Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

Blogue do Centro Nacional de Cultura

Um espaço de encontro e de diálogo, em defesa de uma cultura livre e pluridisciplinar. Estamos certos de que o Centro Nacional de Cultura continuará, como há sete décadas, a dizer que a cultura em Portugal vale a pena!

A FORÇA DO ATO CRIADOR

Ilustração de Ana Ruepp.jpg
   Ilustração de Anna Ruepp

 

“… in danger of losing his shadow…”
Carl G. Jung in 
The Undiscovered Self

 

Nascido em 26 de julho de 1875, Carl Jung foi o psiquiatra suíço responsável pela criação da psicologia analítica, que explora a importância da psique individual e sua busca pela totalidade. Jung popularizou termos comuns da psicologia, como “arquétipo”, o significado de “ego” e a existência de um “inconsciente coletivo”. O seu trabalho influenciou vários campos além da psicologia, como a antropologia, a filosofia e a teologia. Como investigador na Suíça, Jung chamou a atenção de Sigmund Freud, progenitor da psicanálise, e vários conceitos desenvolvidos pelos dois apresentam semelhanças, embora não tenham trabalhado juntos. Em Tipos Psicológicos, um de seus livros mais conhecidos, Jung analisou os padrões da personalidade e comportamento que compõem as singularidades de alguém. Jung afirma que existem duas “atitudes” opostas, conhecidas como extroversão e introversão.  O introvertido sente-se mais confortável com os seus próprios pensamentos e sentimentos enquanto o extrovertido sente-se “em casa” quando lida com outras pessoas e objetos, além de prestar mais atenção ao seu impacto diante do mundo. Os introvertidos costumam observar como o mundo ao seu redor os afeta. Segundo Jung, nascemos com uma herança psicológica e uma herança biológica. As duas são importantes para determinar traços de comportamento: “assim como o corpo humano representa um ‘museu de órgãos’, cada um com um longo período evolutivo por trás dele, devemos esperar que a mente também esteja organizada desta forma”, explicou. O psiquiatra enfatiza que o inconsciente coletivo é o centro de todo o material psíquico que não corresponde à experiência pessoal. Seu conteúdo e imagens parecem ser compartilhados por pessoas de todas as épocas e culturas, enquanto o inconsciente pessoal envolve o passado e memórias de cada indivíduo”.