Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A EUROPA À LUZ DE UMA HISTÓRIA RICA

    

 

Já no séc. V a.C., Heródoto comentava acerca da Europa, heroína mítica, nome de Oceânide ou Fenícia que Zeus, disfarçado de touro, raptara: "o mais curioso é que a Tiriana Europa era asiática de nascimento e nunca veio a esta terra a que os Gregos hoje chamam Europa". Geograficamente, aliás, a Europa é uma península da Ásia, um território multifacetado e caprichosamente desenhado, que se estende, a norte do Mediterrâneo, dos Urais ao Atlântico. Economicamente, albergou ou participou em várias economias-mundo, essas entidades a cavalo sobre diversos impérios, civilizações e culturas, mas consolidadas por uma auto-suficiência económica, que lhes é facultada pela hegemonia do comércio em que participam. O conceito surgiu com "La Méditerranée et le monde méditerranéen à l´époque de Phillipe II" de Fernand Braudel, em 1976. Quiçá já com vocação política, a noção de Europa aparece pela primeira vez num texto do monge britânico Bedo, o Venerável, por volta da vitória de Carlos Mardel sobre os sarracenos em Poitiers (em 732). E é essa travagem do avanço muçulmano que, na Europa Ocidental, confinando o Islão à Península Ibérica, dá um sentido político à Europa. Três décadas mais tarde, em 769, o espanhol Isidoro, o Jovem, narrando essa batalha, conta: "Saindo pela manhã de suas casas, os Europeus deparam com as tendas bem alinhadas dos Árabes". Será da consciência da cristandade europeia que nascerá uma Europa culturalmente identificável pelo seu enraizamento, apesar de todas as suas diversidades internas.

Mas politicamente, desde o "Pai da Europa", Carlos Magno, e, da tentação unificadora dos sacro-impérios que se lhe sucederam, ou da do poder temporal do Papa até aos nossos dias, a união europeia tem-se ficado pela utopia, causando tantas vezes, infelizmente, conflitos e guerras. A consciência da cristandade europeia e do seu território desenha-se, a partir da queda do Império Romano do Ocidente, nos quatro séculos seguintes. Já Estrabão observara que os Romanos "detêm quase toda a Europa, menos a parte que se situa além do Ister (Danúbio) e as margens do Oceano entre o Reno e o Tanaís (Don)". De facto, quase desconheciam a Escandinávia e as planícies bálticas, nunca conquistaram a Germânia, e só com Trajano, no princípio do séc. II, ocuparão a Dácia (Roménia), além Danúbio. Com as invasões bárbaras e a queda do Império do Ocidente, em 476, a cristandade vai acentuar a divisão entre oriental e ocidental, iniciada pela separação do Império Romano entre Bizâncio e Roma, em 395, até ao cisma de 1058. Mas, enquanto o Império e a cristandade orientais viriam a ser submetidos, com a tomada de Constantinopla em 1453 ao poder do Islão Otomano, ao cristianismo converter-se-ão os invasores e conquistadores do Império Romano do Ocidente, vindo assim a cristandade a ocupar, para além da que fora romana, a Europa toda, mais o norte de África. Este será islamizado, três séculos depois, pela expansão almóada e almorávida, que ocupará ainda a Península Ibérica, antes de ser definitivamente derrotada em 1452, em simultâneo com a queda de Constantinopla e o desaparecimento da entidade política da cristandade oriental. Pouco depois, a Reforma irá dividir a cristandade ocidental (excomunhão de Lutero e Dieta de Worms em 1521). Contudo, nem a fronteira religiosa -  que vem separar a Europa do Norte, protestante, da do Sul, católica - nem as guerras da religião - que também alimentaram os conflitos decorrentes da expansão de novas potências ultramarinas (Inglaterra e Holanda) por mares e terras que o Tratado de Tordesilhas partilhara entre os reinos católicos da Ibéria - foram suficientes para anular a consciência da Europa como cristandade. Como apontamento curioso, refiro que, ainda no sec. XVII, em regiões teutónicas, se encontravam clérigos que, ao serviço do povo cristão, celebravam missa para os católicos e o ofício luterano para os protestantes da sua área. Aliás, já travado o avanço otomano em Lepanto (1571), a Europa conhecerá a afirmação progressiva de nacionalidades e a constituição de estados nacionais que, com alianças várias apagando distinções religiosas, andarão em guerra uns contra os outros durante mais de quatro séculos. E também se lançará, com força, no prosseguimento da expansão ultramarina, em que as rivalidades europeias se traduzem na luta pelo domínio de rotas e centros comerciais, e do abastecimento em especiarias, matérias-primas, artefactos e metais preciosos, e mão de obra, que, mais tarde, levará à instalação de colónias e á formação de impérios coloniais. Durante séculos, os europeus viverão com guerras intestinas, mas a descoberta e o encontro com povos, civilizações e culturas diferentes despertarão uma consciência europeia como modo próprio de estar no mundo. E o esforço missionário levará a outras paragens valores cristãos que, mesmo aculturando-se, conservarão o seu cariz europeu ou "ocidental". Podemos dizer que a consciência de ser Europa se forma como a de ser cristandade, desde a comunhão na fé de bárbaros díspares e romanos à identidade definida pela oposição à ameaça islâmica, e até à perceção de si pela descoberta do denominador comum face às outras humanidades que a expansão ultramarina foi revelando.... Erasmo, padre católico e conselheiro de Carlos V para a aproximação entre católicos e protestantes, escrevia no seu "Querela Pacis": "A distância entre países separa os corpos, não as almas.

Antigamente, o Reno separava os Franceses da Alemanha, mas o Reno não pode separar o cristão do cristão. Os Pirinéus formam fronteira entre Gauleses e Espanhóis, mas esses mesmos montes não podem dividir a comunidade cristã. O mar separa os Ingleses dos Franceses, mas não pode romper os laços da sociedade de Cristo... Cristo é o conciliador de todas as coisas..." E é interessante dar uma olhadela ao que se escreveu na "idade das luzes": para Voltaire: "A Europa é uma espécie de grande república partilhada por vários Estados, uns monárquicos, outros mistos, estes aristocráticos, aqueles populares, mas todos correspondendo uns com os outros, todos tendo um mesmo fundo de religião, ainda que divididos por várias seitas"... Diderot e d’Alembert (no artigo "Europa" da Enciclopédia): "Pouco importa que a Europa seja a mais pequena das quatro partes do mundo pela extensão do seu território, posto que é a mais considerável de todas pelo seu comércio, pela sua navegação, pela fertilidade, as luzes e a indústria dos seu povos, pelo conhecimento das artes, das ciências, dos ofícios, e por aquilo que é mais importante, pelo Cristianismo, cuja moral benfazeja conduz à felicidade da sociedade"... Rousseau: "Todas as potências da Europa formam um sistema que as une pela mesma religião. Não se pode negar que é fundamentalmente ao Cristianismo que a Europa deve o tipo de sociedade que se perpetuou entre os seus membros"... O Iluminismo vai, aliás, buscar à tradição cristã europeia os valores que racionalizará e universalizará.

Os mesmos que a expansão europeia difundiu pelo mundo e hoje constituem o "corpus" ético e jurídico da sociedade internacional: a dignidade da pessoa humana, o valor universal do homem, filho de Deus, como medida de todas as coisas, a consciência individual, cuja liberdade apela à responsabilidade, a razão, da qual como diz S. Tomás de Aquino até a fé é serva, o trabalho como cooperação na criação do mundo, a distinção entre o religioso e o político (contrariamente às tradições judaica e islâmica), sem prejuízo do empenhamento cívico de cada um: dai a César o que é de César... Nem sempre a Igreja visível, "oficial", se conduziu de acordo com estes princípios. Mas eles permaneceram, apesar dos desvios e aberrações eclesiais ou clericais, como fundamentos da vocação divina e universal do Cristianismo e como estrela polar da consciência europeia.


Camilo Martins de Oliveira

 

Obs: Reposição de texto publicado em 07.09.12 neste blogue.

CARTAS DE CAMILO MARIA DE SAROLEA

 

Minha Princesa de mim:

 

   Em carta a falar-te de imperadores, e a prometer-te falarmos de Putin (não do político tanto quanto do mítico), já te dizia que o Imperador Celeste é paradoxal, ente divino subjugado, homem também, como os outros, movido pelas suas paixões, ambições e fraquezas... No decurso deste divertido passeio por imperiais galerias de retratos, vamos deparando com essa curiosa condição do poderoso cuja teatral grandeza se vai reduzindo a mesquinhas ridicularias... Tal seria, todavia, risível apenas num palco de diversões; infelizmente tem muito menos graça e pode até ser maldição no seu contexto real, aí onde gera sofrimento e injustiça.

 

   Mas deixa-me ser lúdico agora e, antes de voltar a Vladimir Putin, servir-te, como aperitivo, episódios ilustres da pequenez do "grande" Napoleão Bonaparte. E não só. Recorro a Henri Guillemin, no seu Napoléon Tel Quel (Éditions de Trévise, Paris, 1969), uma biografia iconoclasta. Traduzo:

 

   Esses pobres Bourbons, coitaditos, iam para a província, a uma catedral subalterna, para serem ungidos por um arcebispo qualquer. Para «Napoleão», o eclesiástico de serviço não será um arcebispo, mas Sua Santidade o próprio papa. E «Nabou» ultrapassa mesmo Carlos Magno, a quem se refere por cima de séculos: Carlos Magno, na sua pequenez, tinha ido ter com o papa; para o "caïd" corso, será o papa que, chamado pelo apito, se deslocará. E desloca-se mesmo. E diz, em Notre-Dame: «Deus todo poderoso e eterno, Vós que haveis derramado a santa unção sobre as cabeças de Saúl e de David, derramai por minhas mãos o tesouro das Vossas graças e das Vossas bênçãos sobre o Vosso servo Napoleão que hoje sagramos Imperador em Vosso nome». E Napoleão, a retorquir: «Juro fazer respeitar as leis da Concordata, a igualdade de direitos, a liberdade cívica e política, e a irrevocabilidade da venda dos bens nacionais». Algo inesperada, esta alusão mercantil na boca do Ungido do Senhor, mas tranquilizadora e necessária à sua clientela de base, os abastados do Thermidor e os camponeses. Sua Santidade pelava-se por que lhe fossem devolvidas, pelo menos em parte, as províncias que o Ungido do Senhor lhe tinha roubado para as anexar ao seu reino de Itália. Mas o Ungido mandará que lhe respondam, rindo baixinho, que, «protetor de um Estado estrangeiro», ele não se reconhecia «o direito de lhe diminuir o território». E todavia nascera, na roda do papa, uma ideia considerada sedutora: a canonização de um tal Pedro Boaventura Bonaparte, que haveria maneira de fazer passar por antepassado do imperador. E, como dizia a Chancelaria romana, «uma canonização é sempre, da parte de Roma, um favor; não poderia ser melhor atribuída do que aqui». Vende-se o que se pode. Desapontamento. Por muito "sacro" que fosse, o imperador permanecerá insensível a esse projeto de promoção celeste na sua família. Pelo menos, decide-se em Roma que a 15 de agosto, doravante, o nascimento de Napoleão eclipsará a «gloriosa Assunção da Santíssima Virgem». O núncio achará a fórmula adequada, decretando que, «de pela autoridade apostólica, a festa da Assunção da Santíssima Virgem e a de São Napoleão [claro que se trata só de festas!] ficarão perpetuamente unidas». Perpetuamente! Em Roma não se poupa tempo, posto que se dispõe da eternidade. Mas não deu resultado. Não houve a mais pequena restituição territorial. O "caid" é um duro em negócios...

 

   Alguns aforismos do próprio imperador nos ajudarão a entender o seu elegante pensamento: Para governar é preciso ser militar: só se governa bem com botas e esporas!...   ... Não se trata de ser amado: importa ser-se temido!...   ... A França? Durmo com ela, e ela dá-me o seu sangue e os seus tesouros! Mas, para deixar Napoleão em passado histórico, volto ao seu aproveitamento da religião-igreja tradicional - para iluminar um olhar sobre Putin -, recorrendo ainda a Henri Michelin:

 

   Tem maçadas com o papa que pretendeu excomunga-lo depois da ocupação de Roma por tropas francesas; mas não desiste de o acalmar: quereria tê-lo em Paris, ali à mão, e tornar esse Bonzo-em-chefe, simultaneamente, capelão da Corte e uma espécie de arquichanceler para assuntos eclesiásticos. O «catecismo imperial» continua em vigor; o núncio Caprara declarou-o «conforme à doutrina católica», e todas as crianças de França devem saber de cor os artigos essenciais que eis aqui:

 

   «D. - Quais são os vossos deveres para com Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Nós devemos a Napoleão I, nosso imperador, amor, respeito, obediência, serviço militar e os impostos determinados para a conservação e a defesa do Império e do trono.

   D. - Mas não há motivos especiais que devem vincular-nos mais estreitamente a Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Há, sim, porque ele é aquele que Deus suscitou em circunstâncias difíceis para restabelecer a santa religião dos nossos pais e a proteger. E, pela sagração que recebeu do Santo Pontífice, tornou-se no Ungido do Senhor. Cumulando o nosso imperador com os seus dons, na paz como na guerra, Deus tornou-o ministro do seu poder e sua imagem na terra.

   D. - Que se deve pensar daqueles que faltariam aos seus deveres para com Napoleão I, nosso imperador?

   R. - Segundo o apóstolo São Paulo, aqueles que resistissem à ordem estabelecida por Deus tornar-se-iam passíveis de condenação eterna»...

 

   [Antes do esclarecedor cotejo do acima transcrito com factos relativos ao "tzar" Putin, abaixo relatados, deixa-me só, Princesa de mim, recordar-te este trecho de um bilhete do Cardeal Cerejeira ao Professor Salazar, datado de 13 de novembro de 1945: ... Nesta hora de tantas preocupações, desgostos e talvez dúvidas para ti, envio-te este trecho de uma carta da irmã Lúcia, a vidente de Fátima, que acabo de receber...  ... Escuso de dizer que isto que ela diz não o diz dela mesma, mas por indicação divina (segundo ela deixa entender)...   ... De uma carta de Lúcia, datada de Tui, 7-11-1945:

 

   «... o Salazar é a pessoa por Ele (Deus) escolhida para continuar a governar a nossa Pátria, a ele é que será concedida a luz e graça para conduzir o nosso povo pelos caminhos da paz e da prosperidade.»

 

   E já em carta a Oliveira Salazar, de 26 de maio de 1945, o Patriarca de Lisboa o declarava ungido por Deus.]

 

   Respondendo a jornalistas, pouco depois de conhecer os resultados avassaladores da sua reeleição presidencial, Vladimir Putin, finalmente, lá concordou com ser possível que refletisse e propusesse emendas da Constituição, no sentido de lhe possibilitar mais mandatos para além de só dois seguidos, como hoje estipulado. Até brincou com a ideia de ainda ser presidente aos cem anos... Ao que parece, tal será possível, aceitável e aclamável - para e pelo povo russo -, se Putin lhes surgir como uma incarnação da ortodoxia da Santa Rússia. Curiosamente, o episódio da inauguração da igreja do mosteiro Sretenski - que fui buscar a um artigo de Anaïs Llobet em Le Monde Diplomatique - passou-se ali ao lado da Lubianka, casa - traduzo do jornal francês - do Ministério do Interior soviético, símbolo da grande repressão dos anos 1930, sendo agora a igreja dedicada à «memória dos mártires da perseguição anti religiosa». A decisão de a consagrar no ano do centenário das revoluções de fevereiro e outubro de 1917 constitui um «símbolo importante», sublinhou o Sr. Putin, tomando a palavra no fim da cerimónia. «Sabemos até que ponto a paz civil é frágil. Nunca deveremos esquecer quão difícil é sarar as feridas nascidas de divisões. Eis a nossa responsabilidade comum: fazer todos os possíveis para preservar a unidade da nação russa!» Recorda-te aqui, Princesa de mim, de que os bolcheviques perseguiram violentamente a religião e os crentes ortodoxos russos, não só por razões ideológicas e em virtude da sua praxis política, mas também pela fortíssima ligação do clero à autocracia tzarista. Mas, como nos conta Anaïs Llobet, face à invasão das tropas alemãs, Joseph Stalin reabilita a Igreja para apoiar a mobilização geral, na longa tradição das guerras «sagradas» conduzidas pela Rússia contra as invasões bárbaras. «Irmãos e irmãs: um perigo mortal ameaça a nossa pátria!» lança ele a 3 de julho de 1941, numa mensagem que ficou célebre. O reconhecimento do clero em 1943 faz-se todavia sob apertada vigilância da polícia política e do Conselho para os assuntos da Igreja ortodoxa russa. Tolerada para assegurar discretamente o exercício do culto, a Igreja viu ser-lhe interdita qualquer intervenção na vida pública. Mais tarde, o desmoronamento da URSS levou um número crescente de cidadãos a voltar-se para Deus: só um terço dos russos se declaravam ortodoxos em 1991; eram já 74% em 2012...

 

   ... Nos seus dois primeiros mandatos de presidente (2000-2008), o Sr. Putin apresentava-se como um bom gestor sem ideologia. Tempera então as ambições da Igreja, recusando-lhe a criação dum imposto para financiar o culto e também um canal da televisão federal. Mas quando primeiro ministro, com o seu "faz tudo" Medvedev a presidente (em razão da tal impossibilidade constitucional de mais de dois mandatos seguidos), vai suavizando e progredindo na aproximação à Igreja, sobretudo depois da morte do patriarca Alexis II e da eleição do sucessor Cirilo, que lhe acena com o modelo de governação do imperador bizantino do século VI, Justiniano, a «sinfonia dos poderes», preconizando a cooperação e apoio mútuos do espiritual e do temporal. Para este, que é o político, o movimento é bem vindo. Como Llobet bem entende, no seu regresso à presidência, em março de 2012, Putin, contestado, decide mobilizar a população, já não em volta da sua pessoa, mas em volta de uma prioridade largamente aceite: a defesa dos valores russos tradicionais contra um Ocidente que, segundo Moscovo, procura cercar militarmente a Rússia e deitar abaixo os regimes que não corresponderem às suas permissivas disposições nem aos seus interesses geopolíticos. «Sem os padrões morais formados durante séculos, as gentes perderão inevitavelmente a sua dignidade humana», afirmará o presidente em 2013 e insistirá um ano depois: Para que a sociedade exista, convém sustentar o respeito das nossas tradições e das grandes religiões. E a jornalista lembra que o padre Smirnov, pope ortodoxo, se congratula com essa ofensiva presidencial: Como é que um Russo, um ortodoxo, pode aceitar o casamento homossexual? Não! A Rússia e a Igreja não podem aceitá-lo, tampouco o nosso presidente.

 

   E este teu antigo amigo Camilo-bota-de-elástico, Princesa, lembra-se agora do espetáculo de apresentação dos novos e poderosíssimos mísseis intercontinentais russos, por Vladimir Putin, em véspera de eleição: estou convencido de que qualquer especialista ocidental em tais questões bélico-estratégicas terá complacentemente sorrido. A recuperação do atraso económico e social soviético, iniciada com a glasnost e a perestroika, também aumentou a distância entre o poderio e o potencial militar russo e o americano. Este, "by the way", continua a ser o mais assustador do mundo. Mas o "show" putiniano não era para estrangeiro ver (ainda que possa ter influenciado alguns): era, e foi, para consumo interno. E pagou. Também não sei, não posso ter qualquer certeza, de que o assassínio de espiões no Reino Unido tivesse sido mesmo obra russa. Fosse ou não, disso estou seguro, pairará sempre, no Ocidente (curiosa designação que nos mantém em guerra fria), o fantasma e o receio. Talvez Jeremy Corbyn tenha razão em dizer que seria melhor aguardar por cabal esclarecimento dos factos. Que, presumo, nunca se verificará. Mas a espera traria o esquecimento: assim, na Rússia ninguém se sentiria atacado por mentiras ocidentais e talvez nós nos sentíssemos mais confortáveis com a ideia de que, afinal, não lhes fizemos mal algum, nem têm, portanto, mais razão de queixa. Claro que Theresa May, "à la Poutine", quis capitalizar votos para as eleições de maio próximo... Chacun governa-se...

 

   E na complicadíssima Europa que por aí se anda a elucubrar, ou fabricar, não sei bem, tenho reparado nas bandeiras históricas que reaparecem nos países de leste, algumas, até, de breves e extintas monarquias nacionais. Estar-se-á a levantar outra cortina de ferro? Para tua-nossa meditação, Princesa de mim, traduzo, do Courrier International, este trecho do sociólogo polaco Stawomir Sierakowski, publicado no Project Syndicate, de Praga: Em quinze países da Europa da Leste, os partidos populistas estão atualmente no poder em sete, pertencem à coligação governamental em dois, e representam a principal oposição em três. E se, em 2000, os partidos populistas apenas tinham conquistado 20% de votos em dois países de Leste, hoje já os conseguiram em dez. Sobre tudo isso, Princesa, e mais ainda sobre a China, te falarei em próxima carta.

 

Camilo Maria  

 

Camilo Martins de Oliveira