente por todos aqueles que o ouviram falar no adro da

   igreja, e por quantos tiveram notícias da sua parlenda.

   O partido, que o mestre-escola ganhara de eloquente assalto, cedeu ao império

   das razoáveis conveniências, e centralizou-se na maioria. A verbosidade,

   porém, do professor não ficou despremiada, sendo nomeado secretário da

   junta de paróquia.

   Resistiu Calisto de Barbuda tenazmente às solicitações dos lavradores, que o

   procuraram com o mestre-escola à frente, facto que muito honra este

   desinteresseiro e reportado funcionário. Neste encontro, o professor excedeu

   o juízo avantajado que ele propriamente fazia da sua vocação oratória.

   Mostrou as fauces do abismo escancaradas para travarem Portugal, se os

   sábios e virtuosos não acudissem a salvar a Pátria moribunda. Calisto Elói,

   enternecido até às lágrimas pela sorte da terra de D. João I, voltou-se para a

   esposa, e disse, como o agricultor Cincinato:

   — Aceito o jugo! Assaz receio, mulher, que os nossos campos sejam mal

   cultivados este ano.

   Estavam próximas as eleições.

   A autoridade, assim que soube da resolução do morgado da Agra, preveniu o

   Governo da inutilidade da luta. Não obstante, o ministro do Reino redobrou

   instâncias e promessas, no intuito de vingar a candidatura de um poeta de

   Lisboa, mancebo de muitas promessas ao futuro, que tinha escrito revistas de

   espetáculos, e recitava versos dele ao piano, cuja falta ou demasia de sílabas a

   bulha dos sonoros martelos disfarçava. Redarguiu o administrador do

   concelho ao governador civil que pedia a sua demissão para não sofrer a

   inevitável e desairosa derrota.

   Quis assim o Governo aliciar no círculo algum proprietário, que

   contraminasse a influência do candidato legitimista, fazendo-se eleger. Alguns

   lavradores, menos aferrados à candidatura de Calisto, lembraram à autoridade

   o professor de instrução primária, estropeando frases dos discursos dele,

   proferidos na botica. O administrador riu-se, e mandou-os bugiar, como

   parvajolas que eram.

   Por derradeiro, o governador civil fez saber ao ministério que os povos de

   Vimioso, Alcanissas e Miranda se tinham levantado com selvagem

   independência e tinham fugido com a urna para os desfiladeiros das suas

   serras.

   Pelo conseguinte, não pôde ser proposto o poeta, que, beliscado na sua

   vaidade, assanhou-se contra o Governo, escrevendo umas feras objurgatórias,

   as quais, se tivessem gramática à proporção do fel, o Governo havia de pôr as

   mãos na cabeça e demitir-se.

   À exceção de uma lista, o morgado da Agra de Freimas teve-as todas. A que

   não tinha o nome simpático aos eleitores votava em Brás Lobato, professor de 

   instrução primária, secretário da junta de paróquia, e ex-sargento das milícias

   de Mirandela. Parece que votara em si o mestre-escola. Afinal, maculou a

   alvura do nobilíssimo desprendimento com que perorara em pró da eleição de

   Calisto! Fragilidade humana!

   Principiou, desde logo, o morgado eleito a refrescar a memória com as suas

   leituras de história grega e romana. Era isto entroixar ciência e enfeixar flores

   para o Parlamento. Depois, releu a legislação dos bons tempos de Portugal, a

   fim de restaurar os costumes desbaratados, fazendo remoçar as leis, que

   tinham sido o tabernáculo da moral humana guardado pelo temor de Deus.

   Tosquenejou muitas noites sobre os bacamartes pulvéreos; e, desde que a

   manhã raiava até horas de almoço, ia à margem do Douro, que lhe lambia a

   ourela da quinta, declamar, como Demóstenes nas ribas marítimas, ao estridor

   de um açude e das rodas de duas azenhas. Os moleiros, que o viam bracejar, e

   lhe ouviam o vozeamento, benziam-se, pensando que o sábio treslera, ou

   coisa má lhe entrara no corpo. A Sra. D. Teodora Figueiroa, vendo o marido

   assim tresnoitado, seguia-o às vezes, de madrugada, espreitava-o de um

   cabeço sobranceiro ao rio, e benzia-se também, dizendo: «Dão-me com o

   homem em doido!»  

      (A Queda de Um Anjo)

 

   Agostinho de Morais

 

 

 

AEPC.jpg


A rubrica TU CÁ TU LÁ COM O PATRIMÓNIO foi elaborada no âmbito do 
Ano Europeu do Património Cultural, que se celebra pela primeira vez em 2018
#europeforculture

 

 

 

 

 

A VIDA DOS LIVROS

    De 31 de outubro a 6 de novembro de 2016

 

Acaba de ser publicado o primeiro volume de «Camiliana», onde se reúnem «Todos os Contos, Novelas Curtas e Romances Breves» de Camilo Castelo Branco, com recolha, prefácio e notas de José Viale Moutinho (Circulo de Leitores, 2016).

UM CASO SINGULARÍSSIMO

Camilo Castelo Branco é um caso singularíssimo na língua portuguesa. Longe do repentismo ou da facilidade, estamos perante um cultor das letras que se evidenciou ao saber aliar grande talento narrativo, capacidade de evocação única e exigência de profissional, que se equiparam aos dos maiores escritores de sempre, como Dickens ou Balzac… Alexandre Cabral fala, com razão, do «exemplo de um profissionalismo sem mácula, nesse estrito aspeto, que não foi ainda ultrapassado». Fialho de Almeida calculava a produção camiliana em cerca de 180 volumes e 54 mil páginas. Hoje sabemos que esse cálculo é feito nitidamente por defeito. E quanto ao rigor, não posso esquecer a sua cultura enciclopédica e o respeito dos seus contemporâneos pelas suas opiniões. Oliveira Martins retificou a primeira edição da «História de Portugal» com base nas apreciações que pedira ao mestre Camilo. É, de facto impressionante a amplitude de conhecimentos que permanentemente cultivava e o à-vontade com que lidava com as fontes coevas. E no tocante ao uso da língua, nunca se deixou deslumbrar pelos arrebiques escusados, antes ligando a clareza à diversidade vocabular, para ser fiel às particularidades e diferenças culturais. Nesse ponto é inigualável. E não é preciso entrar em comparações com outros dos nossos melhores – Camilo é Camilo. Aquando da prisão na Relação do Porto, no processo de Ana Plácido, D. Pedro V fez questão de visitar o romancista duas vezes, em novembro de 1860 e no final do Verão de 1861 e, como corresse a notícia de que o monarca lhe mandara oferecer dois contos de réis, Camilo apressou-se a esclarecer e a desmentir: «Eu creio que o Sr. D. Pedro V é infinitamente delicado, e só dá esmolas a quem lhas pede. Quando S. M. me fez a honra de perguntar, na cadeia, em que ocupava, respondi a S. M.: que trabalhava. Ou o Sr. D. Pedro V entendesse que eu me ocupava em chapéus de palha ou em romances, ou em caixinhas de banha, a minha posição ficava defendida para o inteligente monarca: o homem que trabalha não pede nem aceita esmolas; e, se a pedisse ao rei, julgar-se-ia tão humilhado, como se a pedisse ao ínfimo dos homens». Estava em causa a hombridade e a direitura da sua dignidade. De personalidade marcada e feitio tantas vezes agreste, Camilo tem, na sua longa obra, severas apreciações críticas que atingem mil suscetibilidades. Houve, por isso, razões para ódios e suspeições, mas, à distância, ao lermo-lo fica-nos a grande riqueza da matéria-prima com que lida - a vida de uma sociedade marcada por dualismos e diferenças profundos, que só poderiam ser retratados e compreendidos por quem tivesse oportunidade crítica e capacidade de ver o tempo à luz da duração e do largo prazo… Tendo-se arrependido de alguns repentes, hoje podemos entendê-los, porque permitem perceber os acontecimentos para além das simplificações imediatistas…

 

UM IMPORTANTE ACONTECIMENTO

A publicação deste primeiro volume de «Camiliana» (Círculo de Leitores) corresponde a um acontecimento tanto mais assinalável quanto é certo continuarmos a ter falhas graves na disponibilização ao público de obras fundamentais da nossa literatura. Aqui reúnem-se «Todos os Contos, Novelas Curtas e Romances Breves» de Camilo Castelo Branco, com recolha, prefácio e notas de José Viale Moutinho. Longe da polémica dos cânones, ou seja, de saber se o génio de Seide foi romancista ou novelista, contista ou escreveu crónicas romanceadas, a verdade é que na criação camiliana, independentemente do fôlego maior ou menor, a verdade é que encontramos, invariavelmente, um poder narrativo superlativo. Folheie-se este suculento volume e confirme-se essa qualidade extraordinária. Permito-me, a título de exemplo, falar de «Que Segredos são Estes?», publicado nas «Noites de Insónia», e mais recentemente na antologia «As Novelas de Camilo»… É um texto notável, pequeno mas muito tenso, a que não faltam os ingredientes fundamentais. «O enfermeiro-mor da casa da saúde conduziu-me ao quarto de Duarte. Com certeza, se eu o encontrasse desprevenidamente, não o conheceria. O espasmo dos olhos seria bastante a desfigurar-lhe as outras feições, quase sumidas na desgrenhada cabeleira e nas barbas. Imobilizava-lhe o semblante a sinistra quietação da demência contemplativa». Duarte Valdez era um amigo do narrador, mas a vida transformara-o num farrapo… E o drama resume-se à consciência pesada pela responsabilidade de duas mortes. Valdez dizia ter morto as duas mulheres que amara… «Passados alguns segundos, fiz-lhe esta vulgaríssima pergunta: - Como as mataste tu? – Despedaçando-as uma contra a outra. Pode ser que o leitor esteja sorrindo, porém, que o tremor daquelas palavras vibrava tanto no seio do aflito moço que uns calafrios me correram a espinha, e o turvamento das lágrimas me embaciou a vista…». E fica a curiosidade de saber se não estamos perante um vulgar assassino. Longe disso… A narrativa desenrola-se no registo onírico e fantasmático em que o amor e a morte se confundem, urdidos sabiamente pelo novelista, que nos transmite com economia de palavras, mas com grande densidade de emoções, algo cuja verosimilhança é evidente… Em «O Tempo de Camilo Anotado Ano por Ano», o organizador da obra, com grande mestria, leva-nos a partir da vida do autor de «Amor de Perdição», através dos acontecimentos do país e do mundo. E sentimos como há um enredo romanesco, donde tudo parte, na existência atribulada, e nem sempre evidente, de Camilo. Desde muito cedo, há tendência para se embrenhar em polémicas, para formular juízos severos, para criar anticorpos… Em Ribeira de Pena, em 1843, escreve e afixa na porta da matriz versos ofensivos a uma família importante da vila. Para salvar a pele foge para Vilarinho de Samardã… Em 1846, devido a uma série de artigos publicados no Porto em que criticava o Governador Civil de Vila Real, é barbaramente agredido… Foge com Patrícia Emília para a cidade invicta, mas é acusado por um tio de roubo, sendo ambos presos. Com traços romanescos, porém, o tio confessará depois que era falsa a acusação, feita apenas para travar a fuga… Em 1850, sai a lume o primeiro romance do novel autor - «Anátema»… Estes breves exemplos ilustram uma vida sentimental intensa, que culminará no caso de Ana Plácido, e uma vida familiar dramática. Este é, no entanto, o pano de fundo, de uma persistência admirável enquanto profissional da escrita. Ele confessa: «Eu inclinava o peito crivado de dores sobre uma banca para ganhar, escrevendo e tressudando sangue, o pão de uma família. A luz dos olhos bruxuleava já nas vascas da cegueira. E eu escrevia, escrevia sempre». Ao longo de 669 páginas, a duas colunas, temos muita matéria reveladora da inesgotável qualidade camiliana. E mesmo em «A Via Sacra», cujo fim desconhecemos, resta-nos a certeza de que a intensidade narrativa dispensa epílogos…      

 

Guilherme d’Oliveira Martins

Oiça aqui as minhas sugestões - Ensaio Geral, Rádio Renascença