Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A FORÇA DO ATO CRIADOR

 

Acerca do cubismo de Picasso, segundo Gertrude Stein.

 

‘So when the contemporaries were forced by the war to recognise cubism, cubism as it had been created by Picasso who saw a reality that was not the vision of the nineteenth century, which was not a thing seen but felt, which was a thing that was not based upon nature but opposed to nature like the houses in Spain are opposed to the landscape, like the round is opposed to cubes.’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

No livro ‘Picasso’ de Gertrude Stein lê-se que a guerra trás a mudança que toda a gente espera. É a violenta materialização de uma transformação radical que já se deu na sociedade mas que ainda não se reconhece (talvez só os criadores a consigam sentir). Obriga e impõe um diferente e radical modo de ver.

 

O cubismo representa um completo novo modo de ver. Um modo de ver o mundo verdadeiramente do século XX. É inesperado e nunca visto. O século XIX esgotou-se na necessidade de se ter um modelo. A verdade, de que o progresso e a ciência, era o único meio possível de gerar modos de expressão, perdeu significado.

 

‘At present another composition is commencing, each generation has its composition, people do not change from one generation to another generation but the composition that surrounds them changes.’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

Para Stein nada muda de uma geração para a outra. As pessoas são exatamente as mesmas, com as mesmas necessidades, com os mesmos desejos, com as mesmas virtudes, qualidades e as mesmas falhas. O que muda é a circunstância, o que muda são as coisas que nos rodeiam (as ruas, os edifícios, os meios de transporte, as roupas). E o criador é sensível às mudanças. A sua arte é inevitavelmente influenciada pela maneira como cada geração se move num momento preciso.

 

‘So then the composition of that epoch depended upon the way the roads are frequented, the composition of each epoch depends upon the way the frequented roads are frequented people remain the same, the way their roads are frequented is what changes from one century to another and it is that that makes the composition that is before the eyes of every one of that generation and it is that that makes the composition that a creator creates.’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

O cubismo é composição. Uma composição em que tudo tem a mesma importância, onde não existe um centro. É uma composição nova, sem princípio nem fim e que vai para além dos limites da tela.

 

O cubismo é a afirmação de que nem tudo se resume ao prazer das descobertas científicas. É um novo modo de expressão, completamente criado por Picasso, que mostra exatamente aquilo que se vê, que privilegia um lado e não o outro, sem se deixar interferir pelo conhecimento do objeto que se têm à partida. É uma maneira de expressão que mostra o objeto sem a intersecção do saber ou da lembrança. Stein escreve que Picasso quando vê um olho, o outro olho deixa de existir. E Picasso, como pintor que é, deseja afirmar somente aquilo que ele vê. Na verdade o resto que se acrescenta é uma reconstrução feita pela memória.

 

‘...and so the cubism of Picasso was an effort to make a picture of these visible things and the result was disconcerting for him and for the others, but what else could he do, a creator can only do one thing, he can only continue, that is all he can do.’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

E Picasso preocupa-se somente com as coisas, com aquilo que lhe é realmente visível. De Courbet a Van Gogh e a Matisse, a natureza era vista como tal, como toda a gente a via e a preocupação destes pintores era a de expressar essa visão partilhada.

 

O esforço de Picasso é outro. É o de expressar a única e irrepetível forma de ver as coisas que o rodeiam - e tenta expressar a existência dessas coisas sem se deixar interferir pelo hábito de já as ter visto e de já as conhecer. As coisas pintadas são as coisas vistas, mais especificamente, vistas através de um olhar que depende de uma específica posição física no espaço.

 

Matisse and all the others saw the twentieth century with their eyes but they saw the reality of the nineteenth century, Picasso was the only one in painting who saw the twentieth century with his eyes and saw its reality and consequently his struggle was terrifying, terrifying for himself and for the others, because he had nothing to help him, the past did not help him, nor the present, he had to do it all alone...’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

O cubismo é oposição. Para Gertrude Stein o cubismo faz parte da vida quotidiana de Espanha. O cubismo é arquitetura espanhola - linhas que cortam abruptamente a paisagem. Por isso o cubismo representa todo o trabalho do ser humano que está em descontinuidade e em desarmonia com a natureza. O humano opõe-se ao natural. A esfera opõe-se ao cubo. As casas opõe-se à paisagem. O estático opõe-se ao que se move. O pequeno opõe-se ao dominante. E Picasso tenta, na sua pintura, expressar formas que se opõe, que se separam (apesar de formarem um só todo). As linhas pintadas opõem-se aos objetos vistos. O mundo real opõe-se a um modo de ver particular.

 

‘Everyone was forced by the war which made them understand that things had changed to other things and that they had not stayed the same things, they will force then to accept Picasso.’, Gertrude Stein in ‘Picasso’

 

Ana Ruepp

A FORÇA DO ATO CRIADOR

 

As feras do século XX (parte II). 

 

'Only the series of colors on the canvas with all their power and vibrancy could, in combination with each other render the chromatic feeling of that landscape.', M. Vlaminck

 

Foi a partir do encontro com Derain que em 1900, Maurice Vlaminck (1876-1958) resolveu abandonar o ciclismo, a mecânica e a música. Pinta violentamente. A cor estala com vivacidade e sem disciplina nas suas pinturas. O encontro com a obra de Van Gogh foi o acontecimento decisivo. Emprega a cor no seu estado puro, dinamizando a técnica daquele pintor. É transportado pelo instinto, expressando o mundo livre, cheio de vida. A partir de 1908, experimenta algumas composições cubistas. Mais tarde explora uma outra técnica com paisagens dramatizadas pelos contrastes de sombra e luz.

 

Ora, a obra de Georges Rouault (1871-1958) é fruto de uma experiência dolorosa. Foi atraído pelos tons luminosos e aprendeu a captar a realidade por instinto. Rouault inspira-se em Rembrandt. Dedica-se a pintar palhaços, prostitutas e acrobatas. Procura denunciar a realidade repugnante, representando também cenas religiosas. Curioso é saber que, também expõe em 1905 no Salão de Outono, juntamente com os fauvistas, tendo em conta que a sua obra está mais próxima do expressionismo.

 

O encontro com Dufy e Friesz levou Georges Braque (1882-1963) a interessar-se pela pintura fauvista. Inspira-se no trabalho de Carot e Poussin, dedicando-se no início da sua carreira ao impressionismo. Braque usa a cor pura. A partir da exposição de Cézanne, em 1907, dá uma nova direção à sua obra. Ao conhecer Picasso, desenvolve a técnica cubista. 

 

No atelier de Gustave Moreau, ao lado de muitos outros fauves, Albert Marquet (1875-1947) descobre a utilização da cor pura. Em 1907, organiza a sua primeira exposição. Aqui revela-se um pintor do ar livre, atraído pelas paisagens à beira-mar. O seu desenho é rápido, breve e preciso. Esforça-se por atenuar as cores muito fortes, trazendo uma ordem ao quadro através dos contornos fixos. Deixou o fauvismo para se dedicar a um impressionismo calma e simplificado.

 

Othon Friesz (1879-1949) ao aproximar-se de Matisse, em 1904, dirige-se para o estudo da cor. A sua evolução para o fauvismo foi acelerada por várias viagens. Numa viagem a Munique com Dufy, em 1909, executa vistas muito estruturadas que indicavam o abandono da cor no seu estado mais puro. Nunca, na verdade procurou os contrastes violentos. 

 

No Havre, no atelier do pintor Bonnat, Raoul Dufy (1877-1953), aprende o gosto pela pintura. Nas paisagens parisienses e na representação de praias emprega as cores primárias, sob influência de Matisse. Mas ao abandonar o realismo impressionista comanda-o a imaginação. Em 1906, com Friesz aumenta a intensidade da cor, para desligar-se da objetividade. É a ideia de criar um universo de formas que não se vêm, que representa segundo uma expressão reduzida. Foi a obra de Cézanne, que em 1907, o direcionou para o cubismo. Acabará por se dedicar ao expressionismo alemão. 

 

Esta breve viagem pela vida dos pintores mais marcantes do fauvismo, leva-nos a concluir que para a maioria, o movimento foi transitório. Unia-os a vontade de distanciar a realidade objetiva da representação. Por tal vontade, muitos transformaram-se em cubistas, onde a independência da representação é notória. É importante salientar a obra de Matisse pois foi a que se mostrou mais fiel à corrente por ele iniciada.

 

Ana Ruepp